O Brasil precisa de mais motoqueiros “outlaws”

Sim, eu estou desmotivado, meu Fiel Leitor. A quantidade de posts aqui no Old Dog Cycles caiu absurdamente e eu não queria que fosse assim.

O que aconteceu? O Brasil aconteceu.

Eu ando tão puto com a situação, que eu não consigo mais esconder. Sempre quis sentar aqui no meu computador e escrever algo motivacional, que levantasse o ânimo das pessoas, especialmente de você, Fiel Leitor.

Porque motocicleta é isso. É terapia zen. É encher um tanque e esvaziar a cabeça. É juntar os amigos. É se superar em uma aventura.

É puxar em todos nós o que nós temos de melhor.

Mas eu confesso que não estou conseguindo fazer isso. Eu estou puto, meu Fiel Leitor. Puto como eu nunca estive antes. E isso se reflete aqui, no meu teclado.

A carne que eu dou para os meus filhos pode dar câncer. Ela foi vendida por um monte de celebridades “confiáveis”, mas agora sabemos que ela está podre como a nossa classe governante.

Nosso país é rico, é lindo, é o país do futuro. Só que esse futuro nunca chega. E se chegar, vai chegar sem aposentadoria, sem saúde, sem segurança e educação.

A gente mora no país com o maior o maior número absoluto de homicídios no mundo.

As delações da Lava Jato colocam os nomes de políticos dos principais partidos na lama mas, ainda assim, as pessoas torcem como em um jogo de futebol, como se houvesse um lado ganhador. Defendem os políticos como se, algum dia, ao menos um deles nos tivesse estendido a mesma cortesia e nos defendido também.

Aliás, a analogia com o futebol é perfeita. Porque se você for um jogador de futebol por essas bandas, você tem carta branca e pode fazer o que quiser. Pode se meter com o tráfico, bater na mulher, atropelar e matar pessoas completamente bêbado que todo mundo vai continuar achando que você é um herói. Afinal, você sabe colocar a bola em um retângulo!

Você pode até assassinar sua namorada e dar pro cachorro comer que, ainda assim, vão tirar selfies com você na rua.

Meu irmão, o sistema está completamente falido. O que vivemos hoje é justamente o que fez os primeiros motoclubes americanos se unirem e se considerarem “outlaws”, foras-da-lei. Aqueles irmãos motociclistas olhavam para a sociedade onde viviam e não se identificavam mais. Aquela sociedade não os representava.

No entanto, naquela época, ser outlaw significava fugir do sistema que fazia você virar um pai de família e trabalhar honestamente das 9 às 6. Era não se identificar com a lei, com as regras ou com os padrões morais da sociedade. Isso era coisa para caretas, quadrados.

Não sei quanto à vocês, mas cada vez mais me sinto um fora da lei, mas um fora da lei dos dias de hoje. Porque digo isso? Simples: num país onde a ladroagem, a malandragem e a falta de escrúpulos se tornaram o status quo, levar uma vida digna e honesta me parece uma grande rebeldia.

Espero que muitos de vocês estejam comigo nessa rebeldia.

Tá na hora dos novos outlaws darem um tapa na cara desse status quo que está aí.

75 ideias sobre “O Brasil precisa de mais motoqueiros “outlaws””

  1. Exato! O grande problema é que como ja sabemos, “palavras comovem, atitudes convencem”.
    A maioria do povo se “emputesse” com as noticias do fantástico no domingo mas ja esquece de tudo na quarta feira com uma partida de futebol…

  2. A tempos atrás li uma frase que me chegou pela net: Os políticos não são completos inúteis. Ao menos servem como mau exemplo!
    Nada pode ser mais verdadeiro do que esta reflexão. Estamos vivendo em um Brasil onde todos querem maximizar seu lucro, onde o importante é ter, poder, independente da responsabilidade que isso vai lhe acarretar.
    Não sei se quando você vai ficando mais velho, ou por tudo que estamos vivendo e observando, mas eu estou indo para o caminho inverso.
    Geralmente aos finais de semana, tento ir para o sítio dos meus pais. Onde vejo as coisas que eles produzem, o modo que eles vivem, a comida que eles comem, a simplicidade de poder sentar em uma varanda no final de um dia com uma chaleira e um mate e aproveitar sua terceira idade em paz.
    Cada vez mais eu invejo isso! Cada vez mais eu fico pensando o que estamos fazendo, correndo sempre atrás de dinheiro, pagar as contas, para poder ganhar mais dinheiro para fazer novas contas, ou acumular mais posses e/ou bens.
    Estou chegando a um ponto que fico pensando cada vez mais se esta “corrida”, vale a pena, em um país onde você é valorizado pelo que você tem, e não pelo que você é, não pela sua moral, pelo seu caráter.
    Tudo começa por nós, não sei se felizmente ou infelizmente, eu ainda acredito em nosso país, acredito no nosso Brasil. Sei que aqueles que querem um Brasil correto, justo, são a maioria.
    Ótimo post Bayer.
    Grande abraço a todos!

  3. Os políticos são verdadeiramente representantes do seu povo.
    O problema do Brasil é o brasileiro. Quantos não vivem o seu dia-a-dia na lei de gerson? Quantos não pagam a quebra do guarda na hora da multa? Quantos não atravessam o sinal vermelho? Quantos não roubam a sociedade fazendo esquema na restituição do IR? Como dizia o Brizola, quando a esperteza é demais, acaba comendo o esperto… É o brasileiro sendo comido pela sua própria esperteza!
    Quanto a segurança publica, é só sucatear a polícia e colocar a culpa dos crimes nos direitos humanos! O povo acredita, veste a camisa dos justiceiros e ainda reelegem o governador com 70% dos votos! Cada povo tem o governo que merece!

  4. Bayer.,
    Vejo que suas criticas como minhas, pensamentos iguais, acrescentaria, apenas, que – sem referências históricas – O Brasil é Nosso!
    O sentimento de amor pela pátria está desfalecido nos nossos corações.
    Sabemos que nosso País é do futuro, nossas riquezas são incalculáveis, nosso povo carismático… mas entregamos tudo para seres que não representam o povo.
    Por favor, não falo de política ou de partido! Ninguém representa o povo Brasileiro.
    Temos o sistema tributário mais complexo, completo e desenvolvido do mundo – esperimente deixar de lançar rendimentos de seu filho de 12 anos na declaração de IR – mas não temos controle dos benefícios previdenciários, não temos gestão eletrônica nas escolas, não temos informatização básica nos hospitais.
    Enfim, torço para que seu desânimo passe e mesmo que seja para arregaçar as mangas e escrever textos como esse, vc não desista.
    Seja o brado que falta para motivarnos a sermos “outlaw”, mesmo que isso represente ensinar nossos filhos educação básica, respeito mútuo e normas gerais de urbanidade social.
    Abraço.,

  5. Bayer, te entendo perfeitamente. Penso igualzinho.

    Muitos anos atrás escolhi o Brasil para viver, e hoje infelizmente sinto uma enorme vontade de ir embora. Não consigo mais cogitar de criar minha filha aqui, com todos estes exemplos de imoralidade e desonestidade.

    Triste, pois me considero brasileiro de coração, mas tá foda, não dá mais pra aguentar tanta safadeza. Já sai na rua, já bati panela, e nada muda, não dá nem mais pra acreditar que vá mudar….

  6. A situação saiu do controle, 56% de alcool na gasolina, carne podre cancerigena, política que faria os antigos romanos corarem de vergonha, e tudo decorrente de uma cultura corrupta que começa na fila do banco e termina no Palácio do Planalto.

    Aliás, o famoso “jeitinho brasileiro” é o que senão a validação e tentativa de suavização de que a corrupção é aceitável? E assim sendo o famoso “jeitinho” uma característica de nossa cultura, a corrupção é cultural, o que só faz concluir que a cultura brasileira não é boa neste sentido.

    Não vai mudar. Vai ficar bem pior do que está.
    inútil dizer, se ninguém quer saber.

    Está na hora de fecharem o Brasil por um tempo, cada um tentar fazer uma coisa em outro canto, e sei lá, reabrirmos daqui uns 200 anos.

  7. Olha, disse as verdades mais duras e reais que poderíamos ler: a nossa atualidade triste e sem rumo.
    Pra falar a verdade, nunca acreditei nesse ‘país do futuro’. Sempre foi uma enganação.
    Agora, parece que o poço não tem fundo. Sempre aparece mais e mais sacanagens.
    Perspectiva?? sem comentários…

    Somente fé em Deus e lutar pra sobreviver.

    Abraço amigos e parabéns pelo texto! Foda e direto.

  8. “Outlaw” é fora da lei, criminoso, nunca teve esse significado romântico de não ser criminoso, só diferentão. Isso é hippie, new age.

    Já tem motoqueiro demais roubando moto por aí, matando, precisamos é colocar todos atrás das grades e derreter a chave e a fechadura.

  9. “A carne que eu dou para os meus filhos pode dar câncer. Ela foi vendida por um monte de celebridades “confiáveis””

    E essa notícia você ouviu de um monte de blogs e mesmo noticiários “confiáveis”. Tem um puta de um exagero nisso, um dos conservantes falados era só VITAMINA C, que não causa câncer, e não “esconde” que a carne é podre, mas EVITA apodrecer.

    Outro, o que pode ser cancerígeno quando misturado na carne, SEMPRE foi usado em coisas como embutidos, que nem se deve abusar mesmo. Não sei se tem substituto e se o risco é maior do que comer coisas como os mesmos vegetais que tem naturalmente essa quimica, junto com carne.

    Não estou defendendo a indústria, eles fraudaram a fiscalização, mas pelo menos as coisas que fizeram não eram de longe tão ruins quanto estão divulgando em todas essas fontes “sérias”, como memes e blogs. Se bem que mesmo os jornais grandes muitas vezes fazem trabalho porco.

    1. Ken, eu trabalho com publicidade. O que já ouvi de grandes empresas sobre os próprios produtos, me fez abandonar tanta coisa…

      Quanto o ácido áscorbico é um bom exemplo da desinformação. Sim, ele é vitamina C, que na gente não causa câncer. Mas em uma cultura em vitro e na presença de ferro ele leva à formação de radicais oxidantes, pode danificar proteínas, lipídios e ADN.

      Esse é o caso do que poderia acontecer ser na carne quando usado em excesso. Aí o jornalista vai lá e aumenta.

      Independente disso, meu ponto era simplesmente que tão fazendo merda na nossa comida, mais uma vez. E PF e mídia exagerando ou não, eu já vi isso tantas vezes acontecer que já parece rotina.

      Mais uma vez, eu infelizmente, conheço bem o meio. E tanto um lado como o outro estão bem interessados em causar confusão. Conheço muito bem o tipo de ligação que o pessoal do marketing da Friboi deve ter feito para a agência de publicidade e o tipo de “estratégia de discurso” começou a sair dali.

  10. pois é Bayer você tem razão… é duro não pertencer… cercados pela roubalheira, egocentrismo, incompetência, injustiça, ignorância, e outras dezenas de palavras que começam com “in”, acredito que não tem mais saída. Infelizmente, nessa altura do campeonato, não consigo sair desse buraco — que alguns teimam em chamar de país. Cada vez mais tenho certeza que não sou daqui.

  11. Olha, esse realmente é o lado bom de morar no interior, ou ter pais que ainda vivem nos matos rs….
    Como um bom e velho catarina que sou (apesar de morar no PR), o que mais curto qnd vou para meus velhos é poder ajudar a “carnear” um bicho!!! Pouca gente tem a oportunidade de criar animais para seu próprio sustento, e meus pais, ja fazem mais de 10 anos que não sabem o que é pisar em um mercado para comprar carne!!!
    E como é bom vc poder trazer uma carne que sabe de onde veio, como foi criada, como foi abatida.
    E sabe o que é mais engraçado? Esses tempos “carneamos” 2 porcos, gerando mais ou menos 350 kg de carne limpa de primeira qualidade, contudo você não pode vender para açougues e/ou outros lugares, tendo em vista que a carne não tem procedência, carimbos, entre outros.
    O jeito é vender para os amigos, familiares e vizinhos. Fazemos muito isso com carneiros e porcos.
    Vamos lá, um dia quem sabe, conseguiremos!
    Abraço!

  12. Concordo plenamente!
    A situação é triste e está enraizada na cultura do brasileiro, infelizmente.
    Não vejo perspectiva de melhora nem tão cedo.

  13. Não tenho esperança q Brasil tenha jeito. Só com algo muito drástico, mas o povo brasileiro é muito bunda mole e covarde pra tentar qualquer coisa que não seja reclamar na internet, ficar batendo panela ou ficar desfilando na avenida com cartazinho.
    Se reencarnação existir, quero renascer longe desse monte de lixo.
    É isso…

  14. Boa noite Bayer estava pensando muito sobre esse POST e o último sobre a brincadeira do Facebook em q o filho da empregada compra a Harley e tal.
    Comecei a pensar se não seria o momento de incentivar a cultura das motos feitas nas garagens de deixarmos o purismo e falar sobre as motos q foram montadas na garagem comentar sobre esses tipos de projetos q podem sim proporcionar a alegria de ter uma moto para andar pelas ruas sem perder o último centavo do bolso sei q pelo Brasil deve ter muita coisa acontecendo nessa temática, foi assim em época de crise q o movimento nasceu lá fora, e pq isso não pode popularizar nossa causa e mostrar a todos q queremos bem menos do q os comerciais nos empurra, q a alegria de andar de moto não é proporcional ao preço da mesma.
    Se possível queria saber sua opinião sobre o assunto

  15. Fantástico texto Bayer. Acho que este sentimento que expressas no post é o da maioria das pessoas que eu converso. Estamos sem rumo e com toda incerteza do mundo. Mas o que fazer para mudar? Estou contigo quando falas que devemos ser os novos outlaws, pois ainda acredito que a dignidade e honestidade é o que irá mudar este país, por mais que isso possa demorar. Temos obrigação ética e moral com nossos filhos de explicar a situação e ajuda-los a remover a mentalidade de que se dar bem é enganar os outros.

  16. Olá, Bayer.

    Sou novo aqui, cheguei há umas três semanas através de alguma pesquisa no google que me levou a um dos seus textos. Não posso me lembrar de qual, porque acho que já li todos os demais.

    Tenho 38 anos, e ando de moto há pelo menos uns 15. Acabei de vender uma zx11 com o objetivo de migrar para uma sportster. Com a ajuda de amigos e de muita pesquisa, acabei decidindo pela compra de uma Dyna mais antiga. Foi uma decisão difícil, pois entendo que a Dyna requer uma certa experiência, e será minha primeira custom. Ou seja, a ansiedade causada pela alegria está combinada com a tensão de estar prestes a ter uma máquina nas mãos que vai me exigir muito (
    a moto está em revisão, ainda sequer a pilotei).

    Aí é que entra o Old Dog Cycles. Enquanto não tenho a moto nas mãos passei a ser um consumidor compulsivo de informação: artigos, notícias, vídeos, blogs e vlogs; nacionais e gringos, relacionados à Dyna, ao mundo HD e ao universo custom. Leio sobre tudo: análises, história, dicas de pilotagem, equipamentos, customizações.

    E te digo com tranquilidade que teus textos e artigos são o que encontrei de melhor na internet, e encontrei muita coisa boa! Já li praticamente todo o blog, desde o inicio. Até mesmo a ponto de me emocionar quando cheguei ao post do falecimento do teu companheiro que inspirou o nome do site, como se te acompanhasse há anos.

    Sou um cara que lê muito, e me sinto seguro para afirmar que o que você faz não é para qualquer um! Você obviamente gosta do que escreve, e escreve muito bem.

    Então fica meu apelo: não abandone isso aqui. Os tempos mudaram, e continuam mudando, e certamente para pior. Mas isso – pelo menos ainda – não impediu que as coisas seguissem seus cursos: eu, por exemplo, acabei de virar um moleque de novo, chegando ao universo das custom com quase quarenta já, buscando referências com esse teu espaço.

    Não gosto de romantizar criminosos, mas diante de tanta desgraça que toma conta de nossa sociedade me parece que a contra- cultura se hoje passa a ser justamente o conservadorismo, um grito de rebeldia a favor do resgate de valores éticos, morais e de liberdades individuais.

    E se para resgatar os valores libertários – dos quais acredito que grande parte dos motoqueiros conpartilham – baseados no direito à liberdade e à busca da própria felicidade – temos que ser Outlaws, sejamos.

    Se você tiver outras prioridades, se perder o tesão, se não tiver tempo, tudo bem, vida que segue. Mas é uma pena que você se sinta desmotivado pelas razões que apontou.

    Assinei seu feed, torcendo para ler conteúdo inédito em breve.

    Um abraço,

    Fabricio ‘Pudoka’ Roveri

  17. Tá cada vez mais difícil suportar todo esse lixo imposto a nós, esse Brasil anda as avessas, com os valores invertidos, esse futuro próximo talvez seja mais insano do que este breve presente que estamos engolindo seco. Á ironia dessa bagunça é saber que viver honestamente nessa sociedade brasileira é quase uma piada pronta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *