Arquivo da categoria: Harley-Davidson

E a Harley matou a VROD

Enquantos alguns ainda não superaram o fim da linha Dyna, outros estão de luto pelo anúncio do fim da produção da polêmica linha V-ROD.

Não chega a ser uma grande surpresa, já que o boato circula desde outubro de 2016. Mas o fato é que esse assunto passou despercebido em meio ao lançamento da linha New Softail (eu vou continuar chamando assim, podem reclamar à vontade).

Apesar de ter um motor moderno e uma pegada que atraiu muita gente que torcia o nariz para a Harley, a verdade é que a VROD foi um sucesso de vendas apenas na America Latina. No auge, modelos que custavam R$60 mil chegavam perto dos R$90 mil por conta do ágio causado pela grande procura nas terras tupiniquins. Já em outros mercados, ela apenas engatinhava.

De qualquer forma, ela conseguiu ficar em linha por 16 anos seguidos, o que prova que ela nunca foi o fracasso que alguns insistem em alegar. Ele simplesmente era um modelo que se distanciava demais do que o público fiel da marca gostava, ganhando até a alcunha de “A Harley que não é Harley”.

É o fim do motor Revolution, criado em parceria com a Porsche e inspirado na extinta Superbike da Harley-Davidson. Com isso, morre qualquer esperança de que ele pudesse ser colocado em algum outro modelo, como uma Touring Revolution como muitos cogitavam.

R.I.P. VROD. Eu sempre simpatizei com você.

Espaço do Leitor: Indian x Harley

O Clóvis escreveu:

Gostaria que fosse discutido a observação do Luiz, ontem:

“Luiz 24 DE AGOSTO DE 2017 ÀS 8:43 AM
Uma coisa que chama a atenção é que na contramão desta tendência está a Indian: …”

Fiquei intrigado com o que ele colocou, pois vai contra muita coisa que se fala sobre essa nova geração. Que existem mudanças de hábitos, isso ocorre desde que o primeiro ser humano pisou no globo. É do negócio. Mas a história não acaba.
(…)
No mais, certa vez nos foruns HD da gringa, neguim abriu um post pra comentar que fazia tempo que não via alguém com Low Rider zero…. Vez ou outra uma ou Street Bob… mas muito pouco. Aí comecei a observar e o que se via era comércio de usadas.
Ou seja, a Dyna já tava em queda há tempos.
(…)

Então a HD tinha dois problemas sérios dentro de casa : quadro da Dyna e motor.
E fora dela, a Indian tirando pedaços do fígado. Algo tinha que ser feito. E foi feito.

Curiosamente, isso também não saiu da minha cabeça enquanto escrevia o artigo de ontem. A Indian herdou um grande know-how em tecnologia da Victory, mas mesmo assim foi na contramão da tendência apostando no visual clássico.

Isso me parece apenas uma questão de estratégia de conquista de mercado. A Harley é uma empresa muito maior que a Indian, com mais da metade do mercado americano e com um nome reconhecido até por quem não anda de moto. Já a Indian é uma recém chegada, que está tentando abocanhar parte desse mercado e reerguer o seu nome lendário.

Desde que a Indian ressurgiu, o foco dela são os motociclistas mais tradicionais. É só ver a campanha de marketing atacando os guerreiros de final de semana, se posicionando como a moto para “motoqueiros de verdade”. A intenção dela é realmente pegar os baby-boomers e a geração que os seguiram usando o manto da tradição. E eles tem experiência prêvia no assunto, já que vender motos modernas (leia-se Victory) foi uma estratégia da sua empresa mãe (Polaris) que não deu o resultado que eles esperavam.

A Polaris, fabricante da Indian, fechou as portas da Victory este ano. As motos eram uma versão moderna das cruisers com motor V2.

E isso faz muito sentido. Para a Harley continuar sendo gigante, ela precisa aumentar o tamanho do bolo do mercado, trazendo mais pessoas. Só que para a Indian crescer, ela só precisa pegar uma fatia maior do bolo que já existe. E mesmo que esse bolo esteja encolhendo por causa dos millennials, ainda é um mercado muito lucrativo para se explorar nos dias de hoje.

Se isso é uma estratégia sustentável ou não, aí é outra história. A Harley acredita que não, por isso está focando nas mudanças. A Indian acredita que sim, por isso o foco na tradição. Mesmo assim, nada impede que um dia a Indian se veja diante do mesmo problema e mude a estratégia.

O que me incomoda na opção que a Harley está seguindo é o fato de que ambos os mundos podem conviver. A Triumph se reinventou e é um bom exemplo: hoje vende esportivas, vende big-trails e, mesmo assim, ainda possui um enorme carisma e boas vendas nas suas clássicas Bonnevilles, chegando até a lançar um novo modelo Bobber. E você não vê ninguém reclamando que a mesma fabricante da Bonnie faz a Speed Triple.

Quem está certo? Só o tempo dirá.

Não gostou da linha 2018Harley? Então provavelmente ela não é para você

A Internet parece ter sido quase unânime em seu veredito: a nova linha 2018 não agradou. Para muitos, o motor Milwaukee 8 tem mais a ver com as japonesas e com a Victory, do que com os amados V-2 a ar. Para outros, as mudanças de chassi e dirigibilidade só seriam interessantes se a Harley-Davidson tivesse mantido o seu visual clássico.

Infelizmente, essas motos não foram feitas para os tradicionais fãs da marca: elas são, mais uma vez, uma tentativa de atrair novos fãs.

Você já ouviu o velho argumento de que os baby-boomers são o maior público da marca, que eles estão envelhecendo e deixando de andar e por isso a Harley-Davidson precisa atrair os mais jovens, além das mulheres e algumas minorias (nos EUA) que nunca foram o foco da empresa.

Isso é algo tão importante para a estratégia da Harley-Davidson que se tornou a principal meta da empresa para os próximos 10 anos.

Recentemente, o jornalista Tite fez um comentário bem pertinente sobre esse assunto. Ele escreve em seu post sobre a nova BMW 310R:

No ano passado levei minha filha mais velha (30 anos) para um evento de motociclistas. Comentário dela: “pai, mas só tem velho!”. Eu incluso, claro. Ela só externou outra coisa que a indústria de moto, especialmente as marcas BMW e Harley-Davidson já perceberam: essas marcas seculares atraem pessoas igualmente seculares. Por isso a HD correu para lançar uma 500cc e a BMW investiu um caminhão de Euros para criar e lançar esta 310: estão de olho no público jovem, porque além de fidelizar a marca desde cedo os jovens vivem mais.

No entanto, o que pouca gente sabe, é que as empresas estão tendo um enorme problema para atrair os mais jovens em vários segmentos.  Há uma mudança de comportamento grande acontecendo, impulsionada pela falta de perspectiva das novas gerações e por algumas ideologias.

O motociclismo, por exemplo, é algo que os millennials demonstram pouquíssimo interesse. A imagem do rebelde libertário em sua moto se tornou… careta. Os ideais de possuir uma casa, um belo carro ou moto na garagem da geração anterior não fazem parte do repertório deles, que preferem a economia compartilhada e uma vida de poucas possessões materiais que os prendam em um lugar. Essa é uma geração que privilegia experiências e atitudes pessoais como símbolo de status.

Além disso, por muitos e muitos anos a Harley teve uma atitude que essa nova geração não aceita. Você conseguiria imaginar a Harley colocando hoje em dia um anúncio que mostra um motoqueiro já com certa idade dizendo “Eu nunca deixo a minha esposa dirigir. Pelo menos até ela completar 18 anos” sem causar uma revolta nas redes sociais?

Ou este aqui?

Alguns marketeiros também chamam atenção para o fenômeno da “ostentação invisível”, algo que afeta tanto os millenials quanto os membros da nova classe média alta. Cientes da desigualdade social, essas pessoas tendem a não mostrar seu sucesso ou riqueza com bens, optando por gastar em coisas não tão tangíveis e vísiveis, como a escolha da escola dos filhos, o lugar onde moram, os alimentos que compram e os destinos de suas viagens.

Ou seja: marcas como a Harley-Davidson estão enfrentando um duplo desafio. Eles precisam renovar sua base de fãs, mas estão fazendo isso justamente com uma geração que não dá a mínima para o que eles fazem. Isso é uma perigosa combinação, já que a marca pode alienar os atuais fãs e não conseguir o resultado que espera com os mais jovens.

Na minha humilde opinião, o que a marca precisava era reinventar o motociclismo em si, deixando ele atraente para os mais novos. Algo que ela já fez muito bem quando oficializou o H.O.G. nos anos 80 e passou a tratar seus produtos como “uma máquina de fazer amigos”.

Do contrário, ela pode acabar sozinha.

A Dyna se foi, a Softail meio que se foi – novidades Harley 2018

Eu tive uma Dyna. Apesar de um problema elétrico crônico que nunca foi encontrado, eu adorava aquela moto. Ainda gosto, se pudesse ela estaria na minha garagem até hoje. Não era nenhuma FXR, mas era o mais perto que eu ia chegar.

Por isso que eu fico um pouco triste de dar essa notícia para vocês. Sim, a Dyna saiu de linha. Aliás, a Softail saiu de linha, porque o que a Harley lançou hoje é algo bem diferente. Os modelos das duas linhas foram unificados no que podemos apelidar de “New” Softail, um novo frame que abandona os amortecedores laterais da Dyna e os que ficavam sob o quadro da Softail.

O novo frame é mais moderno, mais rígido e com menos soldas para deixar as motos mais estáveis e com melhor dirigibilidade, algo que os consumidores estão pedido há tempos nos EUA. O novo amortecedor vai ficar escondido debaixo do banco em uma posição que deve ajudar ainda mais na rigidez do conjunto. O motor também não vai usar nenhum coxim, sendo fixado diretamente no quadro como nas antigas Softails, mais um item que aumenta a rigidez do conjunto.

(Só quero ver agora como o pessoal vai rebaixar as motos. E aguardo descobrir se esse novo amortecedor vai dar conta das ruas do Brasil.)

O lado bom é que o visual conseguiu ficar ainda mais limpo e mais semelhante com uma moto rabo duro, que era justamente a ideia por detrás do quadro da Softail: fingir que era algo old school quando na verdade não era, uma coisa que a Harley gasta rios de dinheiro para fazer (e faz bem).

As motos chegaram a perder até 13kg, o que é algo QUE O MARKETING NEM DEVERIA MENCIONAR! Sério Srs e Sras executivos da Harley-Davison: olha quanto Harleyro barrigudo tem por aí nos EUA e pelo mundo (tô me incluindo nessa). Olha os acessórios de metal fundido, pedaleira plataforma de dois quilos e os escapes maiores que um Cadillac que a galera põe nas motos. Ninguém liga pro peso. Talvez 2% do seu público alvo esteja preocupado com peso, e são provavelmente os mesmos que vão vender a HD pra comprar uma cafe racer.

Falando sério, isso é bom. Economia de peso ajuda na frenagem, ajuda no desempenho, na economia e na hora de manobrar. É pouco peso que elas perderam, mas é um começo, especialmente quando se percebe que essa é a primeira vez que a Harley menciona o assunto.

Com o novo frame, as motos também melhoram nas curvas (que, depois da redução de peso, é outra coisa que a Harley nunca se importou muito). Nas curvas, a Softail Slim foi de 24.9º de inclinação na esquerda e 24 de inclinação na direita para to 27.4º em ambos os lados. É uma bela mudança e que acaba com aquele sensação horrível de que você faz curva melhor de um lado do que para o outro (o que não deixa de ser verdade, mas a sensação piora quando a moto é assimétrica nesse quesito). Já a Fat Bob continua assimétrica, mas ganhou um pouco mais de cada lado: 32º na esquerda e 31º na direita.

Uma das coisas que ajudou nisso foi a mudança de lugar da primária, que foi levemente deslocada para cima e em ângulo para não raspar tão cedo. Curiosamente, esse é o tipo de customização que era feita pelo pessoal das antigas que transformava as Harleys em bobbers para correr mais.

E antes que alguém saia com ideias por aí, o ângulo de inclinação de uma R1 é de 47º mais ou menos. A Harley ainda vai continuar fazendo curva quadrada, a menos que você seja esse cara aqui:

Todas as motos possuem suspensão regulável na traseira, com um acesso muito mais fácil por debaixo do banco. A suspensão dianteira melhorou também e os pilotos de teste das revistas gringas que tiveram acesso antecipado ao lançamento falaram muito bem da performance geral das novas motos.

E já não era sem tempo: os novos motores Milwaukee-Eight (M8) mereciam um conjunto melhor para botar toda a potência no chão. Aliás, sim… Esse é o motor que vai estar em toda a linha “new Softail” (sim, eu tô inventando esse termo). Digam adeus ao Twin Cam.

Todas as motos agora contam com ignição sem chave, que agora só vai ser usada apenas para a trava de guidão. Outras firulas foram incorporadas nas motos, e aí que entra a má notícia:

Todas… as.. motos… estão… mais… caras. Algumas um pouco, outras consideravelmente.

Com o dólar no preço que está, e com a economia engatinhando, não quero nem saber por quanto essas motos vão chegar por aqui. Deixo isso para o Wolfmann que faz previsões e análises sobre o tema melhor do que ninguém. Eu vou ter que vender meu rim pra comprar uma moto nova algum dia pelo visto. Ou rodar bolsa como dizia a minha avó (dizia, e não fazia engraçadinho).

Em resumo: uma bela mudança, que certamente deixou as motos muito mais prazeirosas de dirigir. O visual é questão de gosto, alguns vão amar e outros odiar modelos como a Fat Bob. Eu confesso que me interessei, é aguardar e ver como elas chegarão por aqui.

(PS: Ei, Harley… Vocês podiam parar de fingir que eu não existo e deixar uma dessas pra eu testar! Fica a dica… A galera aqui ia gostar. E garanto que eu ia fazer umas fotos bem mais legais do que essas revistas de consultório de dentista onde vocês divulgam os releases. #paz #ficaadica)

Street Bob 2018
Fat Bob 2018
Low Rider 2018

Se você tiver paciência, e souber inglês, veja a Live da Harley no YouTube com todos os lançamentos:

Harley-Davidson lança Road King mais bandida

Eu sou suspeito para falar da RK, pois é a bagger que eu mais gosto. A Harley-Davidson acabou de dar um belo tapa no visual da clássica Road King, deixando ela com aquele visual que muita gente gosta de chamar de “bandido” com a nova versão Special.

Ela perdeu as rodas raiadas, a bolha, vários cromados e ganhou o novo motor Milwaukee-Eight. Os alforges deixam de ser de couro e se tornam rígidos, seguindo bem o visual das baggers customizadas.

Harley e Ducati com desconto

A Ducati está dando um bônus de até R$ 3 mil para quem está afim de uma Scrambler Icon, Monster 821 Dark/Red, Hypermotard, Hyperstrada e Diavel Dark. Para quem já tem um modelo da marca, eles oferecem emplacamento grátis e “supervalorização na troca”. Honestamente, eu não sei o que isso quer dizer… Pra alguns, supervalorização quer dizer pagar 30% a menos que a tabela Fipe, ao invés de 40%.

Se alguém for negociar lá, avisa pra gente o que essa “supervalorização quer dizer”. A promoção vale até o dia 28 deste mês.

Já a Harley-Davidson está oferecendo duas motos com R$ 10 mil de desconto. A Fat Bob vai de R$ 59,9 mil para R$ 49,9 mil, e a Street Bob vai de R$ 55,8 mil para R$ 45,8 mil. Esses são preços de tabela, então é bom pesquisar se o desconto é real ou se ele já estava sendo negociado nas lojas.

A Harley também oferecem até R$ 4 mil de valorização na sua seminova. Mais uma vez, se for R$ 4 mil de valorização, mas oferecem 40% a menos que a FIPE, vale a pena vender sua moto para os amigos.

via GIPHY

Se a baixa do dólar se mostrar um tendência, talvez tenhamos boas surpresas este ano quando os estoques baixarem. Mas isso é uma loteria, vamos esperar para ver.

Uma customização do jeito que a Harley Deveria ter feito

Apesar de gostar da XR1200, minha maior crítica sobre o modelo é o quanto que ele destoou do restante da linha da Harley-Davidson. Seria muito bom ter outras opções de design, talvez inspirada na extinta Sportster XLCR1000 ou nas cafe racers britânicas, ao invés de usar como base a XR750, um modelo com uma legião de fãs leal, mas pequena.

harley-davidson-xr1200x-xl

Se a ideia era criar uma esportiva refrigerada a ar, eles deveriam ter fugido um pouco das linhas mais modernas. Os modelos clássicos combinam mais com a proposta e com o público alvo, que geralmente procuram algo com um visual mais vintage. Um bom exemplo disso é a Ducati com a extinta linha SportClassic e a Triumph com sua Thruxton 1200R.

harley_davidson-1977
Sportster XLCR
Ducati SportClassic
Ducati SportClassic

Mas ontem, no programa matinal “Pra Você”, apareceu uma XR que está sendo customizada aqui no Brasil que tem tudo para se tornar um belíssimo exemplar, muito parecida com a The American da Deus.

screen-shot-2016-11-04-at-12-40-28-pm

Você pode conferir alguns detalhes dessa moto no programa matinal  vendo a reportagem completa neste link: http://tv.uol/15KwK

Outras inspirações pra linha XR, você confere aqui.

Harley-Davidson Knucklehead Bobber

Alguém me mandou esse vídeo e agora eu me encontro levemente obcecado com essa bobber. É um belíssimo exemplar, customizado exatamente como sempre imaginei construir uma bobber clássica (minha antiga Dyna foi uma tentativa frustrada de fazer algo com esse visual, mas isso é assunto pra outro post). Realmente uma moto feita com muito bom gosto e, ao menos aparentemente, carinho.

Não sei absolutamente nada sobre ela, a não ser que estava à venda pela www.oldcarsimport.com. Ainda chego lá um dia…

Estréia hoje a série “Harley and The Davidsons”

A história do nascimento da Harley é muito mais complexa do que costuma se contar por aí, com diversas reviravoltas pelo caminho. Felizmente estréia hoje “Harley-Davidson: a série”, às 22h10, no bloco Sexta de Motores do Discovery Channel. Serão 3 episódios, com duas horas de duração cada, contando as origens de uma das marcas mais lendárias de todos os tempos.

O nome em português não é muito criativo, mas o título original em inglês “Harley e os Davidsons” já dá a entender que ela vai tratar da dinâmica da relação entre William S. Harley com os irmãos Arthur e Walter Davidson.

Tive a sorte de poder assistir ao preview e, apesar de não ter visto muito, me parece ser uma história correta e bem contada, mostrando um lado pouco explorado da origem da marca: o empreendedorismo e as dificuldades de engenharia que eles enfrentaram no começo, em uma época onde o mundo passava por diversas transformações sociais e tecnológicas.

Harley-Davidson: a série.
Discovery Channel
Primeiro episódio nesta sexta-feira, 23 de setembro às 22h10.

harley

 

Harley na novela e a evolução das propagandas da HD

Essa é uma notícia que deixou muita gente surtada, especialmente os guerreiros de teclado. Enquanto lá fora a Harley foge da imagem de malvadão e tenta se aproximar mais dos descolados urbanos, das mulheres e minorias, inclusive co-patrocinando filmes Blockbusters como os Vingadores, aqui no Brasil o pessoal decidiu ir para uma via mais tradicional: galãs e novelas da Rede Globo.

Malvadões, onde está o seu Deus agora?

Bruno Gagliasso, personagem central da nova novela, é mecânico de motos e dono de uma Breakout (tá ganhando bem como mecânico pelo visto). Henri Castelli e Letícia Spiller são donos de um bar/barbearia/oficina chamado Rota 94 onde os motociclistas da novela se reúnem Ele é decorado com vários itens da Harley, todos cedidos pela marca, incluíndo aí uma Heritage Softail Classic que fica de enfeite (moto parada? Heresia!). Outros personagens possuem uma Street Bob, uma Road King Classic e, é claro, uma Iron 883 customizada.

(Nota pessoal: será que as gravações da novela vão sofrer atrasos por falta de peças para as motos? Ou a Globo vai ter “tratamento especial”?)

Outro merchandising bem presente na novela serão as roupas da marca para vender o famoso “lifestyle” da Harley. Mais sobre isso em um ótimo post no blog do Wolfmann.

Flávio Villaça, gerente de Marketing, Produto e Relações Públicas da Harley-Davidson do Brasil, disse em entrevista para Motonline: “A estreia da Harley-Davidson na novela da Globo será uma ótima oportunidade de levarmos ao público alguns dos diferentes modelos que compõem o nosso lineup 2016, bem como os itens de MotorClothes e Riding Gear produzidos pela marca, sem contar que vamos compartilhar um pouco mais do nosso estilo de vida”.

A evolução da propaganda na nova era Harley

É curioso notar para onde a Harley quer ir, e acho que podemos contar essa história através das próprias propagandas da marca.

Não faz muito tempo, a marca produzia vídeos como este, que deixou muita gente arrepiada e virou quase um mantra:

Particularmente, eu sempre gostei muito desse manisfesto e me identificava com muito do que era dito. Virou clichê, mas tocava no cerne de pessoas que acreditavam ter nascido na década errada ou que achavam as motos modernas desinteressantes e sem personalidade.

No entanto, os Baby Boomers foram envelhecendo e marca não foi ganhando espaço entre os mais jovens, que não se identificavam com essa filosofia.

Nessa época, a Harley ainda flertava com a imagem do badboy e do malvadão, como neste comercial aqui:

(Spoiler: muita gente confunde os atores do filme e acaba não entendendo o comercial. O resumo é que o motoqueiro é o amante que chega em casa, e quem se esconde é o marido.)

Mas essa imagem começou a pegar mal com o público feminino, que via a marca como algo misógino, justamente um público que eles tentavam conquistar. Latinos e negros também fugiam da marca, não se identificando com esses estereótipos. É por isso que, depois da virada do milênio, as coisas foram mudando lentamente, ganhando tração nos últimos 6 anos.

Por exemplo, para atrair os mais jovens, eles lançaram a linha Dark Custom, tentando associar a linha com um pessoal mais urbano, que valoriza o aspecto industrial da coisa:

Muitos dos anúncios foram migrando para mostrar um pessoal mais cool, de bem com a vida:

Antenada com o que estava acontecendo na cena de customização, a Harley lançou uma moto inspirada nos anos 70, com um comercial que seguia o mesmo estilo:

A estéticas das motos, a trilha dos comerciais e a fotografia ficaram mais atuais. Eu particularmente gostei, achei que eles atualizaram a marca, mas ainda mantinham algo da essência:

A linha VCO também foi para uma pegada mais atual, usando uma mulher como protagonista, algo impensável poucos anos antes para certas marcas da categoria:

Enquanto isso, algumas subsidiárias de outros países ainda tentavam manter a ideia do malvadão, mas sem o mesmo brilho no entanto:

É claro que essas mudanças acontecem especialmente nos modelos de entrada, onde estão a maior parte do novo público que eles querem conquistar:

Enquanto os mais caros continuam com um ar neutro, usando aquele velho clichê da propaganda de se mostrar o produto com frases genéricas como “design arrojado”, “sofisticação”:

De qualquer forma o foco mudou, eles tentam romper com esteriótipos, como mostrando tradicionais clubes formados por negros, algo que era pouco comum nos EUA:

Ou mostrando que quem anda de Harley talvez não seja o esteriótipo do malvadão ou do tiozão de meia idade que muitos imaginam:

E vocês? Se identificam com essas mudanças, ou fazem parte do grupo que conseguem consumir uma marca mas sem se identificar com o que eles tentam passar?