#somostodosmarcio

No post anterior, eu cobri o nome do autor por acreditar que era uma brincadeira. E realmente era!

Mas, mesmo depois do grupo onde ele postou essa mensagem ter explicado que era uma tiração de sarro, continuam perseguindo o autor e replicando os prints incluindo o nome completo dele em diversos grupos de whatsapp e foruns. Até para o trabalho dele enviaram.

Humor é algo muito complicado. Nem todo mundo vai gostar das suas piadas, ou vai entender que é uma piada, ainda mais quando é tirada de contexto como neste caso.

Se foi de mau gosto ou não, ninguém merece ser perseguido na vida pessoal. Por isso vou deixar minha contribuição para a campanha:

#somostodosmarcio

 

12 ideias sobre “#somostodosmarcio”

  1. Palavra escrita é uma herança maldita. Só quem escreve é que sabe como um comentário pode ter várias interpretações e com as redes sociais sempre aparecem “juízes e carrascos”.
    Melhor lugar para fazer brincadeiras ainda é no bar, com os amigos é uma garrafa de Jack.

    #somostodosmarcio

  2. Ele se arriscou e acabou tendo dor de cabeça. Muitas vezes eu deixo de escrever algo que penso para evitar de ter gente que não sabe interpretar textos e/ou perceber ironias me enchendo a paciência.
    Porém, essa postagem dele foi boa pois mostrou que vários pensam assim de verdade. Vi pessoas de meu convívio falando sobre isso e apoiando essa ideia, que motos assim deveriam ser só para pessoas de “nível mais alto”. E ainda idiotas ecoando isso como se fossem algum Bill Gates, mas que não tem dinheiro para tomar 3 cervejas numa sexta porque tem de pagar a prestação da moto.
    Tem uma charge que vi há muito tempo e não a tenho na qual o cara mostra uma superesportiva ao amigo e pergunta o que ele acha. O amigo diz que acha muito foda mas que deseja que todos tivessem condições de poder comprar uma moto como aquela. O terceiro quadrinho mostra o dono da moto perguntando “mas aí qual seria a graça?” e é algo que realmente acontece demais. Se tem a moto, o carro, as roupas, etc. para mostrar aos outros, justamente como Durden fala.

  3. Infelizmente existem babacas de todas as cilindradas, marcas e modelos…
    As pessoas não se dão conta que no comentário escrito não é possível ouvir a entonação (no caso de ironias) ou ver a feição do autor, que pode estar dando uma baita risada com o seu próprio comentário.
    É mais fácil sair julgando, condenando e executando os outros.
    O Wolfmann e o Alberto resumem tudo o que eu gostaria de dizer.

  4. “Melhor lugar para fazer brincadeiras ainda é no bar, com os amigos é uma garrafa de Jack.” Resumiu bem!

    O cara foi infeliz no comentário (mesmo sendo uma brincadeira) e no veículo em que postou essa merda.

    Uma pena, porque tem gente que pensa exatamente isso e podemos comprovar nos comentários subsequentes que, infelizmente, dão suporte ao conteúdo do texto. Logo, quem lê não tem parâmetros para absolvê-lo.

    Uma pena.

  5. Se foi brincadeira foi de muito mal gosto, moto cara não quer dizer nada, aliás pelo que vemos por aí geralmente quanto mais cara é a moto mais chances do sujeito ser um coxinha esnobe.
    Me admirei com você que prega uma cultura de frugalidade (que eu apoio e tento seguir ao máximo) lançar uma hashtag em apoio a um idiota desses. Lamentável.
    Essa é a minha opinião, mas posso estar errado

  6. Caro Old Dog, pessoal;
    Sou o autor da tal “brincadeira”, e passados mais de trinta dias, já estou em condições de tratar do assunto depois de tudo o que aconteceu… Falo, sim, do linchamento virtual a que fui submetido nas redes. Merecido? Talvez, dentro de um contexto totalmente desvirtuado da real intenção da postagem.
    Acima de qualquer coisa, quero agradecer muito o apoio e o carinho de quem entendeu, ainda que fora do contexto, tratar-se de uma ironia. Obrigado, Old Dog, pelo apoio. Não nos conhecemos, e serei eternamente grato por isso.
    Vamos ao fato: A publicação foi dentro de um grupo de zoeira, amantes da HD, e o contexto real foi uma resposta minha ao pessoal de esquerda que nos acusam, os de direita ( e sou um coxinha-mor nesse sentido), de sermos coxinhas, alienados, que não queremos que o filho de empregada curse universidade, que o porteiro viaje de avião, e outras baboseiras como esta. Assim que o post principal, que originou tudo, foi uma ironia, uma metafora, um texto sarcástico em resposta a isso. Fugiu ao controle à medida que muita gente começou a debater. Fugiu totalmente ao controle quando printaram coisas isoladas e lançaram fora do grupo. Foi sim, uma piada. Sem graça, fora do contexto, mas ainda assim, uma piada. Uma tentativa de ironia.
    O que é mais ironico, é que o tal filho de empregada que estudou em universidade publica sou eu, que toda minha vida estudei em escolas publicas. O tal filho que compra harley em 50 prestações é meu filho, jovem que também estudou sua vida em escola publica e recentemente comprou sua primeira HD em suaves prestações. Ironia é que minha filha menor comprou, recentemente, uma Burgmann 125 (lembra da Biz?)… Enfim, quem me conhece naquele grupo, e em minha vida pessoal, sabe que sou aquele cara descrito por ali. O pobre comprando HD… Essa é a maior ironia de todas!!! Minha “riqueza” é bem outra…
    Saí do facebook. Fui ameaçado, minha família agredida, minha empresa notificada… Meus amigos que tentaram explicar o tema foram execrados. Terrível! Enfim, resumindo: desculpas por ferir quem estava desavisado e obrigado pelo voto de confiança e apoio. Que Deus lhes abençoe!

    1. Pois é. Se ferrou nessa. Humor ácido é complicado. E a galera curte uma polêmica, ainda mais do bom vs mal, rico vs pobre, etc.

      Tua história rodou pra c******, semana passada tava rolando ainda. Mas entendo teu lado, se és o filho da empregada que hoje tem como comprar, é bem minha situação.

      Por isso que procuro opinar cada vez menos onde pode atingir muitas leituras ou ouvidos. Guardo para mim, amigos próximos e alguns familiares. Pq pensar em ajudar o próximo nós não queremos, mas criar uma tempestade na web por nada, ah disso a gente entende bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *