Dicas para aguentar o frio de moto

a.baa-The-frozen-motorcyclistAlgumas pessoas, especialmente os novatos, estão apanhando um pouco com essa onda de frio que acometeu algumas regiões do país. Para aqueles que resolveram enfrentar os efeitos do aquecimento global sobre duas rodas, aqui vão algumas dicas.

Ceroulas
Não ria. Não estamos falando daquela do vovô, hoje em dia elas são como uma segunda pele de algodão, feitas para se usar sob a calça, bem parecidas com uma cueca boxer com pernas. São práticas e não custam caro, assim você pode ter várias para usar no dia a dia e depois lavar na máquina junto com suas roupas (ao contrário de alguns produtos específicos para moto que custam o triplo).

E se você quer saber como elas são, dê um Google. Me recuso a postar foto de homem com roupa de baixo aqui.

Capa de chuva
Muitas vezes uma roupa é quente o suficiente, mas ela não é capaz de bloquear o vento, ainda mais a 100km/h. Nesse caso, use a jaqueta ou calça da capa de chuva sobre a roupa. Ela vai impedir a ação do vento e melhorar muito a sensação térmica.

Protetor-Queixo-550x412Bandana e cachecol
Muitas pessoas arrancam a proteção que vem sob o queixo do capacete, achando que ela não serve para nada. Mas ela é importante para segurar o vento, especialmente no frio, evitando que ele suba para a sua face.  Mas você pode substituí-la colocando uma bandana no pescoço ou usando um cachecol.

Proteja seu torso
Manter o torso aquecido, mantêm o resto do corpo aquecido. Quando sentimos frio no peito, ele rapidamente se espalha para os pés e mãos. Se você precisar priorizar alguma região, priorize o torso, em seguida as extremidades. Um cachecol ou lenço no pescoço ajuda bastante a não perder o calor vindo do torso pela gola da jaqueta.

Jornal e papelão
Está longe de casa e não tem roupa suficiente? O risco de uma hipotermia sobre duas rodas existe, ainda mais na estrada. Então arrume um pouco de jornal ou papelão de alguma caixa e bote ele sob a sua roupa e luva. E lembre-se da dica acima na hora de fazer isso.

Pense no vento como se fosse água
O vento é triste… Ele procura a mais ínfima brecha, e começa a invadir você por ela. Tenha certeza de usar luvas por cima da manga, vale até amarrar elásticos no punho da jaqueta para evitar que o vento entre. Não dê moleza pro vento, que a sua vida vai ficar bem mais confortável. Estar selado contra ele é a única maneira de não passar frio.

Anti-embaçante
E por último, passe algum produto desembaçante na sua viseira. Quem usa a dica do Poliflor no capacete (veja aqui) já devem ter percebido que ele embaça com mais dificuldade dessa forma. Mas o ideal é usar algum produto específico para desembaçar viseiras, para que você não precise ficar levantando ela toda hora nesse frio.

E lembre-se desse post aqui. Se você está sofrendo sobre duas rodas, pelo menos está formando caráter.

Quem quiser compartilhar mais alguma dica, é só postar nos comentários.

21 ideias sobre “Dicas para aguentar o frio de moto”

  1. ótimas dicas Bayer, eu como uso moto todo dia, já estou mais acostumado com essas interperes do tempo, costumo usar nos dias de frio a tal da segunda pele, comprada nessas lojas de esporte não sai tão caro, e protege do frio que é uma beleza, para evitar usar 399 blusas e parecer o boneco da michelin

  2. Então, existe um agasalho feito de Fleece que é normalmente usado por quem pratica alpinismo, voo livre e afins… pois o material é leve, não limita os movimentos e claro, mantém o corpo aquecido! Existem várias marcas, importadas e nacionais, e quanto maior a gramatura, maior a temperatura.

    A dica da viseira salvou!

    Abraços

  3. Ceroulas eu uso desde antes de ter moto, aqui no RS é comum.
    Costumo usar o cachecol amarrado na nuca, com as pontas viradas pra frente pra proteger a cara e o pescoço. Fico parecendo um “assaltante de diligências” do velho oeste, mas quebra um galho ótimo no frio pois uso capacete aberto com “riding googles”.

  4. O que eu costumo usar , sao as luvas bem fitinhas…tipo segunda pele, de material térmico…aquelas usadas em montanhismo. Coloco elas sob as luvas tradicionais, perde um pouco de sensibilidade, mas as mãos ficam longe do frio.

  5. LUVAS CIRÚRGICAS!!! Uma caixa de “luvas de procedimento” com mais de 100 peças custa baratinho (uns 40 reais) e a caixa vai durar uma vida. Elas não ocupam nenhum espaço em qualquer brecha de bagagem (podem ser guardadas até sob o banco… enroladas…) . Sempre tenho algumas na moto (pelo menos umas 4… ocupam menos espaço que um lenço…) . No frio, são usadas embaixo da luva de couro. E, em chuvas, são muito úteis tb. Não deixa a umidade chegar até as mãos.

  6. Bayer, nunca esqueço minha primeira viagem à Campos do Jordão de moto, Outono, chegando perto de 1:00 da manhã…

    Bom galera, para chuva eu já usei muito luva de cozinha (lavar louça) por cima da luva. A técnica da capa de chuva para quebrar o vento já me salvou em muitas viradas de tempo também.
    Aposentei minhas roupas de couro e estou usando uma Tech Racer de poliester. Muito melhor!
    A roupa de baixo mencionada chamase UnderWear e é fácilmente encontrada na internet e lojas de esportes como a Decathlon. Funciona muito!
    Para botas, se não for impermeável e não tiver a polaina da capa, saquinhos de supermercado nos pés, por baixo, ou por cima da bota, vão ajudar.

    Conforto é segurança.
    Abs a todos.

  7. Sou da região serrana de Santa Catarina. Andamos de moto por aqui e no inverno. É muito frio, mas os passeios são lindos. Vai uma sugestão: pegue um “soft” (cobertor fino e macio), faça uma “balaclava” comprida, com pontas que descam pelo pescoço e cubram o peito e as costas. Vai ajudar muito. E nunca saiam sem “segunda pele” térmica.

  8. Pinlock. É uma maravilha para não embaçar a viseira. Comprei há um ano um mais barato por 50 dilmas e já se pagou há muito. NUNCA mais tive a viseira embaçada.

  9. Em pleno inverno de 2014, viajei de moto de Curitiba para Cascavel (PR), uma viagem de 500 km. Saí de Curitiba por volta das 21 horas, os termômetros da cidade marcavam entre 2 e 4 graus, foram 9 horas de estrada madrugada adentro, eu nem imagino que temperatura estava na rodovia, mas levando em conta que toda a vegetação ao lado da estrada estava branca e coberta de geada, imagino que deve ter feito temperaturas negativas ao longo daquela noite. Apesar de eu estar com várias camadas de roupas, luva, bota e capa de chuva, ainda assim passei muito frio, chegou um momento em que eu não conseguia mais parar de tremer. O frio era tão intenso que meu rosto doía como se eu tivesse tomado uma tapa. Meu corpo ficou rígido, e eu não conseguia relaxar os músculos. Quando cheguei em Cascavel, por volta das 6h da manhã, fui direto para a cama, com várias cobertas, mas mesmo assim só consegui parar de bater os dentes horas depois. Nunca passei tanto frio na minha vida, acho que cheguei próximo de ter uma hipotermia, mas apesar disso, lembro que foi uma ótima viagem, a estrada (BR 277) estava bem tranquila, a noite estrelada, e eu vi paisagens incríveis. Eu repetiria a aventura, mas na próxima vez gostaria de estar com um daqueles coletes elétricos…

  10. uso:-)a mochila na frente,sempre para um pouco o frio,
    Atilio de dinheiro,a borrachinha amarela,no pulso, e o motor quentissimo da minha dragstar ajuda muito,tanto que resecou minha calca de chuva e ela se rasgou

  11. Ótimo comentário, no ano passado eu voltei da Serra do Rio do Rastro tomando uma chuva mostro de Bom jardim da Serra SC até Osasco SP, minha jaqueta de couro e um agasalho por baixo me deixaram na mão a ideia do jornal e do poliflor é top, pois uso óculos e embaça muito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *