Brasil e a arrecadação com jeitinho brasileiro

Foto: O Estado de São Paulo

Multa deveria ter a função de educar. E ponto final.

Ao invés de deixar um motorista passar a 160km/h dez vezes no mesmo lugar, com o risco dele acabar com a vida de uma família, pra só depois fazer ele pagar R$5.746,20, é muito melhor parar ele logo na primeira vez e deixar bem claro que na próxima a punição será bem severa.

Afinal, o objetivo é evitar acidentes, então quanto antes o cidadão parar com esse comportamento, melhor para todo nós. Do contrário, fica a situação que está aí, com um motorista bêbado em alta velocidade tirando a vida de inocentes toda semana.

Em São Paulo, o prefeito Fernando Radar Haddad, tão querido por alguns e tão odiado por outros, está dando mais uma mostra da prioridade de nossos governantes. Ele colocou a Guarda Civil Metropolitana para autuar motociclistas, usando radares de pistola sobre pontes da Marginal. Até bem pouco tempo, multar não era atribuição da GCM, cuja obrigação era a de proteger o patrimônio público e integridade dos cidadãos, não tendo o mesmo poder da Polícia Civil e Militar (o que, em um país sem polícia de ciclo completo como o nosso, já é um enorme absurdo. Mas isso não é tema aqui pro blog…)

E já que os marronzinhos estão sendo pressionados para terem uma meta de multas (outro absurdo, já que o julgamento do profissional fica prejudicado nesse caso), isso gerou uma revolta da população, que passou a depredar radares e ameaçar fisicamente os fiscais.  Por isso, a prefeitura passou usar a GCM armada.

A cena que vi hoje na Vila Guilherme parecia algo saído de um país como a Venezuela. Um guarda fardado com a pistola radar apontando para o trânsito, enquanto um segundo guarda ficava de costas para ele, com arma engatilhada em punho, olhando ao redor em busca de uma possível ameaça.

Se esses guardas estivessem em patrulha, parando carros suspeitos, dando multas para veículos irregulares, o prefeito teria meu total apoio. Quem viveu nos EUA sabe que muitos dos crimes são resolvidos pois a polícia age em rondas ostensivas, e costuma mandar os motoristas suspeitos encostarem, seja porque passaram um sinal vermelho ou porque estão com uma lanterna quebrada. E é justamente durante essas averiguações de rotina, que eles costumam encontrar infrações muito maiores.*

No Brasil, temos a Polícia Militar que, por força de lei não pode fazer isso, só pode atuar em blitze e nunca a paisana. Temos a Polícia Civil, que atua em investigações e não tem nem de perto o mesmo efetivo de rua da PM. E por último, a Guarda Civil Metropolitana, que nas capitais deveria cuidar do patrimônio da cidade e integridade dos cidadãos, mas que no interior é um pouco diferente.

Ou seja: se o interesse fosse educar e prevenir atrocidades, incluindo aí crimes, dois policiais parados em um mesmo lugar não são a solução. Tava em alta velocidade? Pega a viatura, vai atrás, encosta e averigua o sujeito. Capaz de encontrar muito bandido foragido nessa brincadeira. Dar multa sem nem o cara saber, que só chega um mês depois da casa dele, não faz a menor diferença. Quanta gente por aí você não conhece que está com a carteira estourada e continua andando numa boa? E pior, fazendo as mesmas coisas?

Passar o dia todo multando escondido, colocar radar atrás de poste, é demonstrar zero interesse pelo bem estar da população. Só mostra que o único objetivo é cobrir a enorme dívida que os municípios, os estados e a união estão deixando pra gente pagar.

quem-paga-o-pato1-500x345

—-

*(Um tema legal para saber mais sobre esse tipo de ação, é a Teoria da Janela Quebrada. Quando a bandidagem vê a polícia pegando no pé das pequenas infrações, as mais graves tendem a diminuir. É uma ótima leitura, que ajuda a entender porque o nosso atual sistema de segurança pública não está funcionando. Se todo mundo tivesse ela na cabeça, talvez as coisas estivessem diferentes.)

38 ideias sobre “Brasil e a arrecadação com jeitinho brasileiro”

  1. Aqui no sul as Polícias Rodoviárias, tanto estadual quanto federal, costumam se esconder atrás de arbustos na estrada, com seus radarzinhos, pra multar os incautos.
    E eu digo pra eles, o que também se aplica pra São Paulo:
    “Quem se esconde atrás de moitas pra emboscar o cidadão e tirar seu dinheiro é bandido, não polícia.”
    Já arranjei umas tretas feias com policiais por causa disso.

  2. Bayer,

    Mais uma vez você externou de forma clara, concisa e objetiva muito bem o que eu penso sobre o assunto. Gostaria de poder ter esse poder de síntese que você tem.

    Só quero complementar que o Raddard é um lobo travestido de cordeiro e muita gente vai no barulho dele. De “boas intenções” o inferno está cheio.

    Abs.

  3. Texto do meu compartilhamento do link no facebook:

    Engraçado que acordei pensando nisso hoje.
    Se o objetivo é aumentar a segurança numa estrada, diminuir os acidentes num período crítico, por que raios fazem uma fiscalização escondida? Botem policiais a cada tantos quilômetros das estradas e avisem todo mundo que vão fazer isso. Certo que todos controlariam a velocidade e cuidariam de seus carros.
    Mas por que fariam, não é mesmo? De onde viria a grana das multas?
    É óbvio que esse papo de segurança é uma balela!

    1. Exato! Mas porque mesmo que o brasileiro não respeita a placa de limite de velocidade??? É mais fácil culpar o outro!!! Ah! Não foi o motorista que cometeu a infração, o guarda é que estava escondido…

      1. Eu estava pensando exatamente isso. Gostaria de saber o que acontece com os “malvados” radares escondidos quando o cidadão OBEDECE as leis de trânsito e trafega na velocidade permitida.

  4. Hoje o assunto da mídia se resume em um ponto: alta velocidade.
    Se a mídia falou os assessores e políticos surgem com algo medieval.
    Só falam disso agora. Vem antes do assunto bebida ao volante.
    Coisas que não falam, aqui no Brasil: imperícia e imprudência (não só por causa do álcool). Isso não dá multa.
    Em breve irão colocar sensores com GPS em todos os veículos. Passou da velocidade? Multa online.

    1. Fábio,

      Putzgrila, meu velho, bem que você avisou, mas fui ler mesmo assim… Ainda se perguntam por que a USP cai ano a ano nos rankings de melhores universidades do mundo?

      Proibir corredores? Esse pançudo devia subir em uma moto e pegar as duas horas de trânsito para ir ao trabalho e mais duas para voltar, sob sol, chuva e o escambau, se arriscar a tomar uma pancada na traseira, queimando embreagem em 1ª e 2ª no meio dos carros, e ainda rezar para alguma vítima da sociedade não lhe levar a moto, e se levar, não lhe dar um tiro na cara.

      O art. 56 do CTB deve ser o artigo de lei mais famoso que não virou lei, por ter sido vetado. Quando se vetou a proibição de se andar em corredor, ora bolas, passou-se a PERMITIR andar em corredor.

      A reportagem da Folha é tão porca que tenta militar seu preconceito contra motos com base em artigos do CTB: avanço de sinal vermelho e excesso de velocidade, eu até poderia concordar, mas usar as infrações de “Circular próximo aos carros (art. 192 do CTB)” e “Ultrapassar pela direita (arts. 199 e 200 do CTB)” para recriar a infração que deixou de existir a partir do veto ao art. 56, ou seja, andar no corredor?

      Isso é de uma estupidez ASSOMBROSA. Primeiro, o CTB não estabelece a tal distância de segurança para cumprir o art. 192; segundo, o ato de “ultrapassar” consiste em sair de uma faixa, passar pelo carro mais lento e retornar à faixa de onde saiu. Diferença enorme para “passar” pelo corredor, em que não há mudança de faixa.

      Se começarem a fazer mesmo a punição por andar no corredor com base nesses artigos, será o mesmo tipo de estelionato a que o governo submeteu ao povo na época da proibição de armas: a população, em consulta direta, disse um estrondoso NÃO à proibição, mas por meios tortos, discricionários, o governo conseguiu fazer prevalecer sua vontade.

      O Brasil, infelizmente, não é um país sério (e olha que quem disse isso foi, de todas as nacionalidades, um francês).

      1. meu sonho é um protesto tipo operação padrão em são paulo , onde TODAS as motos ocupassem o espaço de um carro , por um dia , e seguissem a lei de transito que esses caras querem.

        só como uma prova de conceito. para ver oq acontece.

        acredito que morreria gente nesse protesto , pq não duvido de motorista de carro nervosinho fazendo strike em moto como aconteceu uma vez com ciclista em porto alegre

        tenho certeza que depois de um dia assim param com esse tipo de idéia idiota

  5. vou mandar a real cara….

    quem estiver andando certo não irá levar multa…
    o certo é certo mesmo se somente um esteja fazendo…
    legislação de trânsito é autoconsciência, você TEM que obedecer porque sua DESOBEDIÊNCIA PODE MATAR ALGUÉM…
    se a população age como bandidos devem ser tratados como bandidos…
    fala sério cara, depredar radar… tá de sacanagem…
    por isso que esse país é essa M… ninguém acha que tem que cumprir lei e pode fazer o que quiser que não irá dar nada…

    1. Agora vou mandar outra real.
      .
      O Estado é quem diz o que é certo. E ele vem mudando o limiar do “certo” de modo que o “certo” beire ao absurdo, dessa forma ele consegue fazer com que todos sejam infratores, e portanto fonte instantânea de dinheiro.
      .
      No caso da Legislação de trânsito ele vai jogando o limiar de velocidade máxima cada vez mais para baixo de modo a tornar a vida do condutor impraticável.

      1. você já deve ter percebido que o Estado não existe, ou não…

        governo é espelho da população…

        Democracia é a forma de mudar a mentalidade do Estado…

        Agora, se a ideologia da Nação é uma M… , a solução é essa aí.

    2. O certo é certo. Concordo com você, amigo. O problema é determinar o que é certo. Não sei se você é de São Paulo ou pega constantemente a Marginal(vou falar da tietê pois é a que pego todos os dias). É impossível, em algumas situações, andar a 50km/h na local ou a 60km/h na do meio. Existem momentos, quando está mais vazio, que os carros em todas as faixas estão andando acima do permitido, por segurança é melhor andar junto com os carros ou mais rápido. Quando os carros estão correndo, eu ando entre o meio e a marcação de faixa direita na pista da esquerda. Quando estão devagar, eu vou pelo corredor +- 10% acima da velocidade.

      Vou deixar uns links aqui que mostram estudos que provam que a velocidade máxima da via tem que ser dada de acordo com a capacidade do motorista médio dirigir com conforto e segurança pois, se o límite for superior o motorista não consegue reagir corretamente e, se for inferior o motorista tende a se destrair e também diminui o seu tempo de reação.
      Eu também ví em um estudo, que não achei para linkar, que na Inglaterra, quando começaram com essas políticas de redução de velocidade os motoristas respeitaram e reduziu os acidentes, depois de se habituarem (baixarem a guarda), os acidentes começaram a subir novamente.

      http://novascotia.ca/tran/publications/Speed%20Zone%20Study%20-%20Final%20Report%202013-12-15.pdf
      http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.473.2237&rep=rep1&type=pdf

      OBS: Foi mal o textão.

    3. Respeito a opinião de todos mas sinceramente a do Robson foi a mais sensata. Não é a toa que morrem 45 mil/ano. Esse assunto não era nem p ser discutido, por que surgiu a função de guarda municipal? Já sei, porque o brasileiro é um povo educado e respeitador das leis!!! Sinceramente Bayer leio seu site a mto tempo e gosto do seu posicionamento sobre diversos assuntos, pode então contribuir com seu conhecimento sobre o que acontece com quem excede o limite de velocidade nos USA!!! Ou melhor, pode discorrer sobre a forma de pensar daqueles cidadãos sobre respeito as leis e quem as infringe!!!

      1. Lendo os comentários, MarcioS, muita gente não entendeu o que eu escrevi. Teve gente no Facebook que postou o link relacionado com a velocidade, sem ao menos ter lido o post.

        Nos EUA a fiscalização é exatamente como a que eu descrevi que eu gostaria que fosse aqui: o cara fez merda, o policial vai atrás, dá a multa pessoalmente, checa os documentos do carro e do cidadão e, na maioria das vezes aproveita para dar uma geral no veículo. Sim, existem radares fixos, de semáforo e afins, mas boa parte da fiscalização é feita por policiais, o que deixa todo mundo mais esperto. Especialmente a bandidagem…

        Bafômetro, quase toda viatura tem, e mesmo que não tenha, o policial pode pedir para averiguar embriaguez por outros métodos. Ser preso por D.U.I. (driving under influence) é relativamente comum, o cara pelo menos passa a noite da cadeia para esfriar a cabeça e depois responde a um juiz.

        Excesso de velocidade é um pouco diferente daqui. Tem estado que não liga se o cara está apenas 5 ou 10 milhas acima do limite, mas outros são severos, como a California. Lá a multa é alta, pode chegar a US$600, mas onde ela realmente dói é no seguro: para se andar de carro nos EUA, é obrigatório ter algum tipo de seguro, e o valor dele cresce muito com as multas.

        Mas uma coisa precisa ficar clara: excesso de velocidade nos EUA é comum, mas as pessoas não dirigem de forma agressiva. O que vemos o pessoal fazendo por aqui, costurando em alta velocidade, é chamado de “reckless driving” (direção imprudente) e nesse caso você vai pra frente do juiz.

        1. Sim, entendi que a crítica não é sobre a fiscalização mas sobre a forma de como ela é feita. Entretanto existem mtos outros pontos falhos em toda a estrutura mto mais importante do que o guarda que fica escondido, tb não concordo com isso. Já parou p pensar pq esses guardas mtas vezes se escondem?? Quantas vezes já foram p casa depois de alguém fazer-lhe uma ameaça de morte?? Qtas vezes eles são ameaçados ao parar um motorista e juntar tantos outros para agredi-los?? ( vejo mto isso aqui na minha cidade, Vitória-ES, tanto que até p pedir informação aos GCMs dependendo da região que estiver é visível um modo de agir deles como se fossem um animal acuado esperando uma agressão a qualquer momento.)
          Isso sem falar na” justiça”, que eu simplesmente não acredito mais. E aí ficam nas duas pontas: 1- a população que não tem educação; e 2- os agentes fiscalizadores que precisam exercer a sua função sem a cobertura devida do próprio Estado e tendo que arranjar meios de voltarem vivos p casa!
          Essa discussão é bem ampla, mas pode ter certeza que mtas vezes aquele profissional que vc vê “escondido” já tentou trabalhar de uma maneira mais eficiente, sem o apoio do Estado e dá própria população, aí o cara faz o que??? Ação e reação!!! Os brasileiros de um modo geral criticam outros grupos como se esses não viessem de dentro da própria população! “Os políticos”… “Os policiais”… “O governo”…. as pessoas se esquecem q somos um só povo, nós somos assim, corruptos, qual a diferença de um político da lava jato e alguém que estaciona em baixo de uma placa??? A oportunidade! Quem é honesto, é honesto em qualquer situação. Se o motorista dá um “jeitinho” p burlar a lei o guarda dá um “jeitinho” de flagrar…. e por aí vai…. Não vamos consertar nosso país se não consertamos a nós mesmos.

          1. Comungo da mesma opinião, MarcioS. Policiais da viatura 924, políticos do mensalão, da Petrobrás, dos anões do orçamento, da casa da dinda…, médicos do escândalo das próteses no RS, juízes do TRT de São Paulo, engenheiros do Palace II do Rio e outras pontes que desmoronam após inspecionadas… Todos são brasileiros do mesmo povo ao qual pertencemos.

  6. Não acho ruim que se diminua a velocidade, que pintem ciclofaixas e assim por diante. A rua tem de ser de todos, um lugar que abrigue carros, motos, bicicletas e pedestres.
    Não tem essa de perseguição aos donos de carros ou de motos. Não acredito nisso. O que acontece é que os donos de carros acham que são mais importantes do q quem anda de motos, motociclistas acha q esta acima de motoboy e bicicleta, cada um achando que pelo q dirige vale mais ou tem mais direito sobre o outro.

    O estado não esta colocando o “certo” proximo do absurdo, é certo andar a 120 na marginal cortando todo mundo, colocando em risco a vida de outros? É certo vc não ter onde andar de bike pq tem medo de ser atropelado?

    Agora o que não é certo é se utilizarem disso para lucrar. Uma coisa é uma coisa. Como o Bayer disse a intenção, na pratica, não é a de educar a população ou ao menos visar o bem estar de todos mas distribuir o máximo de multas a fim de cumprir metas e gerar valores. O famoso jeitinho. É mais fácil ficar atras de poste, em cima de ponte só dando multa, do que ir atras, falar, averiguar etc. Simplesmente leis e multas não irão transformar nosso transito.

    Enfim, não é o Estado que esta errado, apenas, quando olhamos só pra nós mesmos também estamos. A questão é muito maior.

    1. Concordo com teu comentário, Gabriel. Vejo muita gente reclamar do estado (não que eles estejam totalmente certos), mas esquecem que nós mesmos temos que dar o exemplo. Vejo gente reclamar de lixo na rua e dizendo “É só um papel, não vai fazer diferença” ou mesmo após sair do bar e pegar o carro, “não vai acontecer nada” e uma série de outras situações banais. Acho que há muita hipocrisia e pouco argumento em várias reclamações que tem por ai.

  7. Desculpem me pelo comentário mas, o Brasil já era. Não acredito mais no país.

    Os problemas não são de ontem e nem serão de amanhã; sempre existiram e nunca fizeram nada. Vai ser sempre assim.

  8. Semana passada no Rodoanel indo para Taboão da Serra, me deparei com um agente deitado atrás do guardereio escondido com um radar pistola…logo depois dois radares em pontos distintos atrás do guardereio ficando somente a lente por cima para poder flagrar…

  9. Concordo com a fiscalização de trânsito. Esse mês tenho que pagar uma multa de R$ 957,70. Estava viajando e, nessa ocasião, realmente, eu estava errado ultrapassando em faixa contínua com minha moto, com sinalização e cones no meio da via (coisa de “piá pançudo”, como dizem aqui no sul). Nem contestei a policial que me aplicou a multa. Dói pagar quase “milão” em uma multa? Claro que dói, mas só assim para diminuirmos esse tipo de infração. Continuei o resto da viagem andando na linha.

    Por outro lado o que acho muito errado é o limite de 80km/h em uma rodovia federal. Essa era a velocidade segura em 1980, quando só tínhamos corcel, brasília, etc nas estradas. Hoje ninguém viaja a 80km/h o tempo todo. Eu tenho sono! É mais perigoso para mim viajar a 80 do que a 120km/h.
    Minha velocidade ideal para a estrada é 130km/h, pois não estou correndo demais mas estou um pouco acima da maioria dos carros, o que evita que me ultrapassem com muita frequência.

    De qualquer forma, a maneira mais eficiente para controlar acidentes e infrações definitivamente não é escondido.

  10. Tenho pra mim que o transito é a prova material do atraso do Brasil, tanto do lado do Estado, quanto do lado do: Concordo com o Bayer que a melhor maneira de educar um condutor não é escondendo agente para dar uma multa que vai chegar um mês depois, MAS dai em falar em indústria da multa, já não concordo, pois somente é multado quem está errado. E vamos combinar, qual condutor segue a isca todas as normas de transito? Quem para em todos os cruzamentos, mesmo não vindo veículo na preferencial. Quem respeita TODOS os limites de velocidade? Quem não dirigem falando ao celular? Por outro lado, o Estado não tem a menor intenção de educar, por dois motivos: 1º multar desse jeito dá dinheiro; 2º Educar dá muito trabalho. A máxima “cada povo tem o governo que merece” é muito verdadeira. Gostamos de colocar a culpa no outro, para podermos continuar fazendo errado, isso se reflete na conduta dos nossos representantes.
    Foi mal pelo desabafo… to meio irritado com o Brasil essa semana. Muita merda acontecendo ao mesmo tempo..
    Abraço

  11. Quando o papo é sobre “bandido”, tem que punir, prender e matar…
    Quando o tópico é a “industria da multa”, não pode punir, tem que educar….

    1. Errado, porque o mesmo raciocínio se aplica pros bandidos.

      É só olhar a teoria da janela quebrada que eu postei no final do artigo.

      Contravenção e crime são duas coisas diferentes, que devem ser tratadas diferentes.

  12. Boa Tarde a todos,
    A semana toda esperando o assunto do momento – aumento da HD – entrar nas mesas do boteco e nada… rsrsrs
    Então lá vai:
    Tento ganhar o meu especulando contratos futuros de dolar, coisa pouca, entra e sai rapidinho. Pra mim, dolar fez máxima há alguns dias e deve retornar em breve pros 3,50, de maneira que não entendi direito essa da HD de espetar 25% culpando o dolar.
    Das duas uma, ou ela se precipitou e vai ter q voltar atrás, ou é como alguns dizem por aí na net: querem colocar a 750 no preço da 883. Essa história já tinha ouvido qdo do lançamento da mesma nos EUA.
    Até onde sei as demais ainda não reagiram ao dolar, BMW por exemplo tá mesma condição da HD, sem falar nas japas e italianas.
    Talvez a Norton possa esclarecer as coisas, do seu jeito, claro…. rsrs. Alguém sabe dizer qdo ela divulgará seus preços? Continuo achando que tem caroço nesse angú da HD,

  13. Fui parado agora pela ROCAM
    De alguma forma os policiais detectaram que minha moto estava com licenciamento vencido, de fato… burro pra kralho esqueci…
    Graaaças a Deus policial foi gente boa por que repetiu uma 2, 3x que levaria minha moto para o pátio!!
    pqp… suando até agora só de pensar em ficar sem minha moto e ter de trampar de busão
    Normalmente quando vejo policiais não costumo passar perto justamente para não me parar, por algum motivo X inventarem de te parar você acaba perdendo tempo mesmo com tudo em dia, nesse caso foi bom, por que poderia ser pior, ser parado pela rodoviária na estrada por exemplo! :o
    enfim…
    Sobre multas tem muito nego abusado, vou todo dia com minha HD pro trampo e vejo de tudo. MAs 50km é ridículo.
    O problema das multas é que se ao menos vissemos melhoras de asfalto, sinalização, etc… blz… mas pra onde vai a grana que é o problema

  14. Bayer, quando você colocou o asterisco no trecho do texto, na hora pensei na “Broken Window”, ahh quem dera!

    Senhores, não se trata de governo ruim ou bom, não se trata de ser bandido ou não, é um problema antropológico. É cultural. Vem desde o descobrimento, a formação do brasileiro. Em qual país no mundo você observa radares nas rodovias determinando por exemplo 60km/h, motoristas reduzem em cima do radar para a velocidade limite e logo após passar pelo equipamento já está a 90, 100, 120km/h? Não estou querendo dizer que o governo não tem sua parcela, claro que sim, porque colocar radares que limitam velocidade a 50km/h em pistas rápidas sem nenhuma obra que vise estruturar melhor o fluxo é praticamente pedir para que seja descumprida tal limitação.

    Assim surge o oportunismo da indústria das multas, há alguns dias, o MP “pediu” explicações para a prefeitura de SP declarar onde foi gasto mais de 1,5 bilhão arrecadados somente no município de SP (não estou certo ao valor, mas acho que era isso mesmo), que constitucionalmente não pode servir para nada além de investimento em educação e na melhoria do próprio transito, não preciso continuar né?

    Enfim, realmente depredar radares não é a solução, agredir agentes tão pouco. Respeitar os limites impostos? Com essa estrutura de transito que temos e esse serviço de transporte público, também acho que não. O fato é, não vejo como isso termina, pelo menos não com um final feliz.

    Ah e por fim, mea culpa, viajo para MG pelo menos 2x por mês, saio aqui de Pedreira/SP com destino a Congonhal/MG ou Itajubá/MG, seguindo em direção a Itajubá, nunca contei ao certo, mas com certeza são mais de 20 radares em pouco mais de 200km, com exceção de um de 80km/h todos os demais limitam a 60km/h. Se fosse respeitar isso, uma viagem que leva quase 4h, devido as péssimas estradas e tráfego intenso de caminhões e treminhões, levaria o que? perto de 6h para percorrer um trecho de 200km?

    Concluindo, é só um exemplo do que se tornou tudo isso, um belo e perigoso círculo vicioso, onde nós mesmos alimentamos a besta.

  15. Há muito tempo que acredito que nois é que somos responsáveis pela nossa própria segurança o Estado apenas usa esse argumento para arrecadar o quanto for possível para cobrir seus orçamentos estratosféricos e sua péssima administração. Quanto ao transito, discutido em questão, uma das maiores arrecadações de uma prefeitura… nunca vai mudar!!!

  16. Salve Galera! Faz um tempo que não viajo de moto p/ as bandas de SP ou mesmo mais para cima. Moro em Curitiba e devido aos trabalhos minhas viagens tem se limitado aos estados do sul mesmo.
    Ja faz algum tempo que botei na minha cabeça que, quem faz a nossa segurança, somos nós mesmos. Coisas com ultrapassar em local proibido, excesso de velocidade, tenho evitado ao máximo. Não só pelo respeito a sinalização como também pela dor, de ter que pagar uma multa de quase mil reais.
    O mais absurdo é em uma região de serra, você ter o bom senso de andar numa velocidade compatível e ser surpreendido por uma carreta bi-trem, te ultrapassando a 135 km por hora. Em um lugar que devido as curvas, não se passa de 70 km por hora. Muita sorte eu estar sozinho e estar atento, pois eu sei que é uma região que a policia rodoviária estadual adora ficar.
    Não deu outra, batata, no final da reta a policia estava lá, e tinha presenciado o que o caminhoneiro fez. Parou o mesmo na hora, e lascou a caneta. Deve ter tomado uma multa maior ainda, pois além de ser em local proibido, o carro que vinha no sentido oposto foi p o acostamento, e eu tbm, quase fui.
    Uma coisa é certa, todos temos que ter consciencia de que o mínimo de responsabilidade e respeito já mudaria muito o nosso transito, cada vez mais caótico.
    Um grande abraço a todos, cambada!

  17. Gostaria de ressaltar que a diminuição das velocidades máximas dentro das cidades é algo que vem ocorrendo há muito tempo nas grandes cidades européias. Em Londres por exemplo, a velocidade máxima é de 32 km/h em mais de 300 km. de vias. Na Alemanha, pais das autobahns, a capital Berlim regula em 40 Km/h praticamente TODAS as vias. Em todos os casos, São Paulo inclusive, existem dados mostrando que a redução de velocidade está diretamente ligada a redução de acidentes fatais. Tenho moto, gosto de acelerar, não gosto de multas, mas, acima de tudo, amo a vida. E se para reduzir o número de mortes no transito for necessário reduzir a velocidade, que seja. Essa vida loka de correr pelos corredores de um lado para o outro não vale uma vida de verdade. Não nos esqueçamos do que realmente importa. Abraços e boa viagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *