Harley nega garantia a veterano por causa de… bandeiras

Essa é novidade. Um veterano dos EUA, que alega ter rodado mais de 2.5 milhões em motos da marca Harley-Davidson, teve a troca da sua embreagem negada na garantia de sete anos sem limite de quilometragem por causa de duas bandeiras que foram instaladas na própria concessionária.

Segundo a Harley, as bandeiras aumentam a resistência ao vento e a moto não foi projetada pra isso. A garantia está em vigor, eles apenas se recusam a trocar a embreagem.

O veterano está indignado com a Harley, mas disse que não vai abandonar a marca. Uma história que muitos de nós conhecem muito bem…

A matéria original, dica do Rodosol, você pode ver no site da Fox 6 News.

PS: Eu deixei a garantia em negrito no texto, porque é isso mesmo que vocês leram. É uma garantia estendida que pode ser adquirida no dealer americano. Há poucos anos atrás, essa garantia custava o mesmo que fazer três revisões básicas na autorizada daqui: US$ 1.800..

11 ideias sobre “Harley nega garantia a veterano por causa de… bandeiras”

  1. ” O veterano está indignado com a Harley, mas disse que não vai abandonar a marca. ” …na minha opinião isso é o mesmo que : ” O Marido está indignado com a traição da esposa, mas disse que não vai pedir o divórcio. ” …é…têm otário para tudo…

  2. Vamos por partes: a garantia extra ou estendida é um seguro vendido pelo Finance Service da HDMC (http://www.harley-davidson.com/content/h-d/en_US/home/owners/financing-and-insurance/extended-service.html) e como tal está sujeito às cláusulas contratadas.

    Garantia extra cobre reparos, permite descontos e oferece reembolso de despesas com aluguel de moto e refeição (se contratado), mas é preciso manter o programa de manutenção programada e usar acessórios originais.

    É o mesmo programa oferecido no Brasil por uma seguradora (detalhe interessante: a seguradora que oferece o serviço não é a parceira Bradesco e sim uma terceira:Liberty – http://wolfmann-hd.blogspot.com.br/2014/09/garantia-estendida.html).

    Dessa forma, ao fim da garantia a responsabilidade da fábrica cessa e passa para o Harley-Davidson Finance Service e é esse braço da HDMC que está negando a garantia com base no “esforço fora de projeto”, que pode ser contestado em tribunal.

    A briga não é com a fábrica, mas sim com o braço financeiro da marca. Muda alguma coisa ou é apenas um detalhe inútil?

    Para mim muda muito. Apesar de ser o primeiro relato de problema no uso do seguro que tomei conhecimento, mostra que de fato o seguro é muito limitado para uma motocicleta que tem tradição de ser customizada.

    Em uma análise mais detalhada, a garantia estendida pode ser negada (e deve ser já que a liberação depende de um analista securitário e não de um mecânico experiente) se a ECU queimar e a moto estiver usando ponteiras ou escapes V&H, acessório que não interfere na parte elétrica que deve ser a provável causa da queima de uma central computadorizada.

    Vamos ver se a HDMC força o reparo exigindo que o Finance Service autorize o reparo no Trike do veterano e abre precedente que desautorize os analistas dando maior peso para a decisão aos mecânicos que fizerem o atendimento.

    1. Não conheço a realidade nos EUA, mas seguro automotivo aqui no Brasil é melhor dar PT que quebrar uma lanterna. A burocracia é terrível, o conserto muitas vezes sai meio boca, pode leva meses, há uma infinidade de fraudes praticadas tanto pelo consumidor como pelos corretores e seguradoras, etc. Enfim, respeito os usuários do serviço e posso ter uma visão pessoal negativa que possa ser refurtada por alguém salvo pelo seguro (quem já precisou de um reboque, deu pt, por exemplo), mas deixei de utilizar seguros automotivos e estou há 06 anos invicto.
      Garantia em veículo é uma espécie de seguro que eu considero ainda pior. Basicamente, é simplesmente “forçar” o consumidor a realizar todas as revisões e consertos do automóvel na concessionária por aquele preço super camarada das peças originais.
      Entretanto, eu tenho que reconhecer algumas vantagens da garantia estendida. Numa revenda valorizará o preço caso ainda haja garantia. De igual modo, se as revisões forem tabeladas e em um preço razoável (!!!!!!??????), também compensaria. Lógico, considerando que você adquira a motoca zerada e faça todas as revisões na concessionária (coisa que eu não faço nem com moto e nem com carro).
      Voltando ao post, Wolfman, concordo com todos os seus pontos, exceto quanto a mudar a situação o fato de ser um problema com o braço financeiro da marca. Aliás, nem mesmo que fosse uma seguradora terceirizada, à exemplo da Liberty. São responsáveis solidariamente na cadeia de fornecedores. Não tem sensação pior para alguém que compre algo do que quando as empresas começam a te jogar de um lado para o outro dizendo “opa, não fui eu e nem é comigo!”.
      Mas, como apontado, o problema todo, para a empresa, seria realmente o precedente a ser aberto.
      De todo modo, desejo sorte ao veterano. Não sou um mecânico de profissão, mas, em um primeiro momento, não compreendo como duas bandeiras possam ter desgastado a embreagem. Se eu engordasse alguns Kg também perderia a garantia?
      Abraço!

      1. Solidariedade será usada somente na via judicial, quando apontar fábrica e financeiro no polo passivo, mas no estágio atual, dentro da esfera administrativa, por mais que a fábrica reconheça o desgaste por falha de fabricação, se o financeiro insistir em mau uso e se negar a pagar o reparo, não há como chegar a um acordo uma vez que a decisão é do financeiro.

        Pela divulgação, já me parece um prejuízo menor pagar o reparo e abrir precedente que o prejuízo do marketing de apoio às Forças Armadas, e em consequência seus veteranos.

        A HDMC vem se distanciando do convívio com seus consumidores achando que o marketing do life style vai manter a fidelidade, mas respeito é bom e todo consumidor gosta, como você mesmo já frisou no comentário.

        Quando o consumidor se desencantar com a marca, e ainda não foi o caso porque o veterano vai insistir na marca apesar do problema, e assumir que Harley-Davidson é só mais uma marca e não uma religião, talvez o respeito ao consumidor volte a ser mais importante que os eventos chapa branca que alimentam o life style.

  3. Como disse o Rodrigo: “Se eu engordasse alguns Kg também perderia a garantia?” Pois o caso é o mesmo. O aumento de peso do piloto forçaria os componentes mais do que a resistência aerodinâmica de duas bandeiras. O bostinha analista financeiro que tomou essa decisão pensando em puxar o saco da empresa (conheci tantos deles ao longo de minha vida corporativa que me embrulha o estômago só de pensar) deve ser demitido. Só isso. E os outros bostinhas devem ser avisados para solicitarem o auxílio de mecânicos quando tomarem este tipo de decisão. Isso ia resolver o problema de todos, principalmente o de marketing negativo da marca, afinal, as bandeiras de um VETERANO são bandeiras AMERICANAS!!

  4. Boa Noite Bayer,
    Minhahistória se assemelha com essa, caso não queira publicar por entender que não tem nexo não há problema.

    Abril/2014 – Com muita felicidade, depois de ter acompanhado a chegada da moto no Brasil e toda sua evolução em termos de cor e etc… comprei minha XR1200X – foi pesquisando sobre ela que caí no seu site.

    23/Out/2014 – Começa o drama: Por pura burrice não destranco direito a trava do guidão e após arrancar com a moto chão! Deu uma ralada de leve – confesso um pouco de felicidade já que a moto ia para a personalização que estava querendo – mas travou o guidão e não teve jeito, tive q acionar o guincho do seguro. Ao transportar a moto até a oficina de confiança o FDP do cara do guincho não travou a moto direito e chão! de novo – em cima do guincho – vi a cena de camarote pois estava no carro atrás acompanhando, à noite e chovendo. Na hora só percebi que no tombo no guincho ralou o friso da roda – feito a laser. No dia seguinte o mecânico me chama e me avisa que o disco de freio estava empenado, segundo ele no tombo do guincho já que no transporte foi utilizado um tipo de trava na roda, e entortou justamente na direção de onde vi o dano no friso.

    27/Out/14 – Por causa do dano causado pela seguradora tive que mandar para CC da HD.
    A seguradora se recusou a pagar o disco pois eu não vi na hora e não anotei no check list, como se eu fosse mecânico para perceber.
    Enfim,Valores da brincadeira:
    – Reparo e customização da moto no mecânico de confiança: R$1500,00
    – Reparo da Roda – R$500,00
    – Disco de Freio – R$1200,00
    – Orçamento da CC pro reparo total R$18500,00 – sem a trava do guidão pq não cobriram.
    – Franquia R$2000,00
    Eh claro que pela palhaçada da Seguradora mandei fazer tudo na CC HD.

    – 07/Abr/2015 – Até hoje a moto não está pronta pois o disco de freio só chegou 27/Mar/2015 – 5 meses após a entrada na CC.
    Enfim, reclama de cá e de lá descubro que a Seguradora já havia liberado o valor das peças logo após o sinistro. Ao contatar o SAC da Harley Davidson Brasil disseram que “mudaram a logística no começo do ano e blá blá”, mesmo desculpa utilizada com um amigo há 2 anos.
    Conversando com amigos começam as histórias, XR parada por 6 meses por falta de peça, XR parada por 4 meses por falta de peça e por aí vai. Fora o comentário do cara da CC que eu tinha que ficar feliz por terem sido 5 meses, tem gente q espera 8.

    5 meses por um disco de freio é absurdo.

    Achava que a Harley ignorava os clientes só no Brasil, mas pelo post eh geral. A impressão que tenho é que a HD só valoriza quem troca a moto até a 2ª revisão.

    Abrçs e desculpe pelo texto longo, mas a inconformidade está grande no momento.

    André Soller
    XR1200X

    1. Usei o seguro de um terceiro que me derrubou. Coisa pouca, alavanca do câmbio torta, manete, primária raspada, um pedaço do heat shield e guidão.

      Quase dois meses na concessionária. A Harley do Brasil acha que o consumidor é palhaço.

      Concordo com você, ela parece valorizar só quem roda pouco e troca a moto com frequência. E é justamente isso que está fazendo cada vez menos pessoas queiram ficar fiéis a ela. Nos EUA, por mais que eles queiram que você troque de moto com frequencia, eles tem tudo o que a gente precisa pra rodar bastante e incentivam as motos a serem mantidas.

      1. O que salva a marca é que a principal concorrente ainda não apareceu por essas bandas com um serviço minimamente razoável, sinceramente a XR1200X não merece a mãe que tem.
        Abrçs!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *