Ducati Scrambler em ação

Felizmente, parece que a onda das motos com estilo e inspiração vintage veio pra ficar. Dessa vez é a Ducati que resolveu fazer sua Scrambler. O vídeo acima mostra um pouco da nova moto em ação.

Honestamente, preferiria que eles nunca tivessem tirado de linha a belíssima Ducati GT 1000 SportClassic (a moto que muitos viram em Tron), mas pelo menos isso mostra que a marca ainda está de olho nesse mercado.

Se você não sabe o que é uma Scrambler, sugiro este post aqui.

Dica do Mario Eduardo.

Harley Davidson Livewire dá as caras no novo filme dos Vingadores

Mais um merchandising da marca nos blockbusters da Marvel. Depois da Crossbones convertida em WLA do primeiro Capitão América, da nova linha Street dando as caras no segundo Capitão América, e da Softail Slim no primeiro vingadores, agora é a vez do projeto LiveWire aparecer no novo filme da franquia.

Só um detalhe sobre a cena do trailer: se as Harleys já dão fim de curso com qualquer buraco, imagina se uma cena dessas fosse de verdade… Doeu meu rim só de pensar.

Atenção motociclistas de SP: cuidado perto de ciclovias

Dea Zanella / Reprodução

Pneu de bicileta furado em Ciclovia Paulista. Foto: Dea Zanella / Reprodução

Alerta aos colegas: cuidado ao pilotar perto das recém instaladas ciclovias da capital Paulista. Graças ao espírito de porco e a total falta de coletividade de alguns cidadãos, está cada vez mais comum encontrar as pistas das ciclovias com tachinhas espalhadas nela. E como essas tachinhas são leves, algumas acabam indo parar na via principal, muitas vezes puxadas pelo vento dos ônibus.

Apesar do pneu de motos ser bem mais grosso, mesmo assim eles podem ser furados por essas tachinhas, especialmente quando estão no fim da vida útil. A solução é tentar parar longe das ciclovias, ou usar selantes de pneu (amados por uns, odiados por outros).

Mais notícias sobre o assunto:

Folha de São Paulo: ciclistas reclamam de pneus furados por tachinhas em Pinheiros
SpressoSP: Sabotagem Paulistana: tachinhas na Ciclovia
Via Trolebus: comerciantes e moradores espalham tachinhas em Ciclovia

Moto vs. carro em São Paulo

Screen Shot 2014-10-13 at 6.54.03 PM

Matéria interessante do Jornal hoje, mas que não tenha nada que o pessoal de São Paulo não esteja careca de saber:

http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2014/10/camera-jh-flagra-disputa-entre-motoristas-e-motociclistas-em-sp.html

É uma guerra, não tem jeito. Os motoqueiros estão cada vez mais abusados, e por sua vez os motoristas cada vez mais desatentos com mensagens de texto, dando likes no Facebook e se perdendo com a interface do Waze.

Todos os dias vejo barbaridades de ambos os lados. Mas ainda mantenho a minha opinião do post “Prezado amigo motorista“.

E no estado de vocês, como é a relação motociclistas vs. motoristas?

Carta aberta aos leitores do blog

Screen Shot 2014-10-10 at 2.55.31 PMDe uns tempos pra cá, é cada vez mais comum eu receber em posts antigos (especialmente os do tempo em que a Izzo representava a Harley) comentários apaixonados de proprietários de HD defendendo a Harley, como se o Old Dog Cycles estivesse em algum tipo de cruzada contra a Harley.

A maioria dos leitores aqui entende o blog, mas acho necessário fazer uma ressalva para quem acompanha há pouco tempo.

Caso não tenha ficado claro, este é um blog voltado para Harleys, Bobbers, Choppers, antigas e Cafe Racers. Recentemente, as BratStyles e o Baixo Custom entraram na pauta.

Dentre eles, o mais discutido aqui, com mais de 1.000 posts contabilizados, é a Harley-Davidson. E isso acontece justamente porque eu, Bayer, o responsável por esta porra aqui, sou proprietário de HDs há mais de 10 anos. Ando de moto há 21 anos, tenho carta há 18, e desde que comprei a minha primeira HD nunca mais deixei de ter uma na garagem. Aliás, teria tido uma antes se a minha condição financeira permitisse.

Ando com outras marcas, testo motos, uso uma scooter, assisto corridas, mas meu coração sempre volta para o V2 refrigerado a ar de Milwaukee. Venho de uma família americana, que inclui veteranos da Segunda Guerra Mundial, então o mundo das HDs, Indians, Motoclubes e afins sempre correu muito forte em minha veias. O american made sempre contou sim, pontos a favor nas minhas contas.

Mas ser apaixonado pelos modelos, pela engenharia, pela história e tradição de uma marca, a ponto de levar isso para o meu estilo de vida e me fazer gastar muito do meu tempo livre trazendo informações para outros apaixonados, não é o mesmo que ser cego e não enxergar os problemas de pós venda, especialmente de uma marca que se posiciona como Premium no Brasil.

Como um executivo da própria HD me disse uma vez: “É complicado trabalhar aqui, pois os clientes se consideram os guardiões da marca e do que ela representa.”

No Brasil, por causa da cultura do futebol, as pessoas tendem a “torcer” pelas coisas. Um time pode ser péssimo, mas ai de quem falar mal. Um partido pode ser corrupto, mas ai de quem falar mal dele. É preto e branco, branco e preto.

Mas o mundo é feito de tons de cinza. E apesar de eu ser completamente apaixonado por motos, e ter um grande carinho pela Harley, eu não vou virar “torcedor”. Vou sim criticar o que está errado, e elogiar o que está certo.

Afinal, quem me culpa de criticar a HD, esquece quantos posts foram dedicados às novas ideias da empresa, como a linha Street e LiveWire, ou explicando a tecnologia e contando importância histórica dos modelos da marca. Quantos novos proprietários não vieram me contar pessoalmente, ou nos comentários, como eu ajudei eles a entrarem nesse universo. Sem falar que foi aqui que surgiu o post “Vamos esclarecer algumas coisas“, que volta e meia é postado nos fórums de Harley e Customs quando surge uma discussão sobre a marca.

Muitas das análises que faço sobre aqui sobre o marketing da Harley e outras marcas, não são críticas negativas, são análises. E elas são feitas por uma pessoa que trabalhou por muitos e muitos anos nessa área, e esteve do outro lado da mesa em reuniões que envolviam estratégias de muitas das marcas comentadas aqui. Sem falar que eu conto apenas o que qualquer profissional envolvido na área está careca de saber…

A Harley mora no meu coração. Tento não focar apenas nelas pois o mundo do motociclismo e da customização é muito maior do que isso. Mas esperar que eu seja como várias publicações da grande mídia, e ser chapa branca, só elogiando, não faz sentido. Ainda mais quando tudo o que rola aqui, sai do meu bolso, sem patrocínio de nenhum fabricante de motos.

Como disse o saudoso Aldous Huxley:

“Fatos não deixam de existir só porque foram ignorados.”
― Aldous Huxley

Fotografando a cena Custom de BH

DCIM102GOPRO

Como muita gente já está careca (e barrigudo) de saber, um dos objetivos aqui do blog é falar das origens do motociclismo e também divulgar a Kultura Kustom Brazuca. Por isso, tenho muito prazer em divulgar projetos como o do Marcio Vital, do site BH Riders, que junta duas grandes paixões dele que eu também compartilho: motos e fotografia. O Marcio pretende fotografar a cena custom de Belo Horizonte para futuramente publicar um livro.

Veja mais no site BHRiders.com.br

DCIM100GOPRO IMG_7158 IMG_7214 IMG_7306 IMG_7341

Se o Batman tivesse uma Buell

magpul-ronin-buell-1125-625x416

Faz tempo que não posto sobre as Buells aqui, e já me acusaram de não gostar delas. Pelo contrário, estão entre as minhas favoritas por juntar 3 coisas que gosto: personalidade, ciclística de primeira e um belo motor.

Felizmente, o BikeExif fez uma matéria com uma Buell bem interessante, que parece saída dos quadrinhos do Cavaleiro das Trevas. Você confere mais sobre essa moto aqui.

magpul-ronin-buell-1125-4-625x625

Isso é Brasil – cenas de moto

Cena 1

Eu, em uma Marginal de 8 pistas, na penúltima faixa da direita no limite de velocidade. Tudo vazio, a não ser por um Range Rover que vejo lá atrás costurando feito doido. Dou seta para mudar para a última faixa, e sou ultrapassado pela direita por esse Range Rover em alta velocidade, que passa buzinando e me xingando pelo simples pelo deu ter começado a mudança de faixa. Após me ultrapassar pela direita, ele cruza as 8 faixas de rolamento, passa por cima da linha contínua e das tartarugas amarelas, para pegar uma saída. Manobra completamente desnecessária e sem sentido. No vidro traseiro, um enorme adesivo para votar em um Deputado Federal engravatado com sorriso falso.

Cena 2

Eu, no corredor entre os carros, seguindo uma mulher em uma Burgman em velocidade compatível com a via. Um motoboy vem pela faixa exclusiva de ônibus, avista um CET, fecha um carro e entra no corredor entre eu e a mulher de scooter. Faz uma ultrapassagem pelo próprio corredor, sem nenhuma folga de espaço, jogando a mulher para cima de um caminhão. Faz o mesmo com outro motociclista, dessa vez xingando. No baú dele, um adesivo: “Nossa senhora, livrai-me dos políticos.”

É impressão minha, ou o país está do jeito que está porque as pessoas não enxergam que os políticos são reflexos das nossas atitudes como um povo?

Charge do Amarildo (www.amarildo.com.br)

Charge do Amarildo (www.amarildo.com.br)