Indian Chief Springfield chega ao Brasil

Este ano anda bem fraco. Muita gente esperneou e não via a hora de 2015 acabar, mas quando 2016 se mostrou ser, na verdade, um 2015s, a galera surtou ainda mais.

Crédito anda em baixa, desemprego em alta, situação política parece um seriado de TV, polarização entre esquerda e direita, cães e gatos vivendo juntos, enfim, um caos.

Honestamente, achei que não ia ter muito o que postar até o final do ano com essa retração absurda no mercado de motos. Mas aí veio a Indian e bateu com o seu ZAP na testa. (Um zap bem caro, mas um ZAP).

2

Não é segredo nenhum que a Indian está comendo pelas beiradas no mercado de motos de luxo aqui no Brasil, chegando ao ponto de começar a incomodar marcas estabelecidas. E isso deve aumentar com a chegada da Indian Chief Springfield, com um preço menor que a importada pois será produzida aqui no Brasil em regime CKD (Completely Knock-Down), aquele sistema onde a moto vem completamente desmontada e é montada em Manaus pra ganhar incentivos fiscais por ter gerado alguns empregos.

O nome da moto vem da cidade natal da Indian, Springfied no estado de Massachussets, o berço da primeira indústria de motos fabricada em série nos EUA.

O motor é o mesmo Thunder Stroke V-2 de 1.811 cm³ da Chieftain, Roadmaster, Chief Classic e Chief Vintage com câmbio de seis marchas.

Segundo a marca a Springfield possui chassi em alumínio forjado, sistema de acelerador fly by wire, cruise control e transmissão final por correia. A moto vem com ABS e dois discos ventilados e flutuantes de 300 mm na dianteira, e um disco único na traseira. Os flexíveis são do tipo “aeroquip”, reforçados com malha de aço, evitando aquela sensação de freio borrachudo das motos com cabos longos.

Claro que a notícia ruim ficou pro final: o preço. A versão Thunder Black sairá por R$91.990 enquanto que a Steel Gray & Burgundy Metallic custará R$94.990.

Fazendo a conversão, isso equivale a 28 mil dólares para a versão mais cara. Para efeito de comparação, o mesmo modelo sai por 22 mil dólares lá fora, o que equivale a 74 mil reais na cotação de hoje.

Uma moto interessante para muitos, mas para o bolso de poucos.

4

3

5

photo-1

photo-6

Todas as fotos divulgação Indian Motorcycle.

15 ideias sobre “Indian Chief Springfield chega ao Brasil”

  1. Cara, é uma baita moto, nem vou entrar no mérito. Mas o para-lama dianteiro com aquele “bonecrinho de prástico” em cima é horrível!!
    Se eu tivesse grana para comprar uma (o que está longe de acontecer!), com certeza seria a Scout.

    1. Também acho estranho.

      Cada um chama de um jeito, mas a Indian em alguns releases (assim como alguns fabricantes de peças pra esse tipo de acelerador) chamam de fly-by-wire mesmo.

      Como o princípio surgiu na aviação, deve ser um termo que pegou daí (estou chutando).

  2. E nada de Dark Horse e nem Softail Slim, será que essas motos não tem mercado aqui? São as que acho mais bonitas, mas as montadoras não parecem interessadas em vende-las por aqui.

  3. Finalmente um post… ufa!!!
    É, realmente uma estratégia arriscada neste momento da nossa economia, enfim…
    Mas arriscar-se faz parte das estratégias das grandes corporações e como trata-se de um produto para um público específico (classe “A”), então creio que possivelmente tenham resultado, tendo em vista que muitos elogiam a Indian justamente pelos pontos em que a HD está cada vez pior.

  4. Não sei se sou somente eu, mas o que me espanta nessas novas HD´s / Indians são a quantidade de plástico que vem nas motos. É quase que um sacrilégio! Eu não tive a oportunidade de ver essa moto em especial, de perto. Mas com a decepção que tive com a scout, creio que com esta não será diferente.

    Bayer, uma coisa legal, mudando um pouco de assunto, seria fazer um post sobre as motos Buell. A praticamente uns 30 dias, acabei fazendo negócio (meio receoso) ainda com os dois pés atras, em uma Buell ulysses xb12x 2007. Reformei a velha e boa Falcon 2007 que tinha e acabei trocando nessa Buell com mais uma grana em volta.
    Não sei se todos ja tiveram o privilégio de andar em uma moto dessas, mas é simplesmente um canhão. A idéia dos caras pegar uma moto BigTrail e botar um motor 1200 2cil, foi espetacular, a moto é simplesmente apaixonante, tanto que a minha FAT esta a quase 20 dias parada rs…
    Fica ai a dica! Grande abraço a Todos!

  5. Poxa vendo os comentarios aqui vejo que não sou o único que acha isso é que essa moto me lembra, desculpem os donos das Asiátias, uma moto “Chinesona” embonecada por americanos… que trambolho horroroso! Acho essa moto incomparável com as HD’s do mesmo estilo(Baggers/ RK – talvez, etc.). Tem uma cara de Shineray que depois enfiaram uns bauleto tosco do lado, acho um tiro no pé a Indian fazer essas motos mto Hi-tech, ainda mais hoje, onde a pegada é cada dia mais “vintage” isso parece ir na contramão…

    Por exemplo as motos lançadas recentemente no estilo tracker(sei que são motos e publicos diferentes, mas que podia manter a mesma “época e/ou pegada”)….. ainda mais nesse preço de OURO! sei não….

  6. Meu Deus que preço! Eu alem de nao ter essa grana, se tivesse nem.sei se daria, e muinta grana em troco de uma moto, claro que as Indias são bonitas, mais com esse valor,,meu Deus..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *