Arquivo da categoria: Viagens

Um harleyro de moto até o Alasca

Depois do post do Arthur e seus 10 dias viajando sozinho de moto, chegou a vez de mostrar a história de alguém que elevou esse tipo de aventura para o nível Jedi: o Filipe, do blog Road Garage, que está indo do Rio de Janeiro até o Alasca de moto.

Como se já não bastasse fazer essa viagem, que já é bem difícil por natureza, o cara decidiu ganhar ainda mais XP no caminho e está fazendo isso não com uma adventure ou trail, mas com sua Harley-Davidson FX com seca suvaco.

E para que a gente possa ter um gostinho dessa aventura, ele está documentando toda a viagem em seu canal do YouTube (e porque esse canal ainda não viralizou é algo que foge da minha compreensão).

Vale a pena acompanhar todos os vídeos que ele tem postado mostrando essa epopéia. Já são 43 vídeos até o momento, com o mais recente deles mostrando a chegada na histórica Rota 66.

Vou confessar que essa é uma das aventuras que eu mais tenho vontade de fazer (a primeira é ir do Alasca até NY, depois desembarcar na Europa e ir até a Rússia/Mongólia. Patrocinadores são bem vindos).

Filipe, todos nós desejamos uma excelente jornada e um retorno seguro. Como dizem os americanos, godspeed!

Screen Shot 2016-06-23 at 10.45.10 AM

Canal do Road Garage no YouTube.

——–

UPDATE: Desde a publicação do post, o Filipe colocou mais um vídeo no ar, com a chegada dele em Las Vegas.

Dez dias viajando de moto sozinho

O Arthur Jung mandou um vídeo de uma viagem solo que ele fez durante dez dias, de Tubarão à costa do Chile. É pra aumentar o som e viajar na estrada com ele.

E já que o assunto é viagem, isso me lembra uma das reclamações mais constantes que eu vejo aqui quando posto sobre isso. Nos comentários sempre aparece alguém que diz: “Tenho vontade de ir para determinado lugar, mas não tem ninguém pra ir comigo”.

Honestamente? Bobagem.

Sim, eu entendo que ir com alguém é divertido e ainda reduz vários riscos numa viagem. Mas não ter companhia não é motivo de desistir, pelo contrário, vai transformar a viagem numa aventura ainda maior.

Falo isso por experiência própria, sou um cara que conta os amigos nos dedos da mão. Tem vontade? Vai sozinho. Todo aventureiro costuma dizer que, assim que a gente coloca o pé na estrada, coisas começam a acontecer. É como se a aventura agisse como um imã que atrai pessoas novas para o seu caminho, dispostas a ajudar você com os problemas que inevitavelmente surgirão.

Ted Simon, que deu a volta ao mundo sozinho em sua moto numa época sem celulares e internet, disse que a grande lição que ele aprendeu na estrada é que a ajuda sempre vem. Um viajante nunca fica sozinho.

E você? Espero em breve publicar aqui um vídeo seu como esse feito pelo Arthur.

DCIM101GOPRO

DCIM101GOPRO

DCIM101GOPRO

DCIM101GOPRO

23_800

DCIM101GOPRO

25_800

Todas as fotos © Arthur Jung

Road Trip


It’s Better In The Wind – 2011 Trailer 2 from Scott Toepfer on Vimeo.

Este é o trailer para o curta independente do fotógrafo Scott G. Toepfer, chamado “It’s Better In The Wind”, e que mostra um grupo de rapazes dando um rolê pelo oeste americano. Confesso que estou um pouco cansado dessa postura hipster da galera, mas mesmo assim estou muito curioso para ver o curta. Os caras têm bom gosto para motos e, aparentemente, um excelente olho para filmagens.

Para quem se interessa por cinema, um detalhe técnico: o curta foi feito usando uma mistura de 8mm e filmagens com a Canon 5D Mark II.

Filmes sobre moto: One Week

No filme “One Week” (sem tradução em português) Joshua Jackson interpreta um homem diagnosticado com câncer terminal. Ao ser informado pelo médico de que o tratamento será doloroso e com poucas chances de recuperação, ele decide fazer uma viagem de moto de Toronto até Vancouver em uma belíssima Norton Commando, ao invés de atender os pedidos de sua noiva e iniciar o tratamento imediatamente.

É uma típica história de road trip, com o personagem principal encontrando diferentes pessoas pelo caminho e tentando descobrir quem ele realmemte é. O filme é permeado pelas belas paisagens do Canadá, e percebe-se que o diretor tenta fazer uma ode ao país.

Gostei, mas confesso que achei o filme um pouco lento, com personagens apáticos. No entanto, ele rende alguns bons momentos e algumas belas cenas. O mais interessante é se colocar no lugar do personagem principal e pensar: o que eu faria nessa situação?