Moto autuada a 250km/h. E daí?

Do Estadão de hoje:

A 250 km/h, moto no RS atinge a maior velocidade do ano em rodovias federais

PORTO ALEGRE – A Polícia Rodoviária Federal (PRF) do Rio Grande do Sul flagrou neste domingo, 10, uma moto a 251 km/h na BR-290, conhecida como Freeway, no trecho entre os municípios de Osório e Gravataí, na região metropolitana de Porto Alegre. Conforme a PRF, este foi o recorde de excesso de velocidade em rodovias federais de todo o País neste ano. Até então, o maior índice registrado havia sido de 229 km/h por uma moto no Estado de Goiás.

Toda vez que eu vejo uma notícia dessas, eu penso como as nossas autoridades devem estar alheias ao que acontece nas nossas estradas. Em seis meses a maior velocidade registrada no Brasil inteiro tinha sido 229km/h?

Peço desculpa as autoridades, mas ou vocês estão cegos, ou a galera é muito esperta, ou é algo bem pior que isso. Porque esse tipo de velocidade é o que mais acontece por aí. Se isso ainda é notícia pra vocês, é porque estão passando batidos vários e vários outros casos.

Aqui em São Paulo, tem racha de superesportivo na Rodovia Castelo Branco com carros que chegam a 300km/h. Antigamente tinha na própria Marginal Pinheiros, com carros passando dos 250km/h dentro da cidade.

Todo final de semana, na Rodovia dos Bandeirantes, tem esportiva batendo os 300km/h. Todo… Santo… Domingo. Inclusive, já vi algumas delas passando por mim enquanto eu estava parado na blitz pra verificarem o selinho do meu capacete.

(Mas eu entendo perfeitamente, o meu AGV sem selo ou o Bell aberto do meu amigo são o verdadeiro perigo pra sociedade.)

Se vocês duvidam de mim, é só abrir o YouTube e digitar 300km/h ao lado do nome de alguma estrada ou rodovia famosa. Vai ter vídeo para todos os gostos (uma curiosidade: aqui no Brasil ninguém pode ser preso por causa de um vídeo desses, enquanto que no Canadá, EUA e França tem gente puxando cadeia por ter postado vídeos assim).

Só na primeira busca, já achei um vídeo de um cara a 300km/h e que ainda acha engraçado tirar fina de ciclista no acostamento.

E esse é outro aspecto peculiar da internet. Se o vídeo postado não tem morte nem acidente, o cara é um herói. Ganha facilmente 100 mil inscritos e todos os comentários são sobre como o sujeito pilota muito.

Mas se o cara matar alguém, aí vira comoção nacional! Querem colocar o cara numa fogueira em praça pública. Só que, muitas vezes, são as mesmas pessoas que deram jóinha e elogiaram vídeos dessas peripécias.

O cara no vídeo andando nessa velocidade pode até ser o melhor piloto que o Valentino Rossi, mas nas ruas isso não quer dizer nada. No autódromo não tem criança correndo atrás de bola, carro quebrado no acostamento, poça de diesel, areia ou pai de família levando os filhos. Em um autódromo, o maior provável de morrer é o piloto, enquanto que nas ruas ele pode levar uma família inteira junto.

“Ah, até parece que moto vai matar alguém! O cara morre sozinho.” Não, meu amigo, isso é física básica. Um objeto de 200kg andando em alta velocidade é uma bala de canhão. Além do perigo de um atropelamento, é isso o que acontece quando uma moto acerta um carro em alta velocidade:

noname11

É por isso que eu digo: quem dá like, jóinha e estimula esse tipo de vídeo, também é parte do problema. Sem a platéia que a GoPro e o YouTube trazem, muitos desses caras não iam fazer isso.

15 ideias sobre “Moto autuada a 250km/h. E daí?”

  1. Olá Bayer, você no final falou dos atropelamentos, venho lembrar também que ainda tem os cachorros, vacas e cavalos na pista. Eu morro de medo de atropelar alguém ou algo, pego BR todo dia e tem lugares escuros por onde eu passo.
    De vez em quando vejo comentários em sites gringos (na parte de safety gear) de pessoas atropelando veados, e eles dizem que se não fosse o equipamento de segurança iriam pro saco. Agora no caso dessas marcas em alta velocidade até com o equipamento completo de segurança fica difícil sair vivo ou pior, ainda levar pessoas que não tem nada a ver com irresponsabilidade de um cara desses.

    1. Felizmente não duram muito esses imbecis sobre rodas que andam por aí transgredindo as leis de transito não só pelo excesso de velocidade mas várias outras infrações e também as leis de meio ambiente pelo barulho e poluição. Cedo ou tarde acham o que procuram e merecem para alívio da sociedade. Se as autoridades agissem como tem que ser, vidas inocentes seriam poupadas diariamente mas… um dia o Brasil cresce.

  2. Concordo contigo. Quem fica glorificando estes irresponsáveis também é responsável pelos seus atos.
    E não vejo porque dar tanta publicidade para este tipo de infração. Amanhã vai ter um maluco querendo ser multado a 260, 280, 300… E a multa vai virar “diploma” na parede desta criatura.
    Se lá fora é possível multar por vídeo postado, bem que por aqui poderíamos imitar os gringos nesta.

  3. Exatamente o que pensei quando li a reportagem. Fiz Curitiba a São Paulo no domingo e não vi um policial rodoviário nos 400 km de rodovia. Claro que eles não enxergam nada, nem querem.

  4. Banalização da irresponsabilidade combinado com inversão de valores.
    Vamos dizer o quê, sobre a cabeça das pessoas? Como vc mesmo colocou: o policial verificando a legalização do seu capacete em quanto um indivíduo passa a milhão.
    “Espetacularizam” um policial que mata um delinquente foi apanhado roubando uma moto e foi apanhado por alguma câmera, mas banalizam arrastões em avenidas principais nas cidades.
    Nossa realidade de vida!

  5. Seu texto, mais uma vez, disse tudo o que penso sobre o assunto tratado. Sinto-me triste porque este é mais um exemplo de como nós, humanos, estamos sendo cada vez menos humanos… Afinal, ninguém deveria praticar estas imprudências; ninguém deveria curtir estas imprudências e, se a primeira falhar, deveria ter alguém que aplicasse punições adequadas a estas imprudências em prol do bem comum. Mas nada disso é o que acontece.

  6. É meus caros! 250 km/h a maior velocidade medida? Interessante,,, estranho, pq esses tempos atrás a própria policia federal rodoviária tinha feito a prisão da galera de um grupo de bikers no nordeste denominado Clube do 299, (se não me engano foi na Paraíba).
    A falta de medo e respeito sobre a máquina gera esse tipo de imprudência (isso sem deixar de lado a irresponsabilidade).
    É incrível a quantidade de jovens que você vê, comprando motos de 4 cilindros, deixando só o cano e morrendo pelas cidades e/ou estradas.
    Moro em Ctba e viajo muito para o interior ou mesmo para SC, nos sábados e domingos você consegue ver as cenas mais absurdas de risco e imprudência.
    São por causas de cenas assim, que o seguro obrigatório das motos só tendem a aumentar…
    Grande abraço a todos!

    1. Certeza Vitor, lembrei desse vídeo! Muito show de bola! Famosos inscritos de merda (como diria o velho Gonzales)!!!!
      Vamos lá, abraço! Abriu o Farol!!!!

  7. Realmente… andar nessas velocidades em nossas estradas onde o limite em geral é de 80, 100, no máximo 110km/h, além de imprudência é crime e infração de transito!
    Filmar isso tdo e postar em redes sociais é uma idiotice completa!
    Dar “likes” nessas atrocidades além de incentivar essas tolices beira à imoralidade! Mas o que pensar desse povinho gado que habita as terras tupiniquins?
    Mas tem o seguinte: nós “esclarecidos” e “formadores de opinião” não podemos, repito: NÃO PODEMOS culpar a PRF ou outras polícias por essas atitudes! Isso também é de uma estupidez atroz!
    Não tem como ter policiais rodoviários com radares a cada 200 metros nas rodovias. Não tem como… Não há gente suficiente p isso e nem recursos. Qdo culpamos a polícia pela falta de fiscalização, estamos incentivando débeis mentais como estes a continuarem cometendo essas atrocidades pelas estradas! É como eu sempre digo: o melhor jeito de evitar uma multa por excesso de velocidade é ANDAR DENTRO DOS LIMITES LEGAIS. E isso serve p licenciamento vencido, CNH vencida, etc… Eu tb concordo que essa história de selinhos em capacete é uma puta sacanagem e um baita caça-níqueis, mas quem criou essa estúpida lei ? Respondo: OS NOSSOS REPRESENTANTES. Falando em termos democráticos, quem criou essa lei fomos nós mesmos, através dos imbecis que elegemos p NOS REPRESENTAR. Se um dia criarem uma lei que obriga as pessoas a caminharem com as mãos, a polícia vai tentar enquadrar quem andar com os pés. Simples assim. Não é culpa da polícia se tem q fiscalizar a porra dos selos que nos obriga a usar os capacetes mais fracos do mundo em detrimento a outros melhores, importados q não tem o selo… Enfim, desculpem o desabafo, mas a culpa é toda dessa nossa maldita “cultura de povo gado”.
    Só p constar: Gauchada vencendo novamente, hein! parabéns…. E olha q sou gaúcho, tb. :(

  8. Cara, mas é interessante isso, o pessoal reclama dos caras que correm e dizem que policial com radar é indústria da multa!! Eu acho que tem que ter radar sim, escondido, atrás de poste e tal, pq sabendo onde o radar fica o cara vai diminui naquele ponto e volta a acelerar (e eu falo isso, mesmo tendo levado uma multa mês passado a 95 km/h em uma área de 80). É necessário aumentar a fiscaliação e tirar esses caras da rua, pois cada idiota desses que bate e morre é mais um para alguém falar “olha como moto é perigoso”!

  9. Por morar em bragança paulista, a estrada que mais utilizo é a fernao dias, duas pistas na maior parte dela, curvas na serra de mairiporã, e todo fds é moto dividindo curva com carro, caminhao, carreta, trator, foda-se…..
    Eu nao entendo o porque que essas motos podem ser emplacadas, pra mim elas deveriam ser como motos de trilha, com uso exclusivo para diversao e fora das estradas…
    Acredito que todos nos concordamos que ngm compra uma moto dessas pra andar a no maximo 120km/h e nem engatar segunda marcha….

  10. Gostaria de saber o que esses motociclistas fazem para não serem multados a 300 km/h em estradas infestadas de radar. Eu já fui multado com uma camionete D20 a 60 km/h. Qual é a mágica afinal ? Dizem que ninguém os alcança com outro veículo não vale, já que a multa é eletrônica e o radar, até onde sei, pega qualquer velocidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *