Arquivo da categoria: Notícias

E a Harley matou a VROD

Enquantos alguns ainda não superaram o fim da linha Dyna, outros estão de luto pelo anúncio do fim da produção da polêmica linha V-ROD.

Não chega a ser uma grande surpresa, já que o boato circula desde outubro de 2016. Mas o fato é que esse assunto passou despercebido em meio ao lançamento da linha New Softail (eu vou continuar chamando assim, podem reclamar à vontade).

Apesar de ter um motor moderno e uma pegada que atraiu muita gente que torcia o nariz para a Harley, a verdade é que a VROD foi um sucesso de vendas apenas na America Latina. No auge, modelos que custavam R$60 mil chegavam perto dos R$90 mil por conta do ágio causado pela grande procura nas terras tupiniquins. Já em outros mercados, ela apenas engatinhava.

De qualquer forma, ela conseguiu ficar em linha por 16 anos seguidos, o que prova que ela nunca foi o fracasso que alguns insistem em alegar. Ele simplesmente era um modelo que se distanciava demais do que o público fiel da marca gostava, ganhando até a alcunha de “A Harley que não é Harley”.

É o fim do motor Revolution, criado em parceria com a Porsche e inspirado na extinta Superbike da Harley-Davidson. Com isso, morre qualquer esperança de que ele pudesse ser colocado em algum outro modelo, como uma Touring Revolution como muitos cogitavam.

R.I.P. VROD. Eu sempre simpatizei com você.

A Dyna se foi, a Softail meio que se foi – novidades Harley 2018

Eu tive uma Dyna. Apesar de um problema elétrico crônico que nunca foi encontrado, eu adorava aquela moto. Ainda gosto, se pudesse ela estaria na minha garagem até hoje. Não era nenhuma FXR, mas era o mais perto que eu ia chegar.

Por isso que eu fico um pouco triste de dar essa notícia para vocês. Sim, a Dyna saiu de linha. Aliás, a Softail saiu de linha, porque o que a Harley lançou hoje é algo bem diferente. Os modelos das duas linhas foram unificados no que podemos apelidar de “New” Softail, um novo frame que abandona os amortecedores laterais da Dyna e os que ficavam sob o quadro da Softail.

O novo frame é mais moderno, mais rígido e com menos soldas para deixar as motos mais estáveis e com melhor dirigibilidade, algo que os consumidores estão pedido há tempos nos EUA. O novo amortecedor vai ficar escondido debaixo do banco em uma posição que deve ajudar ainda mais na rigidez do conjunto. O motor também não vai usar nenhum coxim, sendo fixado diretamente no quadro como nas antigas Softails, mais um item que aumenta a rigidez do conjunto.

(Só quero ver agora como o pessoal vai rebaixar as motos. E aguardo descobrir se esse novo amortecedor vai dar conta das ruas do Brasil.)

O lado bom é que o visual conseguiu ficar ainda mais limpo e mais semelhante com uma moto rabo duro, que era justamente a ideia por detrás do quadro da Softail: fingir que era algo old school quando na verdade não era, uma coisa que a Harley gasta rios de dinheiro para fazer (e faz bem).

As motos chegaram a perder até 13kg, o que é algo QUE O MARKETING NEM DEVERIA MENCIONAR! Sério Srs e Sras executivos da Harley-Davison: olha quanto Harleyro barrigudo tem por aí nos EUA e pelo mundo (tô me incluindo nessa). Olha os acessórios de metal fundido, pedaleira plataforma de dois quilos e os escapes maiores que um Cadillac que a galera põe nas motos. Ninguém liga pro peso. Talvez 2% do seu público alvo esteja preocupado com peso, e são provavelmente os mesmos que vão vender a HD pra comprar uma cafe racer.

Falando sério, isso é bom. Economia de peso ajuda na frenagem, ajuda no desempenho, na economia e na hora de manobrar. É pouco peso que elas perderam, mas é um começo, especialmente quando se percebe que essa é a primeira vez que a Harley menciona o assunto.

Com o novo frame, as motos também melhoram nas curvas (que, depois da redução de peso, é outra coisa que a Harley nunca se importou muito). Nas curvas, a Softail Slim foi de 24.9º de inclinação na esquerda e 24 de inclinação na direita para to 27.4º em ambos os lados. É uma bela mudança e que acaba com aquele sensação horrível de que você faz curva melhor de um lado do que para o outro (o que não deixa de ser verdade, mas a sensação piora quando a moto é assimétrica nesse quesito). Já a Fat Bob continua assimétrica, mas ganhou um pouco mais de cada lado: 32º na esquerda e 31º na direita.

Uma das coisas que ajudou nisso foi a mudança de lugar da primária, que foi levemente deslocada para cima e em ângulo para não raspar tão cedo. Curiosamente, esse é o tipo de customização que era feita pelo pessoal das antigas que transformava as Harleys em bobbers para correr mais.

E antes que alguém saia com ideias por aí, o ângulo de inclinação de uma R1 é de 47º mais ou menos. A Harley ainda vai continuar fazendo curva quadrada, a menos que você seja esse cara aqui:

Todas as motos possuem suspensão regulável na traseira, com um acesso muito mais fácil por debaixo do banco. A suspensão dianteira melhorou também e os pilotos de teste das revistas gringas que tiveram acesso antecipado ao lançamento falaram muito bem da performance geral das novas motos.

E já não era sem tempo: os novos motores Milwaukee-Eight (M8) mereciam um conjunto melhor para botar toda a potência no chão. Aliás, sim… Esse é o motor que vai estar em toda a linha “new Softail” (sim, eu tô inventando esse termo). Digam adeus ao Twin Cam.

Todas as motos agora contam com ignição sem chave, que agora só vai ser usada apenas para a trava de guidão. Outras firulas foram incorporadas nas motos, e aí que entra a má notícia:

Todas… as.. motos… estão… mais… caras. Algumas um pouco, outras consideravelmente.

Com o dólar no preço que está, e com a economia engatinhando, não quero nem saber por quanto essas motos vão chegar por aqui. Deixo isso para o Wolfmann que faz previsões e análises sobre o tema melhor do que ninguém. Eu vou ter que vender meu rim pra comprar uma moto nova algum dia pelo visto. Ou rodar bolsa como dizia a minha avó (dizia, e não fazia engraçadinho).

Em resumo: uma bela mudança, que certamente deixou as motos muito mais prazeirosas de dirigir. O visual é questão de gosto, alguns vão amar e outros odiar modelos como a Fat Bob. Eu confesso que me interessei, é aguardar e ver como elas chegarão por aqui.

(PS: Ei, Harley… Vocês podiam parar de fingir que eu não existo e deixar uma dessas pra eu testar! Fica a dica… A galera aqui ia gostar. E garanto que eu ia fazer umas fotos bem mais legais do que essas revistas de consultório de dentista onde vocês divulgam os releases. #paz #ficaadica)

Street Bob 2018
Fat Bob 2018
Low Rider 2018

Se você tiver paciência, e souber inglês, veja a Live da Harley no YouTube com todos os lançamentos:

A Royal Enfield chegou no Brasil. Mas que moto é essa?

Quando alguém diz que a Royal Enfield é uma moto clássica, muita gente logo imagina que ela é como a Harley ou a Triumph Bonneville: uma moto com uma longa história que foi sendo atualizada no decorrer dos anos mas mantendo o mesmo visual clássico. Afinal, as motos com visual retrô estão na moda, certo?

Acontece que a Royal Enfield é o que os memes de internet chamariam de “clássica raiz”. Porque ela, ao contrário das demais motos de visual clássico, é realmente uma moto dos anos 60.

Classic 500

Tirando a injeção eletrônica, as duas velas no cabeçote e o ABS, relativamente pouca coisa mudou nessas motos no decorrer dos anos. E mesmo o que mudou, foi mais para uma adequação as legislações pelo mundo do que por uma necessidade da marca.

Fabricada na India, a Royal sempre foi uma opção de moto robusta e barata. Não se engane, ela não é uma concorrente da Triumph Bonnevile, que oferece um acabamento muito superior, assim como tecnologia e a performance.

Bullet 500

O motor de 500cc da Royal é obsoleto e não oferece nem de longe o desempenho que a maioria das pessoas espera dessa cilindrada atualmente (não se espante se uma 250cc se sair melhor). O acabamento não tem nenhum esmero, apesar do tanque ainda ter os detalhes pintados à mão e duas cores em alguns modelos.

Felizmente, o preço cobrado pelos modelos condiz com a proposta dela. Quer uma moto com visual clássico, robusta e não pagar uma fortuna? Eis a tabela divulgada pela marca:

Bullet 500: R$ 18.900
Classic 500: a partir de R$ 19.900
Classic 500 ABS: a partir de R$ 20.900
Continental GT: R$ 23.000
Continental GT ABS: R$ 24.500

Continental GT

Apesar da performance pífia para uma café racer, eu vejo um grande potencial na Continental GT. E no quesito moto clássica, poucas motos são tão bonitas como a Classic 500 (e nessa faixa de preço arrisco dizer que nenhuma).

A primeira vez que a Royal Enfield chegou por essas bandas, eu confesso que criei uma enorme antipatia com a marca. Afinal, na tentativa de surfar na onda das motos retrô, eles jogaram o preço lá em cima e ela custava quase o mesmo que uma Sportster.

Dessa vez não. Eles estão tratando nosso mercado de uma forma muito parecido com o Indiano, onde as motos são fabricadas, e se colocando para um público que busca estilo, mas também uma moto robusta e acessível para o dia a dia.

Ainda é cedo saber como elas vão se sair por aqui. Se eles jogaram suas cartas corretamente, acredito que a Royal Enfield vai incomodar especialmente as custom de entrada, como a Dafra Horizon 250.

Agora é esperar para ver como vai se sair o pós venda e a reposição de peças.

Para terminar, deixo vocês com um review feito pelo pessoal do canal Motorama, que fez um test ride com as motos:

Alguém pagou mais de um milhão e meio de reais por uma moto feia e velha

Uma centenária Henderson Four de 1912 foi vendida por US$ 490 mil em uma casa de leilão nos Estados Unidos. Ela é considerada a primeira moto com motor de 4 cilindros dos EUA, criada em Detroit pelo engenheiro Willian Henderson.

Já pensou aquela pessoa que jogou uma dessas fora porque achou que era uma sucata feia e velha?

Fonte: http://theoldmotor.com/?p=50828

Harley-Davidson lança Road King mais bandida

Eu sou suspeito para falar da RK, pois é a bagger que eu mais gosto. A Harley-Davidson acabou de dar um belo tapa no visual da clássica Road King, deixando ela com aquele visual que muita gente gosta de chamar de “bandido” com a nova versão Special.

Ela perdeu as rodas raiadas, a bolha, vários cromados e ganhou o novo motor Milwaukee-Eight. Os alforges deixam de ser de couro e se tornam rígidos, seguindo bem o visual das baggers customizadas.

Harley e Ducati com desconto

A Ducati está dando um bônus de até R$ 3 mil para quem está afim de uma Scrambler Icon, Monster 821 Dark/Red, Hypermotard, Hyperstrada e Diavel Dark. Para quem já tem um modelo da marca, eles oferecem emplacamento grátis e “supervalorização na troca”. Honestamente, eu não sei o que isso quer dizer… Pra alguns, supervalorização quer dizer pagar 30% a menos que a tabela Fipe, ao invés de 40%.

Se alguém for negociar lá, avisa pra gente o que essa “supervalorização quer dizer”. A promoção vale até o dia 28 deste mês.

Já a Harley-Davidson está oferecendo duas motos com R$ 10 mil de desconto. A Fat Bob vai de R$ 59,9 mil para R$ 49,9 mil, e a Street Bob vai de R$ 55,8 mil para R$ 45,8 mil. Esses são preços de tabela, então é bom pesquisar se o desconto é real ou se ele já estava sendo negociado nas lojas.

A Harley também oferecem até R$ 4 mil de valorização na sua seminova. Mais uma vez, se for R$ 4 mil de valorização, mas oferecem 40% a menos que a FIPE, vale a pena vender sua moto para os amigos.

via GIPHY

Se a baixa do dólar se mostrar um tendência, talvez tenhamos boas surpresas este ano quando os estoques baixarem. Mas isso é uma loteria, vamos esperar para ver.

Cena triste

Parece bobagem, mas essa cena é muito representativa não apenas do nosso trânsito, mas também do nosso país. Foi postada pela Rádio Band mostrando o que aconteceu quando o farol que liga duas vias importantes da cidade São Paulo quebrou.

Imediatamente começa o pega pra capar, com todo mundo querendo passar. O resultado? Quando todo mundo quer levar vantagem, ninguém sai ganhando.

 

O resumo do mundo das motos em 2017 (até o momento)

Depois de curtas férias, eu volto para acompanhar as notícias e vejo que o mundo das motos em 2017 já tem muita coisa pra contar. (Ok, vários fatos são de 2016 mas shhh… Tô atrasado com os posts).

A Polaris fechou a Victory

As motos da Victory sempre foram uma grande promessa, mas nunca chegaram a realmente competir com a Harley-Davidson. A proposta da marca era ser uma opção de cruiser mais moderna, ágil, com chassis melhores e bastante tecnologia embarcada. O visual retrô ficava de fora em detrimento de um design um pouco mais “moderno”.

Mas vamos ser sinceros… Quem procura uma moto com esse perfil geralmente prefere pagar menos e conseguir basicamente a mesma coisa com uma japonesa. Por isso não fazia muito sentido a Polaris, que é a fabricante tanto da Indian quanto da Victory, dividir seus esforços em duas frentes de batalha.

A Indian tem praticamente tudo o que a Victory tinha, aliada a um nome forte e um visual retrô que é imprescindível para muitos consumidores da categoria.

Mulher é presa se masturbando na frente dos vizinhos em cima de uma moto

A notícia é de 2014, mas por algum motivo ela só foi desenterrada e viralizou este ano. O fato ocorreu na Florida e gerou uma grande comoção na vizinhança já que a principal testemunha foi um garoto de 13 anos.

No entanto, o que realmente causou comoção na internet foi o fato de que não ficou claro qual moto ela estava usando. E como a loucura não tem fins nos fóruns de internet, chegou-se a especular qual modelo seria mais indicado para o ato, além das vantagens e desvantagens de um coxim de borracha nas vibrações no banco.

A Triumph vai trazer a Scrambler de volta para o Brasil

Lembra quando estavamos discutindo sobre as novas Scramblers neste post aqui?

A Triumph parece ter sentido o peso da concorrência da Ducati e vai trazer de volta o seu modelo pra cá, ao lado da Street Cup e da sua Bobber,

Já não era sem tempo!

Gold Wing Faz recall de air bag

O fato atinge apenas 80 motos fabricadas em 2012, mas isso conseguiu muito mais mídia do que qualquer outro recall importante de outras marcas. Ponto pra Honda que assumiu o erro. Mas agora dá pra parar de fazer manchete sensacionalista com esse recall?

Ducati lança a moto mais cara do Brasil

A Ducati 1299 Superleggera vai chegar aqui por míseros R$ 550 mil. Isso significa que você está pagando R$ 2.550 reais por cavalo.

Já a CG 150 custa apenas R$ 700 por cada cavalo. Então eu sugiro você sentar e fazer bem as contas antes de assinar o cheque. Talvez valha a pena comprar 15 CGs para conseguir os tais 215 cavalos e com o troco comprar uma Ducati 1199 Panigale R.

Só uma sugestão.

São Paulo voltou a subir a velocidade das Marginais

Mas o trânsito continua uma porcaria e o debate sobre mortos continua, mesmo com o limite no resto inteiro da cidade continuando baixo.

Minha sugestão? Vai de moto. Vai de bicicleta. Carro em São Paulo é para pessoas mais evoluídas do que eu, que possuam a paciência do Dalai Lama para enfrentar o trânsito.

Acidente grave entre moto e carro termina de maneira inesperada

Três pessoas ficaram feridas em um acidente no bairro Uberaba na tarde da última quinta-feira depois que o motorista de um Fiat Uno cometeu uma grave imprudência. Uma câmera flagrou o acontecido e foi publicado pelo site da Tribuna. O motorista e a passageira do carro sofreram ferimentos leves. Já o motociclista sofreu um traumatismo craniano leve.

É impressionante ver uma moto como a Vulcan 900, de quase 280kg, fazer um carro de mais de 900kg com dois passageiros dentro capotar.

Felizmente terminou bem, já que com a violência da batida o final poderia ter sido muito diferente.

batida-1-540x324

batida-2-540x324

batida-3-540x324

Fotos da Rede News.

E o ano que vem, como vai ser?

screen-shot-2016-12-16-at-4-23-44-pm

O jornalista Geral “Tite” Simões escreveu artigo muito mais técnico e informativo do que o meu ensaio no post “Escrevendo sobre motos em tempos de crise“, que trata justamente da perspectiva do mercado de motos para o ano que vem:

Leia: O que esperar de 2017? @Motite

Dois pontos que me chamaram bastante a atenção no artigo: o primeiro é que o mercado de motos estagnou de tamanho, são 4 milhões de unidades comercializadas ao ano, entre novas e usadas, por dez anos consecutivos.

O segundo é o quanto o mercado de motocicletas novas encolheu depois daquela febre de dar crédito e se fazer carnê em um diversas parcelas. Hoje, desses 4 milhões, 30% são de motos novas, enquanto que 70% respondem pelo mercado de usadas cada vez mais aquecido (em 2012 essa divisão era 50/50).

Se você olhar nos classificados, é fácil ver como o preço das usadas muitas vezes cai para um patamar mais justo em pouco tempo. Some isso ao fato de que nos modelos mais “luxuosos” é fácil encontrar motos com baixíssima quilometragem, então não é preciso ser um especialista para entender onde as novas patinam.

No auge das vendas, muita gente tratou os consumidores como descartáveis, no famoso sistema “se você não quer, tem quem queira”. Marcas com modelos que possuíam fila de espera só pioravam isso, passando todo o poder para a mão dos revendedores que não se esforçavam em fazer um bom pós venda.

Hoje, muitos deles ainda não aprenderam a lição, enquanto outros estão bem espertos. Eu só espero que, assim que o mercado e a nossa economia finalmente melhorarem, os consumidores estejam mais exigentes e não caiam nessa.

Porque de moto cara e de país no enrosco, a gente já teve a nossa cota para uma vida inteira.

Indian Chief Springfield chega ao Brasil

Este ano anda bem fraco. Muita gente esperneou e não via a hora de 2015 acabar, mas quando 2016 se mostrou ser, na verdade, um 2015s, a galera surtou ainda mais.

Crédito anda em baixa, desemprego em alta, situação política parece um seriado de TV, polarização entre esquerda e direita, cães e gatos vivendo juntos, enfim, um caos.

Honestamente, achei que não ia ter muito o que postar até o final do ano com essa retração absurda no mercado de motos. Mas aí veio a Indian e bateu com o seu ZAP na testa. (Um zap bem caro, mas um ZAP).

2

Não é segredo nenhum que a Indian está comendo pelas beiradas no mercado de motos de luxo aqui no Brasil, chegando ao ponto de começar a incomodar marcas estabelecidas. E isso deve aumentar com a chegada da Indian Chief Springfield, com um preço menor que a importada pois será produzida aqui no Brasil em regime CKD (Completely Knock-Down), aquele sistema onde a moto vem completamente desmontada e é montada em Manaus pra ganhar incentivos fiscais por ter gerado alguns empregos.

O nome da moto vem da cidade natal da Indian, Springfied no estado de Massachussets, o berço da primeira indústria de motos fabricada em série nos EUA.

O motor é o mesmo Thunder Stroke V-2 de 1.811 cm³ da Chieftain, Roadmaster, Chief Classic e Chief Vintage com câmbio de seis marchas.

Segundo a marca a Springfield possui chassi em alumínio forjado, sistema de acelerador fly by wire, cruise control e transmissão final por correia. A moto vem com ABS e dois discos ventilados e flutuantes de 300 mm na dianteira, e um disco único na traseira. Os flexíveis são do tipo “aeroquip”, reforçados com malha de aço, evitando aquela sensação de freio borrachudo das motos com cabos longos.

Claro que a notícia ruim ficou pro final: o preço. A versão Thunder Black sairá por R$91.990 enquanto que a Steel Gray & Burgundy Metallic custará R$94.990.

Fazendo a conversão, isso equivale a 28 mil dólares para a versão mais cara. Para efeito de comparação, o mesmo modelo sai por 22 mil dólares lá fora, o que equivale a 74 mil reais na cotação de hoje.

Uma moto interessante para muitos, mas para o bolso de poucos.

4

3

5

photo-1

photo-6

Todas as fotos divulgação Indian Motorcycle.

Uma Europa sem motos em um futuro não tão distante

Um das viagens de moto que eu mais gostaria de fazer é cruzar a Europa inteira, gastando um bom tempo especialmente nos Alpes. Não sei quando isso será possível, mas pelo andar da carruagem é melhor eu ganhar na loteria, pois isso pode virar apenas um sonho no futuro. Bom, pelo menos em uma moto com um motor V2 ou boxer.

Matéria da France Press, replicada pelo Auto Esporte:

Suécia propõe que União Europeia proíba carros a gasolina em 2030. Alemanha também avalia vetar motores a combustão no país.

A União Europeia deve considerar a possibilidade de proibir a venda de veículos que utilizem gasolina ou diesel a partir de 2030, propôs no último sábado (22) a ministra sueca do Meio Ambiente, Isabella Lövin, segundo informou a France Press.

A ministra, em entrevista ao jornal Aftonbladet, comemorou uma resolução nesse sentido que foi adotada em setembro passado pelo senado alemão, ainda que sem valor obrigatório.

“É uma proposta verdadeiramente interessante (…) Para concretizá-la só podemos aplicar uma proibição desse tipo a nível de União Europeia” declarou ao jornal.

“Como ministra do Meio Ambiente a única solução que vejo é deixar de lado os veículos com combustíveis fósseis”, acrescentou.

O governo sueco, formado por uma coalizão de social-democratas e ecologistas, tem como objetivo conquistar uma matriz energética 100% renovável no país em 2040.

Ou seja, tem gente querendo colocar o último prego do caixão das motos movidas com motores de combustão interna muito antes do que imaginávamos.

Na remota hipótese dessa lei passar do jeito que está, e mesmo que ela fique confinada apenas à Europa, é bom lembrar que o mercado Europeu é um dos mais importantes do mundo, sede de muitas marcas importantes e de modelos que são criados especialmente para aquele público. Com certeza seria um baque na produção e desenvolvimento mundial de motocicletas.

Se eu acredito que vai acontecer de forma tão radical? Não sei. É como aquele velho ditado: no creo en brujas, pero que las hay.


UPDATE: Minha opinião sobre a alternativa, as motos elétricas, você confere no post “Eu sou contra as motos elétricas?”