The Glint – uma ode à criatividade

Dica do Thomaz Munster pelo Facebook. O curta acima mostra Guillaume Drapier, fundador da Comete Motocycles. O interessante nesse vídeo é a paixão do autor pelo trabalho manual como forma de expressão artística, como um meio de deixar um legado ao se criar algo original.

A tradução livre da locução:

Existe uma luz que nunca se apaga. Ela vive no nosso âmago, nos motivando e desenhando nosso caminho.
Essa luz é a centelha da criação.
A faísca que origina uma ideia.
O esboço de um plano.
É o desejo que atiça nossas paixões e nos força a ir mais longe.
Essa chama dentro de nós alimenta nossos sonhos e coloca um brilho em nosso olhar.
É a energia que acende a nossa criatividade.
Prepara o terreno.
Dá forma e vida para o meio que está sendo trabalhado.
Toda criação está permeada pelo ser que a criou, como se o meio estivesse respirando com o espírito do seu artesão.
E essa não é a maneira mais magnífica de deixar um traço da nossa existência, do nosso tempo nessa terra?
Criar é a única forma de atravessar o tempo, de vagar pelas eras.
É a única maneira de se tornar imortal, de se tornar infinito.
Se essa luz se apaga, morremos.

Uma ideia sobre “The Glint – uma ode à criatividade”

  1. Muito legal esse vídeo… Apesar de não ser totalmente adepto em customização para a minha moto, prefiro ela original, com pequenas adaptações que venho incorporando com o passar dos anos, sem mexer na estrutura e aparência geral da moto, tenho uma máxima que trago comigo, dou valor aos produtos feitos a mão. Não sei se posso mencionar mas gosto muito dos produtos http://cutterman.co, nacional e de qualidade.
    O mesmo para alforges, bancos, etc., tento evitar comprar coisas produzidas em massa, a não ser que sejam extremamente tradicionais, como a dica do Old Dog sobre o canivete buck 110-hunter. Parabéns pelos posts, são um alento para os dias em que não podemos rodar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *