Eu sou contra moto elétrica?

O Camilo fez um questionamento nos comentários que vale um adendo. No post “Uma europa sem motos em um futuro não tão distante”, eu disse que as motos iam acabar, quando na verdade são apenas as motos movidas por motores de combustão interna que vão acabar, as elétricas vão sempre continuar existindo.

Então é aí que eu lanço a polêmica: pra mim, moto elétrica não é moto.

Eu gosto delas? Bastante. Motor elétrico tem um torque absurdo partindo praticamente do zero. O planeta tá precisando de uma ajuda? Tá, e muito.

Tudo isso é válido. Mas. Elas. Não. São. Motos.

Brincadeiras à parte, pra mim é muito difícil abandonar as motos como elas são hoje. Os veículos elétricos, por mais que melhorem a cada ano, não combinam com o mototurismo de aventura. Não combinam com Iron Butt. Com atravessar um rio. Com andar com uma garrafa de combustível presa no banco do garupa porque você sabe que vai cruzar o meio do nada.

Eu reconheço que, como alternativa urbana, veículos elétricos são sensacionais. Mas ainda falta muito chão até uma moto elétrica poder passar o perrengue e ter a mesma autonomia e facilidade de abastecimento de uma moto à combustão. Olhando para o horizonte, ainda não temos nada que justifique elas sumirem em 2030. Por mais que alguns acreditem que Elon Musk seja o mais novo messias da humanidade.

Afinal, o maior calcanhar de Aquiles delas continua sendo a recarga. Ou ela é lenta para justificar o custo, ou ela é rápida mas uma gasta uma energia absurda. A cada ano que passa, vemos as baterias ficando mais eficientes. Mas até agora, não vi nenhum avanço significativo no tempo de recarga que se justifique ecologicamente.

(Um breve resumo bem tosco: quanto mais rápida a carga, mais se exige da rede elétrica, ao ponto de ficar inviável.)

Eu sempre achei que os carros entrariam em extinção, mas as motos, justamente por consumirem menos combustível e ocuparem menos espaço, iam ser parte do futuro com seu lugar garantido. A gasolina ia continuar existindo, nós apenas seríamos absurdamente menos dependentes dela. Nunca imaginei que a baixa das motos à combustão poderia chegar tão cedo.

Continuo sendo fã da Zero e espero que a LiveWire dê certo. Mas uma coisa é ter as motos elétricas como opção, outra bem diferente é elas serem a única opção.

Espero que alguém invente uma planta mutante cuja a seiva se torne uma gasolina que não poluí e ainda deixa o ar mais limpo. Os cientistas já me frustraram com a porcaria do Hoverboard,  vamos ver se as motos à combustão se salvam.

d48a4759743986d858b9fd8681f3c20cd27e8c9df9df1e7728536e2246cca2fe_1

13 ideias sobre “Eu sou contra moto elétrica?”

  1. Entendi seu ponto sobre o fim das motos, e tendo a concordar.

    O que vai morrer não será a locomoção, mas o espírito. Serão “módulos de transporte individual” que tentarão imitar o que tanto amamos hoje. Vento na cara, a vibração da moto em altos giros, o som do escapamento… Tudo será substituído por um botão de ON/OFF. O máximo que teremos será uma caixa de som que imita o som do escapamento. Será uma grande (merda) pena mesmo.

  2. sinceramente eu nem me preocupo com isso. no inicio da industria de automóveis os defensores de charretes devem ter falado da mesma maneira dos primeiros carros da Mercedes Benz.
    Imagine se criam uma ‘super bateria’ nos proximos 10 anos.
    olha o avanço em tecnologia que tivemos nos ultimos 5 anos.
    Não temam o futuro meus camaradas.

    1. Não acho que seja “temor” e sim um desalento de no futuro, hoje já não muito longe, não poder mais montar em uma moto como a conhecemos hoje, com barulho, saculejo e cheiro de moto.

  3. Bayer, concordo quando vc diz que o mais legal do motor à combustão é o ronco que dificilmente será copiado por um motor elétrico que por premissa já nasce sendo silencioso né e que o principal entrave desses elétricos são os pontos de recarga que até em países de primeiro mundo devem ser bem raros de achar. Imagine se tivesse varios pontos de recarga o quanto essa tecnologia seria viável.

    E o verdadeiro hoverboard é esse aqui..desenvolvido pela Lexus e que ainda é bem bosta hehehe
    https://www.youtube.com/watch?v=ZwSwZ2Y0Ops

    Abs.

  4. Meu pai dizia na década de 80, que jamais teria um carro a álcool rs,,,e hoje ele tem um flex que basicamente só abastece álcool, então, com o tempo as coisas vão sendo aperfeiçoadas e dógmas e/ou paradigmas superados.
    Particularmente não tenho muito apreço por veículos elétricos (principalmente motos), talvez teria para ir ao trabalho, como meio de locomoção diário, mas nunca iria substituir minha custom a combustão.
    Como dizem: Sem barulho e sem fumaça, não tem graça!

  5. Saúde & Paz.
    Sou adepto de moto com barulho. Moto de escape original pra Mim não é moto… que coisa silenciosa sô (gíria mineira).
    Ou seja…. o dia que realmente proibirem os escapes livres (ou não tão livres), pouca diferença fará: moto elétrica ou à combustão.
    Moto…. tem que ter barulho, fumaça, e alguns vazamentos de óleo – não muito…só umas gotas.
    Abraços e boas aceleradas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *