Arquivo da categoria: Harley-Davidson

Uma XR1200X fora da caixa

O Daniel Romagnolo mandou fotos da sua XR1200X, customizada pelo Marco Aurélio Silveira. É uma customização bem diferente, que deixou ela mais parecida com sua irmã bivetelina Sportster, mas mantendo a ciclística agressiva, quadro reforçado e as suspensões e o motor mais esportivo do modelo.

XR 1200R 1

XR 1200R 3

XR 1200R

XR 1200R 2

Ele escreve contando mais sobre o que foi feito :

Com apenas 2.000 Km, originalmente na cor Candy Orange. O objetivo era criar uma máquina com um visual clássico de uma Café Racer dos anos 60, mas com uma mecânica moderna com bons recursos de freio e suspensão.

O início da operação se deu com o encurtamento do quadro, cortando-se as espadas, logo atrás dos amortecedores traseiros. Com isso tivemos um bom alívio de peso, porém eliminou-se a possibilidade de transportar garupa, tornando a moto uma Solo Seat.

Foi adaptada uma rabeta vintage de fibra de vidro e estofamento em vinil preto canelado, de onde saiu o nome da moto “ Besouro “, dada a semelhança da parte traseira da rabeta com o referido inseto.

O tanque de combustível original, de plástico, deu lugar a outro de Sportster Iron, de aço e com menor capacidade. A troca do tanque determinou alterações na parte de admissão de ar do motor, uma vez que o filtro de ar ficava alojado na lateral do tanque original. Para tanto o pescoço do corpo de borboleta foi encurtado, através de usinagem da peça, para se ganhar espaço, e foi criado um duto de aço inox polido que conta com um filtro de ar esportivo cônico.

A pintura escolhida traz um grafismo com flamas geométricas estilizadas em preto brilhante com filete branco sobre um laranja flake com fundo especial, assinado pelo designer Ivan Zonzini.

O escapamento original foi totalmente descartado e substituído por um modelo 2×1 de inox sem pintura com acabamento de ponteira em fibra de carbono, da marca americana Roland Sands Design ( RSD ), que foi customizado, pois não se destina ‘a este modelo, o que gerou bom alívio de peso e algum ganho de potência. O motor conta ainda com velas e cabos Screamin Eagle, e teve os parâmetros de gerenciamento alterados em dinamômetro, com o uso de um módulo Super Tuner também da S.E.

Outros acessórios foram adicionados, como a pequena lanterna traseira de led com pisca incorporado e suporte de placa, farol de led Harley-Davidson ( HD ), guidão drag bar HD, manoplas HD, tampa do tanque HD e espelhos Joker Machine.

A suspensão dianteira é composta de um garfo Showa BPF ( Big Piston Fork ), que foi toda recalibrada e abastecida com fluido Motul Fork Oil de viscosidade média.

A máquina ficou com um comportamento equilibrado com um toque de agressividade e solicita um bom piloto com experiência para poder tirar todo o proveito deste conjunto que mescla diversos estilos e escolas.

Semana dos MCs: In’Omertà – Não somos comuns

A partir dessa semana vou postar alguns vídeos e fotos que os membros de diversos MCs do Brasil tem mandado aqui para o Old Dog Cycles.

O vídeo de hoje é do In’Omertà, que fez um dos vídeos mais bem produzidos de um MC que eu já vi, uma bela produção enviada pelo Marcus Machado:

Créditos do vídeo:
Contato: Marcus Machado http://goo.gl/3MwZgK
Produtora: Canela Fina Films canelafinafilmes.com
Diretor: Daniel D2 http://goo.gl/zS36kS
Roterista: Rodrigo rcecosta@gmail.com

Amigos do Sopão: amigosdosopao.org
MC: facebook.com/InOmertaMC

Espaço do Leitor: Sportster do Bruno Lopes

IMG_7415 - Copia

IMG_7420

IMG_7421 - Copia

IMG_6495

Especialmente na cultura da Califórnia, motos e skate sempre combinaram. E nos últimos anos as Harleys se tornaram uma tendência entre a galera do carrinho, especialmente as Sportsters e as mais antigas. E essa é uma tendência que eu tenho visto cada vez mais isso no Brasil.

O Bruno Lopes mandou algumas fotos de sua Rat 883, e conta um pouco mais sobre ela e também da relação dele com as motos e o skate.

Tenho 30 anos, meu tempo de convivência com as motos é semelhante ao tempo que ando com o skate, pois meu pai nunca soube jogar bola, nunca me incentivou a jogar até o dia que ganhei meu primeiro skate aos 5 anos de idade, nessa época também me lembro de sua primeira moto uma Agrale 2 tempos que até hoje sinto falta dela.

Desde de então, sempre andando de skate e nos passeios com o velho na garupa, em 1999 nos mudamos para Venezuela, lugar onde aprendi andar de moto, nunca me esqueço da CR230 levantando de 2º. (rsrs) Com a situação política e econômica do pais, voltamos ao Brasil em 2005 e alguns anos depois pude comprar minha primeira Bike, uma Fazer 250, posteriormente tive a oportunidade de ter outras motos e finalmente pude ter minha primeira HD. Uma Dyna, nesta meu pai e eu fizemos algumas modificações caseiras. (Pintura de rodas, Fabricação de escape, filtro de ar). 

Durante este período o skate sempre me acompanhou junto com as motos, onde ia tentava levar o skate para andar, no mesmo ano de 2012 tive a oportunidade de me mudar para a cidade do México, pois então a Dyna foi vendida, ao voltar para o Brasil em 2013, vim decidido a comprar uma Sportster e montar uma ratbike.

Comprei uma Sportster 2008 de um amigo e o primeiro projeto, foi montar uma bike “Tematica” da Santa Cruz na Hot Custom, oficina onde tenho um grande amigo “Nick Mariho”. A ideia era criar um projeto bem diferente, alteração de guidão, pintura de tuchos, pinhão, rodas na cor amarela, tanque com logotipo da marca.  Com a finalização do projeto, ainda assim ficou a vontade de montar a Ratbike mas faltava coragem.

Decidido, voltei na Hot Custom e fizemos as alterações da maneira que sempre quis.

– Alteração de painel (Fabricação de suporte)
– Retirada do boné (Farol)
– Retirada de Suspensão (Hardtail)
– Criação de guidão
– Alteração de setas e lanternas (Bullets)
– Pintura de rodas (Cor cinza)
– Escovamento de Bengalas (Cor cinza)
– Tratamento de tanque e trasera (Ferrugem áspera)
– Logotipo HD invertidos no tanque
– Pinstripes nas laterais (By Fernando Bertacin “O Tartaruga”)
– Fabricação de Sissybar
– Manoplas e manetes alterados

O skate sempre foi um estilo de vida paralelo que levo comigo, pois trabalho na área de T.I  e sempre o encaixo quando posso, enquanto as pernas aguentarem haverá diversão.

Na foto, foi para um anuncio para a revista Crvis3r Skateboarding, representando a marca pela qual represento. (Mission Skate Shop)
Pulando a moto de Melon Air,  quando posso participo de Campeonatos de Longboard Downhill Slide na categoria Amador.

Na minha visão, o Skate e a moto se complementam ambos envolvem o sentimento de liberdade, atitude, risco, velocidade e diversão.

E eu sempre digo, que para os meus netos as histórias não serão de dormir!

Ele também mandou um compilado com algumas fotos bem legais de sua relação com motos e skate:

600018_393822910664989_1268324231_n

7612642016_e90d2f4e2b_c

IMG_4435

IMG_4489

IMG_4545

DCIM100GOPROGOPR5214.

Mission_zpsfkejwgsq

Catálogo 2016 da Harley anunciado

Quer saber as novidades da linha 2016? Sugiro acompanhar o blog do Wolfmann, que sempre sai na frente com essas notícias, e costuma colocar links para outros blogs que estão tratando do assunto:

http://wolfmann-hd.blogspot.com.br/2015/08/catalogo-2016-hdmc-divulgado-nos-eua.html

Mas já adianto… Se você estava esperando alguma revolução (sem trocadilhos com o motor Revolution) ainda não foi dessa vez.

16-hd-softail-slim-s-1-large

A Harley Bagger mais rápida do mundo

Baggers é como as tourings da Harley são carinhosamente apelidadas lá fora. E é cada vez mais comum ver pessoas mais jovens entrando de cabeça na customização delas, o que já criou toda uma subcultura ao redor desses modelos.

Por isso um time da Harley-Davidson Australia e Nova Zelândia está disposto a provar que as baggers não são as motos pacíficas que todo mundo tem na cabeça, e pretendem conquistar um novo recorde de velocidade na DLRA Speed Week, com uma Road Glide Special apelidada de “Pepper”, usando na maior parte da preparação peças originais Screaming Eagle.

Gostaria muito de acelerar essa moto… Parece ser divertida.

Carta aberta ao marketing da AutoStar / Harley Brasil

DSC_0889

Pelo segundo ano consecutivo eu recebo um email de parabéns, com o exato mesmo texto. E confesso que acho um texto extremamente arrogante, como se comprar uma Harley fosse um privilégio que eu recebi por parte deles.

Desculpe avisar, srs. executivos, mas minhas motos nunca foram um presente. Toda Harley que eu já tive foi comprada com a ajuda do meu trabalho, do cara lá de cima, da minha família, mas nunca de vocês. Pelo contrário, sempre tive muito desprazer ao precisar de peças e serviços, não é a toa que tenho uma scooter na garagem para evitar ficar parado.

Lembra quando o sensor do meu pézinho deu pau e vocês pediram 30 dias para a Harley USA avaliar a peça na garantia, mais 30 dias para ela chegar e mais uma semana para trocar? E que a moto ficasse parada na oficina todo esse tempo? Eu fiz o mesmo sozinho na minha garagem em uma tarde. Ok, exagerei: 4 dias, se considerar a entrega via Fedex pela JP Cycles (pois é, um cara do outro lado do mundo me manda a peça mais rápido que autorizada perto da minha casa).

O único presente que eu gostaria de receber era um pós-venda melhor, com peças em estoque e prazos normais de entrega. Que vocês não tratassem todos os clientes como quem usa a moto esporadicamente ou como enfeite, e sim como pessoas que usam e pensam nela como veículo, e por isso precisam saber que podem contar com a autorizada quando algo quebrar.

Basicamente, o presente que eu queria, é que vocês fizessem o que a Honda faz por mim, que cobra 1/3 do valor que vocês cobram, e faz um serviço bem melhor na maior parte das vezes.

De um apaixonado pelas motos, mas desiludido pela empresa,
Bayer – Old Dog

— UPDATE: Ótima colocação do Wolfmann sobre o assunto aqui. Vale a leitura.

Treinamento da Harley em um porta aviões

Que lugar legal para se fazer o rider training: no convés do USS Yorktown. Tudo bem que esse treinamento foi apenas para militares e veteranos, mas mesmo assim imagino que deve ter sido divertido.

Curiosamente, não são apenas os veteranos da Segunda Guerra Mundial que voltavam do front e procuravam as motos como válvula de escape. O mesmo tem acontecido com os veteranos atuais, vindos do Afeganistão e Iraque. E, assim como naquela época, eles também estão em busca de adrenalina, por isso boa parte deles escolhem motos esportivas.

Essa tendência tem aumentado em muito o número de fatalidades entre militares fora de serviço, ao ponto do exército americano ter criado um programa para ensiná-los a pilotar com segurança.

Apesar desse não ser o foco do treinamento da Harley, que é bem básico, não deixa de ser interessante eles estarem de olho nisso, incentivando quem quer começar a pilotar, a fazê-lo com segurança numa Harley.

Uma Sportster esportiva de verdade

DSC_0001

DSC_0069

DSC_0034

DSC_0002

Já mencionei aqui que a origem no nome Sportster vem realmente de esportividade, já que ela foi a primeira bobber de fábrica, criada pela Harley para combater as velozes britânicas que estavam desembarcando nos EUA.

Mas o pessoal da DP Customs resolveu trazer esse conceito pro século 21 e criou a The Mack, uma Sportster que parece pertencer às pistas de corrida.

O motor tem 1250cc, com cabeçote, válvulas e comandos de alta performance. A suspensão é topo de linha da Ohlins, com um belo conjunto de freios da Brembo para parar esse trem todo. As rodas são de fibra de carbono, ajudando a reduzir o peso total do conjunto, já que o motor Evo V2 não é nem um pouco leve.

Particularmente, eu prefiro o conceito e o estilo da The American, da Deus. Mas que essa deve ser uma moto muito divertida de se pilotar, isso eu não tenho dúvida.

Aliás, muita gente me pergunta porque eu gosto tanto de motos como a Harley XR1200X (tenho uma), Triumph Thruxton (ainda vou ter uma), Ducati SportClassic (não tem por aqui) e a BMW Nine T (só se eu vender o meu rim na cotação atual), que possuem uma ciclística mais próxima de uma esportiva, mas com várias das falhas de uma moto mais pesada ou de concepção antiga. A verdade é que essas motos são extremamente divertidas de se pilotar, especialmente nas curvas. Você nunca fica entediado com a personalidade ou com as idiossincrasias dessas motocas.

Faço minhas as palavras de um campeão de Superbike, que participou recentemente da copa Vance and Hines da XR1200. Esse é um cara acostumado a passar dos 300km/h com facilidade, comentando sobre como foi correr com motos que mal passavam dos 230km/h:

“Eu nunca tive tanto medo indo tão devagar. Foi o máximo”.

 

Mais fotos da The Mack você confere aqui.