Minha Harley saiu de linha. E agora?

Legends Never DieVi gente em desespero porque a XR1200X e Blackline vão sair de linha em 2014. Na época da Deuce e da Night Train foi a mesma coisa. Se esse é o seu caso meu amigo, um conselho: desencana disso. E repita comigo: FODA-SE!

Na minha humilde opinião, o termo “sair de linha” é algo que deveria ser usado em Harleys com uma conotação muito diferente do que se usa para carros, por exemplo. Porque a Harley-Davidson Motor Company nada mais é do que um grande fabricante de Lego, usando o mesmo motor e quadro em dezenas de motos diferentes, com pequenas variações de acabamento, por anos a fio.

Ou você realmente acha que a sua Fat Boy é tão diferente de uma Deluxe por baixo da aparência? Ou a V-ROD de dez anos atrás de uma Muscle zerinho?

No caso da XR1200X, ela nada mais é do que uma Sportster bombada. Qualquer peça essencial do motor é compartilhada pelo resto da linha. Tanto que ela saiu de linha lá fora ano passado, mas continuou sendo montada aqui no Brasil sem problemas. A Blackline então, nem se fala… É uma Softail pura.

E no caso de peças específicas, como o tanque da XR e a rabeta da Blackline, pode relaxar que elas vão continuar sendo fabricadas pela Harley por muitos e muitos anos. E mesmo quando não forem mais, certamente você encontrará uma empresa que vai assumir a fabricação. Existe uma indústria inteira de peças paralelas para Harleys “fora de linha”. Sem falar que sempre existe a opção de customizá-la.

Porque Harleys não morrem nunca, elas podem ser constantemente reconstruídas. 

Essa é a vantagem de se comprar uma moto “obsoleta”, como os Jaspions tanto gostam de dizer. Outras motos ficam velhas, uma Harley bem cuidada vira um clássico. E por ser robusta, e com peças fabricadas do mesmo jeito por anos seguidos, é relativamente fácil encontrá-las. Tanto que muita gente por aí, com Harley bem rodada, não consegue justificar a troca de sua antiga por uma nova. No máximo, pensa em trocar para ter alguma vantagem específica, como o ABS.

Harleys Never DieSe você é o cara que precisa andar sempre com a moto do ano, tudo bem. Então venda sua moto imediatamente para comprar a do momento e não volte mais neste blog porque você vai se irritar com as coisas que eu escrevo. Eu acredito em manter a moto que você gosta, independente do ano dela. Acredito em comprar uma moto para se satisfazer, e não para exibir para os outros.

E no caso de uma Harley, não existe motivo para vender uma moto que você gosta com medo da desvalorização. Porque vou te contar um segredo, amigão: a Harley “tira de linha” motos constantemente. FX, Deuce, Rocker, Heritage Custom, Night Train, Sportster Custom (essa, inclusive, voltou com outra cara), entre muitas outras. Esse ano saiu a Breakout, daqui a pouco ela dá lugar para, sei lá, a Break-in.

Quem se interessa pelo funcionamento da moto, logo percebe que a diferença entre muitos modelos são apenas cosméticas. Isso é tão verdade, que a nova tendência da HD é fazer modelos que podem entrar e sair de linha de acordo com tendências de customização, como é o caso da Sportster 72, CrossBones, 48 e muitas outras. Muda-se um tanque, um para-lama, pega-se uma mesa ou balança de outro modelo, uma pintura diferente e… voilà! Vai ter gente fazendo fila para pagar bem mais caro pelo modelo “novo”.

Curta a sua moto, não pense nela como um investimento, pois isso já não existe há muito tempo no Brasil. Moto só serve como investimento se for um investimento na sua felicidade.

36 ideias sobre “Minha Harley saiu de linha. E agora?”

  1. a única chateação quando a moto sai de linha é achar alguma peça, mas as motos de catálogo também tem essa chateação… então não muda nada…
    E vamos rodando que a minha Fat Boy e seu motor “ultrapassado” TC88 ainda tem muito pneu para gastar.

  2. Disse tudo…

    e tem mais, há quem diga que dono de sportsters só trocam por outra sportster.. e quem faz ao contrário volta atras ehuaheuahe

    Aliás, só trocaria a minha pela 48, mas duvido que a HD traga ela pro Brasil…

      1. Olá Bayer, não sabia dessa sua mudança.
        Gostaria de saber se você já fez alguma postagem explicando os fatores que te fizeram escolher de Dyna pra Sportster e/ou quais suas experiências com essas duas motos.
        Caso não tenha feito, seria muito interessante. hehe
        Pretendo comprar uma HD mais pra frente e minha dúvida paira sobre as Sportsters ou Dynas.

        1. Agilidade e potência, simples assim. Pra andar todo dia como faço, e com a tocada um pouco mais rápida que gosto, a XR casou como uma luva para os corredores e vias de São Paulo, sem perder o tesão da estrada.

          Sem falar que sou fã de cafes racers, e a XR é uma ótima base para se customizar e deixar parecida com a Sportster XLCR, que sempre foi meu sonho de consumo. Projeto ainda em lento andamento…

          1. Sem querer ser o chato que não para de perguntar, mas já sendo, com minha santa ignorância: mas as Dynas não são 1500cc?
            Ou a XR por ser tocada mais esportiva compensa?

            Para viagem de uns 200km, você consegue fazer um breve comparativo das duas?
            Sou do interior de sampa e o trânsito local não é muito problema por enquanto. hehe

            Aliás, parabéns pelos textos e boa sorte com seu projeto de sonho de consumo. haha

          2. Dynas são 1600, as novas gringas já beiram os 1800. Mas cilindrada não quer dizer nada, uma Hornet 600 tem um motor muito mais potente que uma Harley, uma XT600 tem bem menos que ambas, e uma EVO 1450 bem acertada pode ter mais torque que uma HD moderna.

            A XR tem motor 1200, com cabeçote quase igual da Buell e outras coisinhas que fazem a potência de fábrica ficar em torno dos 92cv. Uma Dyna ou Fat Boy com motor 1600 tem em torno de 63 cavalos, sem falar que pesam mais.

            A Dyna é muito mais confortável pra longas distâncias, sem falar a vantagem da autonomia do tanque. Uma Softail é ainda mais confortável de fábrica, mas com um bom amortecedor traseiro a Dyna se iguala.

            200km na XR é sofrido, ainda mais com guidão mais curto e outras mudanças que fiz. Na Dyna, tudo o que eu fiz foi pensando no conforto, e tirava de 200km a 400km de uma vez só de letra. Na XR o foco foi agilidade. O garupa sofre em ambas, apesar da minha esposa preferir (inexplicavelmete) a XR.

            Viajo longas distâncias com a XR, não me importo, mas não é pra qualquer um. Banco duro, pé pra trás, corpo inclinado pra frente, isso cobra um preço. Apenas em serras canso muito menos nela, justamente por causa da tocada mais esportiva. Mas nas retas e estradas mais suaves a Dyna me cansava muito menos.

          3. Beleza rapaz, já deu pra formar melhor alguma ideia.
            (não consegui responder na sequência da nossa conversa. hehe)

            Obrigado pela atenção em me ajudar na minha dúvida, com certeza foi de grande valia.
            Abraço, e manda ver no blog!

        2. Boa tarde , tenho uma Breackout como motor 103 , nunca experimentei uma Sportster , mas andei algum tempo com uma Dyna motor Twin-Cam 1.586 cc . Posso lhe dizer que a mota curva que é uma delicia , e adorei a posição de condução .

  3. Não tenho uma haley, tenho uma virago ano 2000, com 12 anos e que saiu de linha a 10 anos, rodo com ela td o santo dia, se for mudar de moto é por conta da cilindrada para viagens longas, mas a viragosa ainda vai ficar firme na garagem para uso urbano, já conheço as manias dela, virei o meu próprio “mecânico de confiança” por conta dela, bem na verdade ela já faz parte da família…

  4. Comprei minha Blackline depois de muita escolha… Gostei dela, adaptei apenas um pull back (guidão) original pra deixar mais confortável… Acho que nunca vou vender a minha… se der qd ficar mais velho vou acompanhando a tendência do conforto… mas a idéia de trocar a moto por causa de tendência realmente é de péssimo gosto… Quanto mais ando com ela… mas íntima fica…
    Gostei do texto, apesar de nunca encanar com isso.

    Parabéns pela clareza de idéias.

  5. Cara, este texto é muito bom! Muito bom mesmo!
    Penso muito parecido com você… e li e reli várias vezes!

    Isto certamente não é algo que me preocupa!

  6. Achei o texto muito bom, e novamente, quem não entender de cara, não vai entender nunca o que você colocou aqui.
    Por uma série de fatores, fiquei sem moto por muitos anos, e depois de longo processo de escolha, optei por uma Blackline em 2012, modelo que devido a minha altura, caiu como uma “luva” (ergonomia). Este ano surgiram nos USA os primeiros rumores que ela sairia de linha, mas isso não alterou em nada a minha paixão pela Blackline. Não troco essa moto por nada desse mundo ! Vai comigo até o fim.
    Abs

  7. Problemas de falta de peças acontece nas novas e nas antigas. Acontece com carros novo os antigos.. Acontece com TV novas ou antigas… No caso do Brasil, isso só vai melhorar quando o Brasileiro aprender a exigir seus direitos.

    Abcs
    Alex63

  8. Cara já ouvi pessoas falarem da Harley, mas com tanta paixão e razão ou mesmo tempo como vc? Nunca… Compartilho do mesmo pensamento e sentimento!

  9. Concordo contigo 100%! Parabéns pelo texto! Espero que tire a angústia do coração de muitos donos… A verdadeira admiração não deve vir do modelo que se anda, e sim da kilometragem já rodada! Não troco minha Fat 2011 tão cedo…

  10. Acabei de comprar minha XR 1200x, posso dizer que estou muito feliz, meu coração bateu forte quando vi essa moto e mais forte ainda quando o motorista da Aba HD me disse estar saindo de linha aquele modelo de Sportster. Confesso que fiquei com medo de ficar sem e logo comprei a ultima unidade da loja. Agora e só curtir a máquina e pegar a estrada com a patroa. Abs amigos!!!

  11. Comprei minha primeira HD em 2012, uma Dyna FXD 2008 baita moto, mas com uma garupa sofrível, esse ano acabei trocando ela por uma Deluxe 2007 (Deluxe sempre foi a menina dos olhos), e confesso que os 7 anos de uso não me assustaram em nada, só não peguei uma mais antiga, porque me apeguei ao TC96!

  12. Concordo completamente com vc e ainda ressalto a parte que mais me identifiquei como muitos que leram acredito eu: “Acredito em comprar uma moto para se satisfazer, e não para exibir para os outros”
    Comprei minha Harley no ano passado, uma Dyna Super Glide 1340/98 100 %original, se depender de mim sem influência de fatores externos não vendo, não troco, não alugo nem a pau juvenal, forte abraço e ótimo post com os demais que vc posta.

  13. Ter uma Harley é viver uma experiência de transformação e prazer, pois o tempo irá passar e com certeza eu e a minha moto também mudaremos, o ronco ficará diferente, a tocada será diferente, a aceleração ficará diferente, e como na vida teremos que fazer ajustes diferentes… Uma Harley nunca será comparada a uma motocicleta ¨comum¨, Harley´s não são para serem trocadas anualmente, Harley é uma experiência de sensações…

  14. vi uma foto da harley 883 900cc preta e me apaixonei, não sei mais nada dela, se alguem puder passar informações sobre ela agradeço. Hoje tenho uma emprestada pelo nosso pai eterno fazer 2008 10.000km rodados, está em ótima forma vermelha e bonita, e me ajuda no dia a dia. Estava a 15 anos sem pilotar uma minha filha comprou uma fazer em 2014 e me oferecia para andar e eu estava me decidindo a não mais guiar moto, devido aos anos parado e por um descuido em araruama peguei para andar nas proximidades, apareceu neste mesmo dia esta 2008 vermelha e comprei. Digo que isso é como um rastilho de pólvora se acender em uma extremidade você será atingido na outra.É como se vc fizesse parte das duas extremidades, acendendo uma, obviamente vc mesmo distante estará ligado a outra. Diante disso estou com ela desde janeiro, só porque aceitei andar nas proximidades. Vejo a motocicleta uma liberdade que não existe em nenhum veículo motorizado ou não, é como se ela fizesse parte do corpo que está sobre ela e as sensações são indescritíveis, pois o dia em que não saio com ela, sinto que meu dia não foi completo. Sei que os colegas motociclistas ou motoqueiros como eu, sabem do que estamos falando e sentem esse mesmo prazer. Uma coisa que deveria ser levado em conta, no meu entender, todos os motoristas deveriam ter noção de pilotar motocicletas ou mesmo no mesmo prazo das noções andarem em garupas de motoci
    cletas, para que muitos acidentes fossem evitados. obg boa noite a todos, desculpe-me por ter estendido meus raciocinios.
    24 de junho de 2015.
    arynei caldas.

  15. Essas informações são muito boas. Parabéns! Gostaria de aproveitar a oportunidade de estar lendo um site especializado em motos e pedir algumas informações: estou com planos de comprar um custom acima de 1000cc, ou seja, estou entre uma boulevard m1500 ano 2011 e uma HD V rod cromo 1250cc, ano 2005. Alguém poderia me dar alguma opinião comparativa entre esses 2 modelos? desde já agradeço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *