Fredbike

O Ricardo Gaudêncio mandou mais um belo vídeo, feito por ele lá de além mar. A moto em cena é uma AJS 125, que não desembarcou aqui (até onde eu sei), mas que prova que bom gosto e criatividade na hora de customizar é mais importante do que ter uma conta bancária gorda e nenhuma personalidade.

Para vocês terem uma idéia, o modelo antes da customização é algo mais ou menos assim:

mk2

Mais um bom exemplo do Baixo Custom.

UPDATE: Me chamaram a atenção de que essa moto é basicamente a Johnny Pag com algumas diferenças. A AJS é uma empresa antiga (e relativamente obscura) na Europa, que aparentemente usa o mesmo projeto de moto. Isso não é incomum, ter mais de uma marca vendendo motos com o mesmo projeto, com fabricação terceirizada na China. Você simplesmente encomenda a moto, e bota sua marca nela… Conheça mais sobre a AJS no site oficial deles: http://www.ajsmotorcycles.co.uk/new_AJS/docs/main.htm

28 ideias sobre “Fredbike”

  1. Saúde & Paz.
    Bayer, não explorando de seus conhecimentos; mas “até que ponto” pode -se customizar uma moto sem ter implicações e complicações com Detran´s, polícia, agentes de transito…etc.
    Pergunto, pq. em minha região especificamente; TUDO é proibido.
    Abçs.
    Grato.

    1. Levando ao ao pé da letra, apesar das discussões que dizem o contrário na Internet, nenhuma modificação é permitida sem passar por vistoria de autoridade com respectiva alteração no documento. Esse é o jeito 100% seguro. Mesmo a troca de um pisca pode ser encarado como “alteração das características originais do veículo” se a autoridade quiser sim. Nossa lei é clara nesse ponto.

      Mas na prática, a maioria dessas coisas passa batida porque o policial muitas vezes nem faz ideia como é a característica original da moto. Também vejo que vai da boa vontade da autoridade, do tipo de vistoria que tem na sua cidade, do humor do guarda.

      Tem lugar onde com qualquer coisa enchem o saco, mas às vezes deixam uma moto completamente mexida e piloto com capacete sem selo passar batida.

  2. Salveeeeee….show d bola,,,uma ótima pedida de baixo custom,,,realmente,,,Sou grande fã do estilo bobber, logo logo vou fazer uma, se Deus quiser…contudo uma grande complicação para mim aqui de Curitiba é a falta desse paralama dianteiro rs,,,com a quantidade de chuva que cai por aki rs,,,,o esquema é fugir nem que seja uns 5% do estilo rs e botar um paralama dianteiro rs…Viva as HardTail….abraçossss

  3. A moto é oriunda das Johnny Pag. Distribuídas depois pela Regal Raptor, inclusive no Brasil importadas pela MVK. Hoje quem importa é um amigo que comprou a importadora dos donos da MVK, que faliu.
    A moto dele é o mesmo modelo da minha, uma RR Ghost aqui. Essas motos estão no mundo inteiro, inclusive convido vocês a conhecerem mais no facebook, no grupo criado por mim. Esse modelo no Brasil é comercializado com motores 320cc., e tem uma cruiser menor parecida com as viragos de 250cc.
    Ainda não conseguir customizar a minha, mas em breve terá minha cara!

    https://www.facebook.com/groups/1393625937555396/

      1. Cara aí depende de qual opinião vc se baseia, eu me baseei em pesquisa que eu mesmo fiz por uns 2 anos antes de comprar. Quando vi que a moto estava em várias partes do mundo eu comprei. Não me arrependo.

        1. Então, eu vi nuns fóruns por aí. Pessoalmente nunca vi uma de perto, mas pelas fotos já me apaixonei. Há quem questione o valor delas, alegando que sairia mais barato comprar uma japonesa com mais cc e customizá-la… É um argumento, mas eu ainda acho a Ghost uma coisa linda. Uma preocupação que me ocorreu sobre as Johnny são as peças de reposição… É fácil encontrá-las?

  4. Só p contribuir com a pergunta do Ninja qto às customizações: P começar, moto não é como carro. Depois: “alterar as características originais do veículo” não é uma infração de transito em sí. Vejam bem,, o Art. 98 do CTB diz q “Nenhum proprietário ou responsável poderá, sem prévia autorização da autoridade competente, fazer ou ordenar que sejam feitas no veículo modificações de suas características de fábrica.” na verdade está tratando de características “mais graves” eu diria assim, como alteração de combustível, chassi, etc. Tanto é verdade que o Parágrafo Único do Art. 98 diz o seguinte: ” Os veículos e motores novos ou usados que sofrerem alterações ou conversões são obrigados a atender aos mesmos limites e exigências de emissão de poluentes e ruído previstos pelos órgãos ambientais competentes e pelo CONTRAN, cabendo à entidade executora das modificações e ao proprietário do veículo a responsabilidade pelo cumprimento das exigências.”
    Ou seja, mesmo que o policial ou agente de transito seja muito, mas muito cri cri, ele deverá atentar para o q diz este artigo, ou seja, se vc trocou um pisca, como disse o Bayer, basta que este novo pisca “FUNCIONE COMO O ORIGINAL”, OU SEJA: pisque. Vale observar q o CTB diz q luz indicadora de direção (pisca) é AMARELO, luz de freio é VERMELHA, sinaleira é VERMELHA e que luz de ré é BRANCA. Se vc se manter assim, estará certo.
    Da mesma forma, se vc trocar o cano da moto, lembre-se que ele deverá seguir o q diz o famigerado paragrafo único do artigo 98, ou seja, funcionar como o original, além, disso, há os índices de emissão de poluentes e os decibéis q devem ser observados.
    Espelhos: tem q funcionar como o original, colocar um espelinho minúsculo, por exemplo, ou andar só com um espelho não dá.
    Outra coisa q tem q ser observada é a tal de RESOLUÇÃO 292 DO DENATRAN, mas ela tb trata de alterações quanto ao tipo/espécie e carroçaria, ou seja, alterar de de passeio para aluguel; de transporte de passageiros para carga, etc.

    Não sei se estou me fazendo entender, mas trocando em miúdos, vc pode alterar tudo, desde que funcione como o original.

    E fique tranquilo, pois o CTB é NACIONAL e o que for permitido pelo CTB, não será proibido só na tua cidade.

    Espero de ajudado…

  5. Certa feita um PRF me parou e perguntou sobre meu escapamento. Tdo bem, eles não são originais, fazem um certo ronquinho (rsrsrsrs), mas são cromados, possuem abafador, etc, ou seja, PARECEM COM OS ORIGINAIS. Ai o camarada não sabia se eles eram originais ou não, mas queria me multar, reter a moto até trocar, reter documento p apresentar a moto com escape original, o diabo… Arrumei uma briga feia , mas disse: MEDE AÍ OS DECIBÉIS… MAS EU LIGO A MINHA MOTO, VC NÃO ENCOSTA NO ACELERADOR… Deu crise, pois o PRF não dispunha de um decibelímetro no local para efetuar a medição e eu tranquei o pé: CAMARADA, VC NÃO PODE FAZER O QUE QUISER, TEM QUE ESTAR AMPARADO POR LEI E NESSE CASO A LEI DIZ QUE MEU ESCAPE TEM Q ESTAR FORA DOS PADRÕES DE EMISSÃO DE POLUENTES E RUÍDOS. Se vc não consegue medir, o problema não é meu. Se multar, reter, guinchar, estará cometendo crime de abuso de autoridade, LEI 4898, ai a crise vai ser feia, pois vc retem minha moto e eu só saio daqui contigo preso, vamos todos parar na delegacia de polícia… E por ai foi a conversa… Sem gritos, nem nada, tdo na elegância, senão quem saia preso era eu por desacato!
    Resultado: não fui multado, nem nada, mas não passei mais por ali por alguns meses, vai q ele estivesse com um decibelímetro à mão! rsrsrsr…
    A única encrenca com a qual eu ainda não consegui me entender foi com a tal de placa lateral… P q o CTB diz q ela tem q estar “na parte traseira da moto” e isso ao meu ver é DO BANCO P TRÁS… EM QUALQUER LADO! Mas parece q não é bem assim. Como já não uso mais a placa na lateral (enrosca em tdo qto é coisa, muito pouco prática…) larguei de mão…

    1. Aqui em São Paulo, há um entendimento que se o policial não possuiu decibelímetro, ele pode apreender o documento da moto que será liberado somente após vistoria.

      Aconteceu com vários colegas, e já sei que em outros estados o mesmo começou a acontecer.

  6. Muito bom!

    Eu sei que as harleys são imbatíveis na estética, mas vale lembrar que a realidade financeira de uma parte dos seus leitores costuma estar entre as baixas e médias cilindradas..

    1. É verdade, sou apaixonado pelas motos custom/cruiser, mas grana que é bom nada, rs. Se fosse comprar uma agora compraria uma de até 600cc, mas provavelmente compraria uma Virago XV… ou algo nessa faixa de preço, rs.

  7. Saúde & Paz.
    Bayer e Alexandre; grato pelas informações.
    É que tenho uma Monark (mobilete) 1985 e uma CG 87.
    Fico pensando em fazer muiiiiiitas modificações.
    Mas vou acabar restaurando e deixando originais mesmo.
    Valeu pelas orientações.

  8. Transformação animal da pequena MKV… O mano ai está de parabéns pela transformação da pequena motinho. Devo confessar que acho ele corajoso de pegar uma pequena chinesa (desconheço como seja o mercado lá em portugal) por conta das que vi por aqui.
    Alias Bayer, poderia rolar um especial de pequenas custom do outro continente!
    Grande abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *