Mototerapia

SAM_1310

Às vezes a gente fica tão ocupado e preocupado ganhando a vida, que acaba esquecendo o mais importante: vive-la. Essa foto aí eu tirei voltando de um rolé, sozinho no Rodoanel depois de meditar um pouco sobre os meus problemas na estrada.

Na minha humilde opinião, ainda não inventaram terapia melhor que a mototerapia, nem meditação melhor do que a sobre duas rodas.

Let’s ride.

12 ideias sobre “Mototerapia”

  1. Assino em baixo, melhor do que isso, só se tomar dopamina na veia.
    Só precisa tomar cuidado, pois às vezes o estado de espírito influencia na pilotagem, desconta no pulso, acha que tá numa superbike e de repente…lona.
    Foi assim que fui pro chão da última vez.

    Abraço!

  2. Ae, Bayer, isso me faz lembrar um texto que escrevi há algum tempo, naquele mote “why I ride”. Como estou com um blog novo, resolvi postar (o link está abaixo, se não pode, dê um toque). O texto é o que segue:

    POR QUE EU ANDO DE MOTO

    Eu sou um tipo reservado. Não apenas que me resguardo de estar em evidência. Antes e acima disso, que preciso estar sozinho para colocar as coisas em seu lugar dentro de mim.

    Mas “sozinho” não é bem o termo. Preciso estar a sós com Ele. Preciso frui-lO e àquilo que Ele me deu, desde a própria grandiosidade da criação até os pequenos confortos deste mundo.

    Entre estes confortos, está minha moto.

    Desde pequeno aprendi a gostar da estrada. Herdei do meu pai o gosto por viagens. Às vezes nós dois viajávamos de carro e o destino era apenas pretexto. Nosso prazer estava no ir. Em observar o caminho. E nas conversas que tínhamos. Talvez, de toda a herança que o velho me deixou, esta seja a mais marcante. Marca indelével de ser um Vargas.

    Meu pai se foi já há alguns anos. Entretanto, eu não fiquei sem companhia para a estrada. Não mais de carro, mas de moto eu sigo na companhia de meu Pai. O destino ainda é só pretexto. Meu prazer está no ir. Em observar as maravilhas da criação ao longo do caminho. E nas conversas que temos. Esta é a marca indelével deste Vargas como um cristão.

    A moto que tenho, como um bem em si mesmo, não representa muita coisa. Mas, reservado que sou, em segredo ela representa a paz e o prazer da Presença que Se revela na estrada: em cada curva, em cada paisagem, em cada dor e dificuldade, em cada sorriso e descoberta… E em cada palavra desta boca e em cada pulsar deste coração.

    Ah, e porque é assim, não só minha moto é um conforto como é ação de graças, e quero fazer dela uma experiência estética digna dEle!

    Eu não espero que alguém me entenda. Mas é por isso que eu ando de moto!

    A DEUS SEJA A GLÓRIA!

    (http://robertovargas-make.blogspot.com.br/2016/02/por-que-eu-ando-de-moto.html)

    Abraço, bro.

  3. De fato é impressionante o poder de uma moto e uma boa estrada, não vai resolver nenhum problema, não vai fazer com que ele suma, mas naquele momento, você, a moto e a estrada, nada mais importa! Não se confunde com “fuga” porque os problemas estão ali, mas quais eram mesmo?

    É inexplicável, só quem um dia já esteve de cabeça cheia e esvaziou um tanque, sabe como é… mas pra quem ainda não sabe, e quer chegar perto de entender, tem um um trecho do livro “Hells Angels” do Hunter S. Thompson que descreve de forma magistral, rasgando uma rodovia à beira mar na california em plena madrugada!

  4. Realmente é inacreditável o poder que o “rodar” tem sobre nós. As vezes estamos tão cheios de tudo, trabalho, correria, compromissos, que esquecemos que são nas coisas simples que mais devemos prestar atenção.
    Tento ir de moto todo dia para o trabalho, ou com a Falkeira ou com a Fat, independente de qual eu sempre tento ir. Mas nem sempre conseguimos, tendo em vista, filhos, compromissos, familia, etc.
    Quando vou de moto consigo ficar com meus pensamentos, e muitas vezes não são sobre trabalho, mas sim sobre mim mesmo, sobre o que eu quero fazer, sobre onde pretendo ir, lugares para conhecer, e meus pensamentos mesmo a sós com Deus.
    Não tenho grandes amigos aqui na minha cidade Ctba (ainda mais do mundo Biker), desta forma, passo grande parte do tempo sozinho, em viagens e/ou rodando como o Bayer, apenas pelo prazer de rodar, sem muito destino.
    Sinto que cada vez mais, perdemos nossos valores e o gosto pela simplicidade.
    Acho interessante quando as pessoas me perguntam por que eu ando de moto, em uma cidade que chove tanto, que faz tanto frio. Por que a minha moto é tão barulhenta ou porque eu gosto deste estilo Kuston, porque só ouço rock, blues, jazz, porque vou contra as tendências musicais do momento e/ou me visto diferente.
    Somos todos únicos, indivíduos semelhantes mas cada um com suas particularidades e necessidades. Como o mundo seria chato se todos gostássemos das mesmas coisas.
    É como diz um velho ditado, mais vale um dia ruim em cima de uma moto, do que um bom dia de trabalho!!!
    Grande abraço a todos!

  5. Adorei seu breve, mas intenso, texto mais uma vez….
    Desde o dia 3 de Dezembro que não rodo, por uma cirurgia no punho esquerdo por causa de tombo bobo em casa mesmo, escorreguei de vacilo, pronto!!! Tendão rompido e 3 pinos….
    Só funciono ela de 3 em 3 dias, um brother levou pra encher os pneus, as vezes sento sobre ela e fico naquela expectativa….
    Pela primeira vez em 30 anos, sinto mais falta de andar de moto do que andar de skate… :/

  6. É a sua na foto?? Uma Harley XR 1200 x !!! espetacular motocicleta, tambem tenho uma quero te-la pelo resto da minha vida !! Achei a motocicleta perfeita !!!
    Passear de moto , no meu caso é mais passeio, é espetacular, nao me atrevo a muitas proezas, so sentar , ligar e dar uma banda, pegar um alfalto , uma estrada boa e tocar , maravilha e agradecer a Deus por essa oportunidade !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *