Você é motoqueiro, ou está motoqueiro?

biker

Letra de um funk da ostentação famoso:

Contando os plaque de 100, dentro de um Citroën
Ai nóis convida, porque sabe que elas vêm
De transporte nóis tá bem, de Hornet ou 1100
Kawasaki tem Bandit, RR tem também

O vídeo do cara você pode ver aqui. Não é nenhuma novidade, você vê essas músicas em um monte de programas de televisão por aí.

Mas postei essa letra aqui para explicar porque fujo várias vezes de algumas rodas de conversa, geralmente formadas por aquelas pessoas que compram exclusivamente motos que sejam famosas entre quem não anda de moto. Afinal, eles pensam: “qual é a graça de ter uma Triumph Bonneville (por exemplo), se o meu vizinho e colega de trabalho não sabem quanto ela custa? Melhor ter uma moto que todo mundo saiba que custou cara!”

E eu simplesmente não consigo me identificar com eles. Porque para muitos desses indivíduos, as motos não são uma extensão deles. Não são uma paixão. Não são um modo de vida. São apenas mais um jeito de dizer para os outros “eu tenho por isso eu sou”. E isso atrai inveja, atrai interesseiros(as), estimula cobiça, atrai roubos e uma série de coisas que eu, seja por educação ou princípio, não acredito ou incentivo.

Como disse um amigo: “Essas pessoas estão motociclistas, mas não são motociclistas.”

A galera me chama de pão-duro, de careta, mas para algumas coisas eu sou mesmo. Seja o cara morando no barraco na favela, ou seja o Eike Batista com sua McLaren na sala, esse tipo de postura não combina, na minha humilde opinião, nem com um motoqueiro de alma, nem com um homem de verdade. E não está ajudando em nada a nova geração, que tem esse tipo de coisa como exemplo de sucesso e não aprende a ser feliz com o que conseguiu conquistar.

Não quero dar lição de moral, não é essa a função do blog. Só quero explicar de onde vem essa minha postura, que muita gente confunde com esnobismo de um dono de Harley contra outras motos, especialmente com as japonesas. E não é: quem lê o blog com frequência sabe como eu incentivo e estimulo todo tipo de moto, independente da marca ou cilindrada, apesar de demonstrar minha preferência por algumas.

Tanto é verdade, que tenho a mesma postura com aquele cara com sua Harley ultra-mega-blaster customizada no bike designer da moda, gastando milhares de dólares em coisas que servirão apenas para contar vantagem, já que ele nem sabe para que servem. Esse cara não passa de uma versão do funkeiro da ostentação.

Como diria o velho sábio: “Ostentação de cu é rola”. Um homem é medido pelas suas atitudes na vida, não pelas suas posses. Especialmente se esse homem seguir a Doutrina dos Motoqueiros.

27 ideias sobre “Você é motoqueiro, ou está motoqueiro?”

  1. Porra bayer, esse texto me valeu de montes aqui cara, não que eu já não acredite que isso de ostentar é uma bosta e tal, mas a questão toda é minha duvida na compra da minha primeira moto que eu como entusiasta preferi optar pela mirage 250 porém não tenho todo essa grana pra desembolsar e decidi então pegar a 150 mesmo, porque o meu interesse é maior em questão de liberdade do que em questão de velocidade/preço/beleza.
    Valeu meu velho \o

  2. Parabéns ao blog! Tem horas que agente tem que bancar o chato mesmo, afinal “é o que resta a fazer vendo todo mundo seguindo a corrente”.

    Não vou mentir, já fui assim um dia, querendo dar um passo maior que a perna, aonde cheguei com isso? um belo boleto pesado por mês pra pagar, dinheiro esse que eu poderia estar viajando muito mais com a minha moto anterior…

  3. “… e não aprende a ser feliz com o que conseguiu conquistar…”
    Existe toda uma “ética” em torno do “almejar algo melhor”. Tenho uma 883R e toda vez que posto sobre alguma coisa que queira fazer na moto, comentários como “não gasta com isso, deixa para quando comprar uma maior”. As pessoas não fazem de maneira leviana, mas a lógica do descontentamento e do almejar imperam. Quem disse que eu quero uma “melhor”? O que é uma “melhor” pra mim? Acho engraçado, é a lógica do consumo indiscriminado que tem como premissa gerar necessidades irracionais.

      1. Olá pessoal, gostei do blog e tenho uma ybr 2004 comprei zero e parecia criança quando saí da loja e andei uns 10 km com farol apagado kk, mas bl estou querendo uma 883 iron foi paixão a primeira vista e acho que a moto faz parte da sua alma, basta saber respeita-la não importa se é 100 cc ou 1000 e vai bolinha ! Abraços.

  4. Muito bom o texto. Isso é o q mais tem por aí… conheço tiozinhos q não gostam de moto até alguns do seu círculo social comprarem motos, caras, daí vai e compra… mas tá lá na garagem, ou no café da manhã da concessionária… p vender daqui uns anos quase zero km… e ainda tem orgulho de dizer q a moto tem 5 anos e menos de mil km rodados…

    Lembro e uma vez, com minha saudosa e guerreira viraguinho, pertinho de Curitiba.. parei em um posto e cumprimentei um senhor q estava com uma supermegaelectraultraglideclassicetc… e com uniforme completo hd no seu passeio matinal de 10 km, e ele virou a cara…. não sei porque, mas não bati nele, ignorei e fui embora… depois comentando com um colega ele me disse sabiamente que cara devia ter inveja ser feio, sujo e pobre como eu, e ter rodado tudo q já rodei e vivido tudo q já vivi com minhas motinhas tendo menos da metade da idade dele… vale a máxima, o que vale é o cara, não a moto.

  5. Cara, bom eu vivo numa vila, e todos os caras daqui compram uma honda 150cc, e customizam ela, tiram o sabado inteiro desmontando-a limpando, e o papo é sempre sobre os role de moto e das viajens curtas que fazem. depois compram uma 250cc ou a cb 300cc, a tornado 250cc, enfim, mas todos pensam em ter uma moto maior, pelo prazer de rodar, e todos ouvem funk ostentação e nem por isso eles deixaram de intender que a moto é uma extenção de seus corpo. Eu tenho uma xr 250cc tornado, gosto muito de moto trail, mas tbm amo moto custom, estou pra comprar uma shadow vt 600cc, já fiz parte de moto clube, acredito que conhecemos a mesma cultura. mas acho que não é bem assim do jeito que voce expos! o sonho de um cara que customiza uma cg 150 é ter uma hornet, por isso ele troca escape, rebaixa, troca guidao e tal! talvez devia dar uma rodada pelas periferias de onde vc mora, e começar a trocar uma ideia com quem anda de moto nela!

    1. Leony, desculpe, mas acho que você não entendeu o sentido do que eu quis dizer.

      Conheço (e convivo) bastante com a periferia. O buraco do que eu quis dizer é mais embaixo.

  6. Suas atitudes são o melhor cartão de visita e não compre o livro pela capa são duas coisas que minha mãe sempre me dizia e quanto mais eu vivo, mais eu lembro disso.

    Lendo os blogs e grupos nas redes sociais que acompanho me dá a impressão de que somos muitos pensando no mesmo caminho, mas o cotidiano mostra o contrário: somos poucos e privilegiados por usar o que aprendemos.

  7. Pois é, o famoso papo aquele de “sporstster moto de entrada no mundo da harley e bla blah..” wtf/!//!? Moto de entrada de cu é rola tb :P. Porque isso? Porque é a mais barata? De menor potência de fábrica? heheh, “vive feliz aí então no teu mundinho bitolado….”
    Tenho uma 883 e não penso em ter outra moto. Estou feliz com ela, gosto do design, projeto, da proposta, atende ao que eu preciso e desejo em uma moto, etc.. Ela podia custar 3x mais, ia achar afude igual, assim como acho varias motos mais caras bem legais tb. O valor não é indiferente na escolha, mas é apenas UM dos pontos a ser levado em consideração. O que posso dizer é: bah, que ótimo! Gosto de uma moto da harley que é um modelo mais “acessível”. Não teria alguma outra? quem sabe… quando? não sei.. acho a dyna bem legal por exemplo, teria não por querer algo melhor e mais caro da marca, teria pelos motivos que tenho minha atual. Abraço à todos!

  8. Concordo mas acho até pior uns que satirizam os que tem as UltraMegaBlaster Projeto exclusivo que andam no HOG e quando vão nos encontrar querem ficar ao lado das motos tomando JD e fumando Cohibas.

    Mas cada um faz o quer. Longe de mim!

  9. Excelente texto! Esse clipe de funk apenas retrata o que pensa a maioria da molecada das periferias. Não é à toa que boa parte dos roubos de esportivas (principalmente Hornet) ocorre nos finais de semana. Os moleques querem ir para as festas montados na nave… mas não aprenderam que é necessário tempo e trabalho para conseguir as coisas.
    Em relação aos posers e coxas em geral… tente trocar idéia com um desses. Tenho uma Sportster. Converso com todo mundo (desde o moleque de mobilete que passa e me elogia pela Harley, até o de Suzuki Intruder 1800). É sempre prazeroso conversar com quem gosta de moto. Mas se você quer ser ignorado, tente cumprimentar ou trocar uma ideia com quem tem “uma harley de verdade.”

  10. O que você disse foi motivo de discussão homérica entre os amigos, inclusive com direito de saída do grupo de um dos membros… o lance do: “esse tipo de postura não combina, na minha humilde opinião, nem com um motoqueiro de alma, nem com um homem de verdade”

    O que é o motoqueiro de “alma”?
    Essa interrogação tem tantas variáveis que é o texto seria longo tentando qualificá-la.

    Eu por exemplo fui contra a corrente e o único e exclusivo a comprar a XR dentre todos os amigos conhecidos… não por ser Harrrley… mas por amor a primeira vista, se fosse ter uma moto, era aquela… olho pra ela todos os dias e falo pra mim mesmo, essa moto é “massa”!!! curto estilo… e pra mim o estilo dela é único, gosto de coisas únicas, sou egoísta, mas não me considero motociclista de alma, trocaria um rolé de moto por alguns programas específicos. E o melhor de tudo, sei disso e não tenho vergonha nenhuma em afirmar.

    Diferente desse meu amigo, um pseudo intelectual que que quer ao máximo aproveitar o potencial da moto com o mínimo necessário, sem cursos, sem técnica, sem equipamento, sem conhecimento mecânico…. um bosta. Motociclista top de rua é rola no cú!. Esse mesmo cidadão qdo confrontando pelo “expert” do grupo, que já fez viagens homéricas em cima de moto, que desmonta até a repimbela da parafuseta e tem conhecimento, saiu do grupo se sentindo ofendido.

    Moto é prazer, é você e ela, é você e o mundo… ali, qdo sua mente para para observar e sentir a brisa no corpo e esquecer de tudo para entrar em outro mundo. É disso que eu gosto e é isso que ela me proporciona.

  11. Amei minha visita na loja da Peterson Harley Davidson que fica no endereco 19400 NW 2nd Avenue, em Miami, na Florida. Meu amigo que esteve por la me indicou uma brasileira muito educada e simpatica que me atendeu com carinho e respeito. A claudia realmente entende de roupas, capacetes, botas, roupas de chuva… a medida que ela me atendia explicava os detalhes de seguranca e conforto e claro a moda HARLEY.
    Mas cuidado, se uma louraVELHA quiser te atender, chamada Gina, sai fora… essa mulher odeia brasileiros e tem cara de “c… com caimbra!”
    Se quiser comprar pecas na mesma loja procure por Willian, incrivel o atendimento, sabe TUDO de Harley brasileira e fala portugues, apesar de nao ser brasileiro…hahahah… essa loja eu recomendo para a minha galera de hoje em diante…VALEU CLAUDIA!!!! BRIGADAO!

  12. Cara. Acompanho mais esse blog do que o jornal da cidade.
    Muito boas as postagens.
    Então, sou o tipo de cara que tem pai com grana mas que tem dificuldade pra comprar as coisas, pelo simples fato deu abrir mão de andar numa cabine dupla importada pra andar numa mirage 250.
    Sou chato com moto, não de limpeza porque pra mim basta a moto não sujar minhas roupas. Gosto de futicar, desmontar e tudo o mais. Conheço mais das intimidades da minha ching ling do que de mim mesmo.
    mas enfim. Ultimamente tenho sido tomado por uma necessidade de ter uma harley ( motos que eu sempre admirei) e não faço ideia de quando vou poder comprar, pois por enquanto so ganho um salario minimo.
    mas ta me enchendo o saco nego de dyna e sportster ficar desmerecendo minha motoca, o cara não tem culhoes e resolve comprar uma HD pra compensar.
    Não quero uma HD street glide por status. Quero essa motoca pra sentir o torque e a potencia do motor 1700. Só não sei se vale a pena esperar 1 século pra comprar uma street glide de uma vez ou esperar meio seculo pra pegar uma sport ou custom de outras marcas mas de menor cc.
    grande abraço.

    1. Se tem algo que a experiência me ensinou, é que essas vontades nunca acabam. Pule para a próxima que você puder pegar, e vá indo com calma até a Super Glide. Assim você curte cada moto até chegar na que você quer.

      Porque eu te garanto: quando você chegar na que quer, vai aparecer alguma outra que te interessa. Tanta gente depois de conseguir uma sonhada Fat Boy, agora junta tudo o que pode pra comprar uma antiga…

      Por isso é sempre bom curtir a jornada, com calma e sem pressa.

  13. Estou em uma encruzilhada tremenda. Amo aquela maravilhosa máquina que tem um motor,um guidão e duas rodas. Não sei qual,exatamente. M800,bandit 96,ys250,jaspion ride…
    Sou apaixonado por elas,e sou um tremendo de um traíra . Qualquer uma, é só ouvir o ronco do motor que já fico louco. Boxer, 6,4,2,V,mono…
    …amo todas e elas me compreendem.
    Tenho ciumes apesar de elas serem tão compreensíveis comigo e nada me cobrarem em troca.
    Status da marca de cu é rola. Se você se acha superior pela etiqueta do que você tem, você não vale mais do que gastaram para confeccioná-la. Não merece pilotar.
    É ótimo viajar com quem tem motos menores. Eu pilóto mais devagar e tenho tempo de me divertir muito mais com o que me cerca…

  14. Acompanho o Old Dog Cycles a pouquíssimo tempo, mas já aprendi coisas super interessantes e me identifiquei com conceitos simples como os do texto acima entre outros, ando de moto a pouco tempo, mas vendi meu carro para comprar minha shadow 600 que era e é minha paixão, comprei antes mesmo de tirar a carta (uma semana antes) e não desgrudo dela, uso para trabalhar, faculdade, passear, viajar e tudo que necessite de transporte, vi muita gente de jaspion e HDs entre outras motos mais caras virar a cara pra mim, mas aceno para o irmão e olho para a pista que é o que interessa e continuo a pilotar, no meu ritmo, na batida do coração com o máximo de prazer e liberdade, somos livres independente de marca ou cilindrada e o prazer vem de fazer o que gostamos com o que temos e não de exibir o que temos para nos sentir melhor que os outros, meus companheiros anda de HD 1400cc, yamaha 150cc e honda 300cc, andamos juntos e curtimos juntos, amigos, irmãos, seguindo uma mesma estrada, usufruindo do mesmo vento e apreciando uma mesma paisagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *