Aprenda como trocar o óleo da sua Indian

Ok, eu sei que ninguém tem uma Indian nova aqui (e se tem, foda-se você por não ter me chamado pra tirar fotos e depoimentos aqui pro Old Dog Cycles), mas esse vídeo publicado pela própria Indian não deixa de ser interessante. Porque? Simples: ele mostra que a marca está realmente levando à sério essa história de se criar um elo entre os seus consumidores e sua motos. E por mais que isso possa parecer pouco, ensinar a fazer coisas básicas como trocar o óleo é um grande passo nessa direção, já que as pessoas tendem a se sentir mais apegadas as suas motos quanto fazem isso.

E lembre-se que a maioria das marcas (coff… Har… coff… ley…), são as primeiras a dizer para você ir no revendedor autorizado™ usar o óleo recomendado™ com as ferramentas originais™ da marca™ por um técnico autorizado™ e pagar a balela de 700 reais com risco de perder a garantia™.

Por mais bobo que isso possa parecer para alguns, esse é mais um ponto pra Indian na minha humilde opinião. Eles chegam ao ponto de vender o óleo na forma de um kit, com tudo o que você precisa para fazer o serviço em casa, para deixar o serviço mais atraente para os novatos.

Esse tipo de vídeo no canal deles não é novidade. Também fizeram um ensinando a trocar o filtro de ar, outro sobre como regular os amortecedores traseiros e um sobre como retirar os painéis laterais. E mais estão à caminho.

Agora só falta eles pararem de cobrar o que cobram, esconderem melhor esse quadro feio, lançarem um modelo mais agressivo, virem para o Brasil, que aí talvez eu possa pensar em me converter.

Talvez…

20 ideias sobre “Aprenda como trocar o óleo da sua Indian”

  1. Olha, o Brasil vai entrar na era do DIY. Infelizmente por anos tem havido toda uma conspiração dizendo para a gente não mexer em nada e chamar um especialista para qualquer coisa. Claro que há problemas que o curioso/amador não vai resolver, mas o que temos visto são “profissionais” despreparados cobrando uma fortuna para fazer um serviço ruim. Por isso, com um bom kit de ferramentas, é possível fazer serviços pequenos/médios do dia-a-dia como os americanos fazem. Curiosamente a HD desfaz essa tradição. O que acontece? Cada vez mais americanos cuidando de suas motos na garagem de casa e postando o vídeo no YouTube. Porque cobrar 200 dólares lá e RS$ 400 Reais aqui por uma troca de óleo é inadmissível. A Indian está de parabéns.

  2. Concordo com você. Todos os meus amigos que tem H-D, nos EUA, fazem a manutenção básica em casa. O catálogo de acessórios da Harley-Davidson, edição de 2014 por exemplo, tem 100 páginas de ferramentas, kits e peças para você mesmo fazer a manutenção da sua motocicleta na sua garage.

    1. Inclusive, lendo o manual em inglês Wilson, tem uma parte que especifica que você não perde a garantia da moto se todas as revisões forem feitas no prazo, independente se for na autorizada ou por você.

      1. Pois é, mas seria interessante saber porque certas tradições americanas como esta não chegam no Brasil. Impressionante como o consumidor brasileiro é tratado como milionário burro que pode pagar o que for por qualquer coisa.

  3. Concordo plenamente com o post e com o que o nosso amigo Virgilio disse. O comércio em geral empurra isso pra gente como se fosse feio você querer aprender e fazer sozinho.
    Inovadora e interessante a ideia da Indian.

  4. Isso é coisa de Brasil, empurrar sempre para o especialista, que de especialista não tem nada…
    Enfim, Bayer no sul cara já tem Indian à venda… (sem jabá), na Phoenix sei o que lá…
    Tem muita customização foda utilizando Indian e “finalmente” a Indian está dando tiros certos… porque aquelas propagandas falando mal da HD é tiro no pé…
    Show de bola esse vídeo e seu texto… \m/

  5. A iniciativa da Indian é boa mesmo. O kit já vem com tudo o que é necessário para que até mesmo um novato no assunto se anime a fazer a troca de óleo.
    Quanto à HD, eu imaginava que isso também era comum, pois em todas as peças originais que comprei (até mesmo um simples mata cachorro) veio um folheto, bem detalhado e com fotos de como instalar a peça…

  6. Ao meu ver, a única vantagem de trocar o óleo em uma oficina (e não em casa) é o fato de que eles mesmos vendem o óleo q eu uso (Motul) e, sendo assim, NÃO COBRAM PELA TROCA. Se eu tivesse que pagar pelo óleo e pela mão de obra da troca, certamente faria eu mesmo… Obs: pago o mesmo valor pelo lityro de óleo que se comprasse em qualquer site ou outra loja. Não há prejuízo ou preço de mão de obra embutido.
    Acredito demais nessa coisa de “criar intimidade com a moto”, tanto que prefiro viajar sozinho com ela (a moto) do que acompanhado ou em grupo. Parece q vamos conversando… Vai entender? Essa é mais uma daquelas coisas: “Se tivesse q explicar…”

  7. …ahhh o bom e velho ” faça você mesmo ” …esse é o Espírito…ninguém precisar ser um mecânico profissional mas certas coisas , independente de marca , não custa saber fazer…pena que a realidade brasileira torna a marca Indian apenas um sonho…

  8. Pois é, acho que a grande divergência no Brasil é o público alvo. Lá fora, HDs são mais baratas em relação ao poder aquisitivo, no Brasil, ainda é artigo de luxo, inclusive a manutenção (tem o custo do país e tudo mais).
    Fazer manutenção em casa, tem a questão de gostar ou não, de se ter o manual de serviço da moto e etc., mas de fato, mostrar que vc pode fazer na sua garagem, não só cria um elo mais forte, mas também dá ao proprietário a moeda social de poder dizer que faz a própria manutenção básica.

    Talvez, a estratégia de MKT da Indian seja mais agressiva do que parece. Ao criar condições práticas e financeiras (mais baratas) de se fazer essa manutenção básica, o cara não vai ficar economizando moto, e essa marca, esse logo, poderão estar nas ruas e estradas mais vezes, por mais tempo.

    Outra coisa interessante, é a viralização, como aqui neste post, sobre um conteúdo “Original” diferente. O DIY, sem ObaOba de café da manhã, sem o misticismo da ferramenta secreta da CC. E assim, o nome Indian está correndo na mídia digital.
    Ainda vou ver os vídeos mas, como motociclista formado em MKT, fico feliz em ver iniciativas mais transparentes, que apontam para algo que “parece” ser uma estratégia de MKT focada no que realmente é importante:
    “Andar de moto”, e não só “Ter moto”.

    Amo HDs, mas estou ansioso para ver nosso mercado com venda, revenda e mão de obra especializada em Indians.

    Abs

  9. Pois é, no EUA não perde garantia, e no manual aqui do BR tem la em letras garrafais: “no Brasil a manutenção deve ser feita exclusivamente na Autorizada (TM)…” Ainda não fiz nada demais na minha 883R a não ser trocar a lampada, revisão 1600 foi na concessionaria, mas agora tem uma troca de óleo simples e quero eu mesmo fazer.

  10. certa vez tentaram “cagar regra” de concessionária, as porcarias que trocam com tempo de uso e não de desgaste e vice-versa. sei que sempre dá muito papo pra isso, mas quem roda tem que conhecer a própria moto, pode ser uma porca moto japonesa, chinesa, tailandesa ou mesmo “azamericana” heheheh mas é sério, “fix yourself” é a meta de pois de “ride your bike”. então, se tivermos mais gente que faça por onde, não haverá essa merda preços caros…

  11. Muito legal essa explicação em vídeo, pois muita gente não lê o manual, o vídeo é mais amigável e empolgante.

    Sobre DIY, entrei nessa meio que forçado pelos “especialistas”, mas hoje em dia vejo que ter jogado a garantia pro Hell foi a melhor coisa que poderia ter feito pra motoquinha e pra mim.

    Costumo dizer que na maioria das vezes, o quintal de casa é a melhor oficina, o proprietário o melhor mecânico e os manuais de serviço e o google os melhores consultores.

    Claro que não vamos fazer retífica na mesa da cozinha, mas muito dá pra fazer em casa.

    Outro ponto, é que conhecendo a moto, é bem mais difícil ficar na rua. Recentemente tive problemas com o relê de partida, já passava das 23:00 e o último ônibus pra onde moro havia saído por volta de 22:30 (depende do humor do motorista). O que me salvou foi justamente saber como funciona e onde estava o tal relê, fechar o contato com a chave philips e ir pra casa.

  12. A essa altura vc. já deve ter tido contato com a Indian pois estes comentários são de março de 2015. Estou com uma Scout que me vestiu muito bem, e sempre gostei de instalar acessórios, adaptar ao meu porte, etc…mesmo na “garagem” da vaga do meu prédio. Mesmo assim, ainda não encontrei um vídeo que explicasse como regular os amortecedores traseiro dela de um modo mais prático que o manual relata . Aguardemos, pois. Parabéns pelo blog que é muito interessante e aprende-se muito com a dicas. Abç

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *