Live fast, ride slow

UPDATE: O Mike, um dos membros do BLK BLK, entrou em contato com a gente, e confirmou que os caras são pra valer, the real deal. Julguei os caras precipitadamente, e quando a gente está errado, tem que dar o braço a torcer. O comentário dele está aí embaixo para quem quiser ler. Espero que os caras consigam apoio para transformá-lo em um longa.

Tudo bem que na minha opinião o documentário deveria se chamar “Hipster on Wheels”, porque apesar deles parecerem hardcore como o pessoal do Tongnhas Mob Club (pelos quais eu tenho o maior respeito), dá pra perceber que eles são um movimento hipster. Provavelmente esses caras vivem de algum trust fund, e devem ter dinheiro para comprar umas putas motos, só não o fazem para serem “irônicos”.

De qualquer forma, o vídeo é muito legal, bem filmado e editado. O diretor está procurando apoio para transforma-lo em um longa.

Uma ideia sobre “Live fast, ride slow”

  1. Olá a todos bom blog, me deparei com isso no outro dia. Eu sou um dos ciclomotores, neste vídeo, eu sou o único que fala no final. Obrigado por colocar este trailer em seu site. Posso garantir-lhe que ninguém envolvido diretamente com este vídeo é tem um “fundo” ou qualquer coisa assim. Eu pertenço ao grupo moped “Preto” (BLK BLK) de Denver, Colorado. Eu goto 10 + comícios de ciclomotores em todo o país a cada ano. Pessoas comuns empree 3 ou 4. Eu carona, carpool e trens de passeio para comícios. Eu ainda não tinha um emprego em 2 anos e sou um mopedder tempo integral. o preço médio de um ciclomotor aqui é de 200 dólares e eles são fáceis de obter. você não precisa de uma licença para andar em um monte de estados. Trata-se de um lote mais de uma cena DIY do que qualquer outro. Todo mundo sabe como trabalhar em suas bicicletas, ao contrário de motocicletas. novamente obrigado incluindo este no seu site, tenha um bom dia. Desculpe se isso é quebrado, mas eu fiz isso no Google Tradutor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *