Todos os posts de Bayer

Só tenho a agradecer

Eu já tinha falado como eu aprecio os leitores aqui do Old Dog Cycles no post “10.000 comentários!“, mas eu quero fazer isso mais uma vez.

Li com atenção todos os comentários que vocês deixaram no post “Escrevendo sobre motos em tempos de crise” e vocês abriram meus olhos. Fico feliz de saber que vocês se sentem assim e isso deu uma nova perspectiva. Nunca tinha pensado que falar sobre o assunto podia ser motivador, mesmo para quem deixou a sua de lado.

Se não postei esses dias foi apenas uma grande coincidência. Estou terminando de me recuperar de uma bela infecção que me derrubou, ainda tenho alguns bons dias pela frente de molho.

Grande abraço,
Bayer

Escrevendo sobre motos em tempos de crise

Foto que ilustra o post: Marcio Vital do BHRiders.

Este foi o ano mais difícil para se escrever aqui no Old Dog Cycles. Em parte por causa da enorme encolhida que o mercado de motos sofreu aqui no Brasil, consequentemente diminuindo o número de matérias e opiniões a serem escritas sobre novos modelos, lançamentos e tendências.

Mas eu estaria mentindo se dissesse que foi apenas por causa disso. A verdade é que eu ando me sentindo culpado.

Eu não preciso recapitular o caos que estamos vivendo atualmente, tanto na política quanto na economia. Para alguns, é algo que começou agora, mas para outros é um movimento que se anunciava já alguns anos. Mas não importa no que você acredita, todos estamos passando por esse tsunami que começou como uma marola.

eleicao

Este ano eu vi muitos amigos perderem o emprego. O local onde eu trabalho cortou 1/3 do pessoal e você fica olhando e pensando quando você será o próximo. Minha esposa saiu de uma função que ela exercia há mais de 12 anos, junto com 20% dos seus colegas.

A atual situação fez com que alguns conhecidos optassem por vender a moto, especialmente aqueles que a utilizavam apenas para o lazer. Outros estão se apegando aos seus modelos mais antigos, mesmo já sentindo a necessidade ou vontade de troca-los. E muitos simplesmente desistiram de entrar para este mundo, deixando o sonho de comprar a primeira moto para depois.

Eu mesmo coloquei a Harley de canto, aproveitando o baixíssimo custo de se manter a Yamaha Crypton. Não é uma moto que eu tenha carinho ou apreço, mas ela me leva de A até B gastando quase nada e com muita agilidade. Por isso eu me vejo pegando a pequena CUB para sair de casa praticamente 99% das vezes. Não é uma pilotagem que me dá prazer, mas resolve meu dia.

É claro que algumas pessoas passam ilesas por esse tipo de coisa, mas elas são uma minoria de sorte, que possuem independência financeira ou estão em setores que se beneficiam com esse tipo de crise.

Não julgue um livro pela moto

Mas quando eu paro para pensar nas pessoas deixando suas motos em suas garagens e se preocupando em garantir o seu próprio sustento ou de sua família, eu sinto um enorme bloqueio de escritor. Por mais que eu goste de motos, tenho achado difícil falar delas vendo tanta gente boa apanhando para ganhar a vida por aí. Me sinto fútil.

Eu sei que as coisas estão melhores do que elas eram na minha infância. Me lembro de ter que ir com minha família fazer as compras para podermos encher vários carrinhos de uma vez. Se não fizéssemos isso, no dia seguinte o salário lá de casa estaria valendo muito menos por causa da superinflação. Me lembro dos remarcadores nas lojas aumentando o preço dos produtos várias vezes ao dia e de termos que cortar os zeros do dinheiro de tempos em tempos. Lembro de gente que vendia um carro pra comprar um telefone para conseguir abrir um pequeno negócio. Lembro dos índices de analfabetismo serem anunciados no Jornal Nacional tão corriqueiramente como hoje anunciamos a cotação do dólar.

Só que isso não me conforta, porque a gente poderia estar infinitamente melhor hoje em dia. Nós brasileiros já passamos por diversas crises, mas 2015 e 2016 parecem ter atrelado uma crise financeira e política com uma crise moral. Talvez sejam as redes sociais, talvez seja o efeito colateral de anos e anos de certas imposições culturais, mas a verdade é que estamos vivendo uma enorme polarização de opiniões onde eu vejo muito pouco resultado benéfico e prático saindo delas.

Dentro desse contexto, escrever sobre motos me trava. Eu gostaria de ter força e alcance para aproveitar esse momento e incentivar as pessoas a ficarem felizes com o que elas possuem. Gostaria de ter imaginação suficiente para ajudar as pessoas a criarem um movimento como o dos Hot Rods e Cafe Racers, onde jovens sem dinheiro usavam sua criatividade para construírem seus carros e motos dos sonhos. Gostaria de ter mais tempo para pegar minha câmera e sair por aí fotografando e escrevendo sobre exemplos de pessoas que fizeram isso por aí.

Enfim, gostaria de ajudar a trazer a inspiração que eu acho que todo mundo anda precisando. Sim, motos são itens secundários quando se trata das prioridades da vida, mas são ao mesmo tempo o canal por onde muita gente se realiza e se encontra. Minha grande vontade para sair desse bloqueio é achar uma forma de transforma-las em algo inspirador e ao alcance de todos nesse momento.

Por isso, se você estava esperando uma grande conclusão ou epifania para este texto, sinto desapontá-lo. Eu não sei como trazer essa inspiração ou começar um novo movimento.

Mas a minha grande esperança é que, talvez, você saiba.

Indian Chief Springfield chega ao Brasil

Este ano anda bem fraco. Muita gente esperneou e não via a hora de 2015 acabar, mas quando 2016 se mostrou ser, na verdade, um 2015s, a galera surtou ainda mais.

Crédito anda em baixa, desemprego em alta, situação política parece um seriado de TV, polarização entre esquerda e direita, cães e gatos vivendo juntos, enfim, um caos.

Honestamente, achei que não ia ter muito o que postar até o final do ano com essa retração absurda no mercado de motos. Mas aí veio a Indian e bateu com o seu ZAP na testa. (Um zap bem caro, mas um ZAP).

2

Não é segredo nenhum que a Indian está comendo pelas beiradas no mercado de motos de luxo aqui no Brasil, chegando ao ponto de começar a incomodar marcas estabelecidas. E isso deve aumentar com a chegada da Indian Chief Springfield, com um preço menor que a importada pois será produzida aqui no Brasil em regime CKD (Completely Knock-Down), aquele sistema onde a moto vem completamente desmontada e é montada em Manaus pra ganhar incentivos fiscais por ter gerado alguns empregos.

O nome da moto vem da cidade natal da Indian, Springfied no estado de Massachussets, o berço da primeira indústria de motos fabricada em série nos EUA.

O motor é o mesmo Thunder Stroke V-2 de 1.811 cm³ da Chieftain, Roadmaster, Chief Classic e Chief Vintage com câmbio de seis marchas.

Segundo a marca a Springfield possui chassi em alumínio forjado, sistema de acelerador fly by wire, cruise control e transmissão final por correia. A moto vem com ABS e dois discos ventilados e flutuantes de 300 mm na dianteira, e um disco único na traseira. Os flexíveis são do tipo “aeroquip”, reforçados com malha de aço, evitando aquela sensação de freio borrachudo das motos com cabos longos.

Claro que a notícia ruim ficou pro final: o preço. A versão Thunder Black sairá por R$91.990 enquanto que a Steel Gray & Burgundy Metallic custará R$94.990.

Fazendo a conversão, isso equivale a 28 mil dólares para a versão mais cara. Para efeito de comparação, o mesmo modelo sai por 22 mil dólares lá fora, o que equivale a 74 mil reais na cotação de hoje.

Uma moto interessante para muitos, mas para o bolso de poucos.

4

3

5

photo-1

photo-6

Todas as fotos divulgação Indian Motorcycle.

Cuidado com os caminhões

via GIPHY

O cara desse gif nasceu de novo.

Roda aberta é um perigo, sempre tome cuidado ao ultrapassar um caminhão.

Lembre-se que , Por mais seguro que pareça, muitos caminhões carregam cordas que podem enroscar em você. Além disso, o vento deslocado por um deles pode te jogar na direção de outro caminhão. Já teve gente que perdeu a vida porque encostou o em uma roda dessas e foi “sugado”.

Na teoria, são os veículos grandes que precisam cuidar dos pequenos. Na prática, é melhor lembrar sempre que somos o elo mais fraco e ficar longe do perigo.

Se vocês duvidam de mim, e tiverem estômago pra isso, digitem “acidente roda caminhão moto” no Google com o SafeSearch em off.

Boas estradas!

A Harley é uma moto simples de se mexer?

A foto aí de cima Harley sendo consertada, no meio da rua, por uma oficina simples, com poucas ferramentas. Para alguns isso causa surpresa, mas para muitos isso é natural.

Antigamente as Harleys eram construídas tendo em mente que muitos proprietários gostavam de meter a mão na massa, por isso a simplicidade mecânica e a confiabilidade eram, de certa forma, uma parte importante do marketing. Enquanto as japonesas eram eficientes, mas vistas como descartáveis, as Harleys podiam ser praticamente reconstruídas e nunca pararem de rodar.

É daí que vinha aquela máxima: “Algumas motos ficam velhas, outras viram clássicos”.

Mas isso ficou no passado graças às mudanças eletrônicas dos modelos dos últimos anos. ABS, refrigeração líquida e sensores modernos são uma especialidade muito além da habilidade da maioria dos mecânicos de fim de semana.

Os projetistas da Harley fazem um grande esforço de design para fazer com que as motos pareçam simples, apesar de serem cada vez mais complexas em seu funcionamento. Fico até espantado de ver alguns proprietários falando de boca cheia que a Harley é feita do mesmo jeito que no começo do século. Sinto te desapontar, mas aquele visual de “old school” é só marketing. Já se foi o tempo que esse aqui era o mantra da Harley-Davidson:

Hoje em dia, para a Harley-Davidson, é muito mais importante parecer uma moto clássica do que ser uma moto clássica. Se você olhar o chicote de uma moto recente, por exemplo, vai perceber que ele é muito mais complexo do que o de muito carro por aí.

Se isso é bom ou ruim, depende do gosto de cada um. As Harleys são como são hoje porque a maioria do público quer motos assim. Se você faz parte da galera que prefere uma moto simples, que você mesmo possa manter, sempre irão haver modelos mais antigos na seção de usadas dos classificados. Infelizmente não vai ser um passatempo barato, já que o custo de se importar peças para se manter essas motos está cada vez mais alto.

E para você que faz parte do segundo time, mas não sabe por onde começar, tem um artigo que pode ajudar:

Biblioteca básica: os primeiros passos pra aprender a mexer na sua moto

Boa leitura!

Uma customização do jeito que a Harley Deveria ter feito

Apesar de gostar da XR1200, minha maior crítica sobre o modelo é o quanto que ele destoou do restante da linha da Harley-Davidson. Seria muito bom ter outras opções de design, talvez inspirada na extinta Sportster XLCR1000 ou nas cafe racers britânicas, ao invés de usar como base a XR750, um modelo com uma legião de fãs leal, mas pequena.

harley-davidson-xr1200x-xl

Se a ideia era criar uma esportiva refrigerada a ar, eles deveriam ter fugido um pouco das linhas mais modernas. Os modelos clássicos combinam mais com a proposta e com o público alvo, que geralmente procuram algo com um visual mais vintage. Um bom exemplo disso é a Ducati com a extinta linha SportClassic e a Triumph com sua Thruxton 1200R.

harley_davidson-1977
Sportster XLCR
Ducati SportClassic
Ducati SportClassic

Mas ontem, no programa matinal “Pra Você”, apareceu uma XR que está sendo customizada aqui no Brasil que tem tudo para se tornar um belíssimo exemplar, muito parecida com a The American da Deus.

screen-shot-2016-11-04-at-12-40-28-pm

Você pode conferir alguns detalhes dessa moto no programa matinal  vendo a reportagem completa neste link: http://tv.uol/15KwK

Outras inspirações pra linha XR, você confere aqui.

Dicas de pilotagem para as Harleys Touring

Quem já pilotou uma moto Touring da Harley-Davidson já deve ter percebido que elas possuem algumas peculiaridades na hora de manobrar ou passar no corredor.

Por isso, o Wolfmann deu ótimas dicas no seu blog baseado na sua experiência com a CVO:

http://wolfmann-hd.blogspot.com.br/2016/10/dicas-que-experiencia-ensina.html

Aproveitando a deixa também quero sugerir dois artigos aqui do Old Dog Cycles, especialmente úteis para quem pilota motos grandes: um que fala sobre a importância de olhar para onde se quer ir (talvez a dica mais importante que eu já recebi) e outro com algumas dicas para manobrar em baixa velocidade.

Outros artigos sobre pilotagem, úteis para todo mundo:

Aula 1: A importância do olhar
Uma das lições mais importantes, mas que pouca gente valoriza.

Aula 2: Equilíbrio em baixa velocidade
Para correr, primeiro você precisa saber andar devagar. Com motos, é a mesma coisa.

Aula 3: O contra-esterço
Uma dica simples que pode mudar o jeito que você faz curvas.

Curiosidade: o que são chicken stripes?
Apenas uma explicação sobre esse assunto que surge em rodas de conversa, de “jaspions” a “malvadões”.

Mitos do Motociclismo: eu tive que deitar ela
Será que realmente é necessário sofrer um acidente voluntário, jogando a moto no chão, pra escapar de uma colisão?

Boas estradas!

Eu sou contra moto elétrica?

O Camilo fez um questionamento nos comentários que vale um adendo. No post “Uma europa sem motos em um futuro não tão distante”, eu disse que as motos iam acabar, quando na verdade são apenas as motos movidas por motores de combustão interna que vão acabar, as elétricas vão sempre continuar existindo.

Então é aí que eu lanço a polêmica: pra mim, moto elétrica não é moto.

Eu gosto delas? Bastante. Motor elétrico tem um torque absurdo partindo praticamente do zero. O planeta tá precisando de uma ajuda? Tá, e muito.

Tudo isso é válido. Mas. Elas. Não. São. Motos.

Brincadeiras à parte, pra mim é muito difícil abandonar as motos como elas são hoje. Os veículos elétricos, por mais que melhorem a cada ano, não combinam com o mototurismo de aventura. Não combinam com Iron Butt. Com atravessar um rio. Com andar com uma garrafa de combustível presa no banco do garupa porque você sabe que vai cruzar o meio do nada.

Eu reconheço que, como alternativa urbana, veículos elétricos são sensacionais. Mas ainda falta muito chão até uma moto elétrica poder passar o perrengue e ter a mesma autonomia e facilidade de abastecimento de uma moto à combustão. Olhando para o horizonte, ainda não temos nada que justifique elas sumirem em 2030. Por mais que alguns acreditem que Elon Musk seja o mais novo messias da humanidade.

Afinal, o maior calcanhar de Aquiles delas continua sendo a recarga. Ou ela é lenta para justificar o custo, ou ela é rápida mas uma gasta uma energia absurda. A cada ano que passa, vemos as baterias ficando mais eficientes. Mas até agora, não vi nenhum avanço significativo no tempo de recarga que se justifique ecologicamente.

(Um breve resumo bem tosco: quanto mais rápida a carga, mais se exige da rede elétrica, ao ponto de ficar inviável.)

Eu sempre achei que os carros entrariam em extinção, mas as motos, justamente por consumirem menos combustível e ocuparem menos espaço, iam ser parte do futuro com seu lugar garantido. A gasolina ia continuar existindo, nós apenas seríamos absurdamente menos dependentes dela. Nunca imaginei que a baixa das motos à combustão poderia chegar tão cedo.

Continuo sendo fã da Zero e espero que a LiveWire dê certo. Mas uma coisa é ter as motos elétricas como opção, outra bem diferente é elas serem a única opção.

Espero que alguém invente uma planta mutante cuja a seiva se torne uma gasolina que não poluí e ainda deixa o ar mais limpo. Os cientistas já me frustraram com a porcaria do Hoverboard,  vamos ver se as motos à combustão se salvam.

d48a4759743986d858b9fd8681f3c20cd27e8c9df9df1e7728536e2246cca2fe_1

Uma Europa sem motos em um futuro não tão distante

Um das viagens de moto que eu mais gostaria de fazer é cruzar a Europa inteira, gastando um bom tempo especialmente nos Alpes. Não sei quando isso será possível, mas pelo andar da carruagem é melhor eu ganhar na loteria, pois isso pode virar apenas um sonho no futuro. Bom, pelo menos em uma moto com um motor V2 ou boxer.

Matéria da France Press, replicada pelo Auto Esporte:

Suécia propõe que União Europeia proíba carros a gasolina em 2030. Alemanha também avalia vetar motores a combustão no país.

A União Europeia deve considerar a possibilidade de proibir a venda de veículos que utilizem gasolina ou diesel a partir de 2030, propôs no último sábado (22) a ministra sueca do Meio Ambiente, Isabella Lövin, segundo informou a France Press.

A ministra, em entrevista ao jornal Aftonbladet, comemorou uma resolução nesse sentido que foi adotada em setembro passado pelo senado alemão, ainda que sem valor obrigatório.

“É uma proposta verdadeiramente interessante (…) Para concretizá-la só podemos aplicar uma proibição desse tipo a nível de União Europeia” declarou ao jornal.

“Como ministra do Meio Ambiente a única solução que vejo é deixar de lado os veículos com combustíveis fósseis”, acrescentou.

O governo sueco, formado por uma coalizão de social-democratas e ecologistas, tem como objetivo conquistar uma matriz energética 100% renovável no país em 2040.

Ou seja, tem gente querendo colocar o último prego do caixão das motos movidas com motores de combustão interna muito antes do que imaginávamos.

Na remota hipótese dessa lei passar do jeito que está, e mesmo que ela fique confinada apenas à Europa, é bom lembrar que o mercado Europeu é um dos mais importantes do mundo, sede de muitas marcas importantes e de modelos que são criados especialmente para aquele público. Com certeza seria um baque na produção e desenvolvimento mundial de motocicletas.

Se eu acredito que vai acontecer de forma tão radical? Não sei. É como aquele velho ditado: no creo en brujas, pero que las hay.


UPDATE: Minha opinião sobre a alternativa, as motos elétricas, você confere no post “Eu sou contra as motos elétricas?”

Guia rápido de como sobreviver ao calor de moto

Hoje em dia eu sou muito mais encanado em proteger a minha pele contra o asfalto do que quando eu tinha 18 anos. Talvez seja a responsabilidade que a idade traz, mas talvez seja o fato de que meu corpo não se regenera mais da mesma forma no caso de um tombo.

Não importa o motivo, o fato é que o verão é sempre um desafio pra se andar protegido (em alguns estados é um desafio o ano inteiro). Por isso, seguem algumas dicas:

Tenha uma jaqueta/calça/luvas de verão

Eu sei que o equipamento de proteção aqui no Brasil é muito caro. Muita gente tem só uma jaqueta de couro ou cordura para andar de moto, enquanto alguns nem isso tem. Por isso, pode parecer um exagero pedir que você tenha duas, mas eu garanto que não é.

Uma jaqueta, calça ou luva de verão geralmente possuem entradas de ar e um tecido que permite que a pele respire, além das tradicionais proteções. Isso é muito importante para deixar que o suor evapore, já que sua função é servir como uma espécie de refrigeração natural da pele.

Vale a pena ficar atento pois algumas jaquetas possuem uma dupla forração, que você pode retirar e colocar transformando ela em uma jaqueta de inverno ou verão. Não é tão confortável quanto uma jaqueta apenas de verão, mas é algo pra se pensar.

Tenha em mente que muitos dos equipamentos de proteção para o verão protegem menos que os convencionais, justamente por usarem tecidos mais leves. Comprar algo muito barato nesse caso pode sair caro.

Capriche no desodorante e lembre que o lenço umidecido é seu amigo

Andar de moto, especialmente em uma moto pesada no trânsito intenso, não deixa de ser uma atividade física. Minha dica é simples: capriche no desodorante, dando preferência para aqueles indicados para atividades esportivas. Outra coisa que ajuda bastante é levar um pacote de lenços umedecidos com você. Assim, se você chegar suado no trabalho, um banho de lenço umedecido debaixo do sovaco e nas partes baixas pode fazer maravilhas pelo seu dia.

Essa foi uma dica que eu aprendi com alguns amigos ciclistas que fazem questão de ir de bike para o trabalho, mesmo em dias de calor intenso.

hot-sauce

No calor extremo, use mais roupa e não menos

Eu sei, agora eu dei um nó na cabeça de vocês. E confesso que eu realmente tenho dificuldade em colocar essa ideia em prática. Mas esse é o mesmo princípio que faz com que os beduínos do deserto usem roupa da cabeça aos pés.

Quando a temperatura do ar é maior que a temperatura da sua pele (em torno de 34ºC), você vai perder muito suor como vento e vai ter muito mais dificuldade em manter a temperatura do seu corpo baixa. É por isso que, mesmo apenas de camiseta e com a moto andando, o suor gruda na sua roupa e você não consegue se refrescar.

Nessas situações, alguns pilotos de aventura recomendam que você utilize uma camiseta de manga comprida no estilo dri-FIT (sim, é com I e não Y). Ela permite que a pele respire, mas fica úmida o suficiente para que você tenha sempre uma reserva de suor perto da pele, dando tempo para que ele evapore corretamente.

Mais uma vez, uma jaqueta de verão que permite que a pele respire, mas deixa o vento pra fora, é sempre o ideal.

Pescoço frio, corpo refrescado

Em situações extremas de calor, uma boa solução é manter seu pescoço sempre frio. Se você conseguir resfriar o sangue que passa pelo seu pescoço, ele vai agir como á agua de um radiador em um motor. Pra isso basta amarrar uma bandana molhada no pescoço.

Aliás, se o calor estiver muito complicado, simplesmente molhe sua roupa e volte pra estrada. Até você chegar, vai ter secado completamente e a sensação é bem agradável.

Abra a ventilação do capacete

Um bom capacete fechado sempre vai ter entradas de ar que fazem com que o vento circule pela sua cabeça, deixando tudo mais fresquinho. Já um capacete aberto com uma viseira bubble shield, muitas vezes não possui nenhuma entrada para o ar circular pelo topo da sua cabeça, virando uma estufa. Vale a pena pensar se ele é realmente o melhor de se usar no calor senegalês que faz por aqui.

Fique hidratado

Tem muito mito sobre hidratação por aí, já que algumas campanhas de marketing fizeram a gente acreditar que é necessário se hidratar muito acima do necessário.

Mas a verdade é que desidratação é um perigo sim, a cabeça da gente não funciona direito quando ela aparece. Beba a quantidade necessária de líquidos e lembre que aquela cervejinha, além de diminuir seus reflexos, deixa você ainda mais desidratado.

De moto, beba água.

Fique atento aos sintomas

Sentiu câimbra, enjôo, dor de cabeça, está com pele pálida ou avermelhada, cansaço acima do normal, tontura ou está suando demais? Se você sentir pelo menos um desses sintomas, pode significar que você está sofrendo exaustão causada pelo calor. Encoste, vá pra sombra, beba água e descanse até ter certeza de que você está melhor.

Estacione na sombra e leve o capacete com você

Deixar a moto tostando no sol e depois sentar em um banco fritando de quente já faz você sair em desvantagem na briga contra o calor. Tem gente que chega ao extremo de deixar pele de carneiro no banco, mais um daqueles truques de cowboy. Parece estranho sentar em cima de um troço que parece um cobertor em pleno calorzão, mas acredite: funciona.

O mesmo vale pro capacete, especialmente se ele for de cor escura. Leve ele com você. Deixar o capacete pegando sol na moto só vai transforma-lo em uma pequena estufa.

E você, tem mais alguma dica? Então deixe nos comentários.

 

Mais um assassino nas estradas

A partir de hoje, eu não vou considerar nenhum vídeo como esse aí em cima cima como “acidente”, já que essa palavra tem mais a ver com algo que fugiu do controle, obra do acaso.

O que vemos rotineiramente nas nossas estradas são tentativas de homicídio, que algumas vezes acabam virando assassinato. Infelizmente, é o caso do vídeo acima, onde uma van força uma ultrapassagem e acerta um casal em uma moto. Mais sobre essa notícia aqui.

Uma van, um caminhão, um SUV, não importa. No momento que alguém força uma ultrapassagem sem visão clara do que vem pela frente, a pessoa está assumindo o risco de que pode matar alguém. O mesmo vale pra quem ultrapassa sinal vermelho, dirige embriagado e por aí vai.

Não foi acidente. Foi assassinato.